19/02/2021 às 11h11min - Atualizada em 19/02/2021 às 11h07min

"Para todos os garotos que já amei" chega ao fim com mensagens sobre sonhos e relacionamentos

Lucas Lima - Editado por Ana Terra

'Para todos os garotos: Agora e para sempre' chegou ao catálogo da Netflix, nesse mês de fevereiro. O filme é o último da sequência 'Para todos os garotos', trazendo o desfecho do amado casal Lara Jean e Peter Kavinsky.

Fonte: Netflix

Fonte: Netflix

Nesse capítulo, o filme foca no último ano de ensino médio do casal, momento em que eles precisam decidir onde desejam fazer faculdade e como o relacionamento deles ficará no futuro. De início, o plano do casal era de ir para Stanford, e estando lá, ambos poderiam ficar juntos como sempre desejaram. Entretanto, os planos mudam quando Lara Jean percebe que deseja ir a NYU, em Nova York e, por isso, eles ficariam separados por uma distância de 5.000 quilômetros. A partir disso, o filme gira sobre essa decisão e como ela afeta o futuro de ambos.

 

Vale destacar, a princípio, a construção narrativa da obra. ‘Para todos os garotos: Agora e para sempre’ segue o mesmo formato dos anteriores, tanto na sua estética, que se dedica em apresentar uma diversidade de cores, mas com baixa saturação, quanto na forma de abordar assuntos e trabalhar personagens. Dessa forma, o filme funciona como fio condutor, puxando as produções anteriores ao desfecho, sem se deslocar do que já vinha sendo realizado.

 

Aqui, não somente o casal de protagonistas caminham para um final, os demais personagens seguem no mesmo caminho. Isto fica evidente com o casamento do pai da Lara Jean. Ele deu uma nova chance ao amor - ainda no segundo filme - e se apaixonou. Agora, assistimos o seu ‘‘final feliz’’. Além dele, percebe-se o desfecho de Kitty e como ela ficará quando sua irmã partir para faculdade. 

 

Nesse sentido, é necessário destacar o papel das irmãs de Lara Jean e como o relacionamento delas funciona como um espelho. Margot é a irmã mais velha da família, a primeira a sair de casa para cursar faculdade e passou pela tentativa de um relacionamento a distância. Agora, a Lara Jean se vê na mesma situação. As escolhas e opinião da sua irmã cai com grande peso para suas futuras decisões. O mesmo funciona para Kitty. Vemos ela agora, passar pelos mesmos passos de Lara Jean - o início de um relacionamento - e, portanto, as ações dela pesam nas decisões de Kitty.

 

A grande questão do filme gira em torno da decisão de Lara Jean e disso, faz-se uma reflexão sobre sonhos e amor. Aquele ar de último ano do ensino médio, repleto de despedidas, está a todo momento presente. Mas o ponto chave mesmo, está na reflexão sobre sonhos e as barreiras que os impedem de serem realizados. De início, Lara Jean estava seguindo os desejos do seu companheiro, indo para a Universidade que ele tanto queria e seguindo o desfecho que lhe era conveniente. Mas em um momento desse percurso, ela percebe que não deseja esse futuro, que o seu sonho está realmente a quilômetros de distância, em Nova York.

 

São duas decisões constantes e dois elementos de peso. O encantamento pelo primeiro amor, mas aquela escolha do que fazer no futuro, que tanto persegue os estudantes no último ano de colegial. Relacionamento, às vezes, se tornam âncoras que nos prendem ao chão, impossibilitando de andar. Quando decisões como essa aparecem, os amores impossibilitam de permitir que enxerguemos as coisas de forma clara. Lara Jean e Peter, no final das contas, conseguem chegar a um denominador em comum. Mas isso é uma exceção. Na vida real, as vezes precisamos largar um para seguir outro.  

 

A partir desse conflito, podemos tirar várias reflexões para nós mesmos. Talvez, por isso, a mensagem desse filme seja tão poderosa comparada aos anteriores. Lara Jean escolhe seguir seu sonho, mas para isso, precisa deixar a pessoa que mais ama no mundo a quilômetros de distância. Porém, na realidade, será quando chegar o momento, o que iremos escolher. O peso da decisão é angustiante, mas é importante saber que não há certo ou errado, apenas caminhos diferentes.

 

REFERÊNCIAS: 

ROSSANI, Fábio. Para todos os garotos: Agora e para sempre - todo mundo precisa crescer. Cinema com Rapadura, 2021. Disponível em:<https://cinemacomrapadura.com.br/criticas/594800/critica-para-todos-os-garotos-agora-e-para-sempre-netflix-2021-todo-mundo-precisa-crescer/>. Acesso: em 18/02/2021.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »