20/09/2021 às 09h59min - Atualizada em 18/09/2021 às 23h21min

Silvestre | a última grande caçada

Uma história de caos, delírio e brutalidade humana entre um banquete ritualístico com divindades pagãs e figuras folclóricas

Ivan Fercós - Editado por Ana Terra
De lançamento da Darkside Books, a graphic novel Silvestre é escrita e ilustrada por Wagner Willian Menezes, autor potiguar que já mostrou mais de uma vez seu talento no Brasil e no mundo, através de obras como Lobisomem Sem Barba, Bulldogma e O Martírio de Joana Dark Side. Todas as obras vencedoras de importantes premiações de quadrinhos – como o Prêmio Jabuti e o Troféu HQMix. Silvestre, por sua vez, foi ganhadora do prêmio Jabuti edição 2020, a HQ é inteiramente dedicada ao melhor da arte sequencial com quase duzentas páginas em capa dura e luva.
Reprodução: DarkSide

Reprodução: DarkSide


Silvestre é convite aberto uma experiência bem diferente. Wagner Willian nos coloca em um cenário no meio de uma floresta repleta de criaturas sobrenaturais das mais diversas ao mesmo tempo, em que nos faz refletir desde as estranhas sobre como vemos e pensamos, quem somos diante da morte, loucura e sexo. Qual é a real natureza humana?

Em entrevista ao canal Impulso HQ, o autor disse que o estralo para escrever uma história de terror infantil surgiu após ele assistir ao filme Babadook, o livro do mal de 2014. Willian ficou remoendo a história como uma espécie de animal raro em sua cabeça. “Todo autor escreve para si. Ele deseja debater assuntos que o estão incomodando. A história está pronta, mas por ter um caráter público ela precisa de alterações mais editoriais conforme o gosto dos leitores, senão ao final teremos uma boa história sem leitores interessados. Isso é o fracasso para qualquer escritor de HQ’s ou de livros propriamente ditos como literários”.

Em uma HQ visualmente linda e poética, ele transforma quadros em páginas passando do belo e magnífico ao grotesco e monstruoso a cada deslizar dos olhos. Inicialmente idealizada para ser um livro infantil de terror de apenas quarenta páginas, Silvestre contou com o incentivo de um edital da Prefeitura Municipal do Estado de São Paulo, além do apoio editorial e gráfico da Darkside Books para ganhar sua forma incontestável.

Outra assinatura notória de Willian é o seu estilo, um pouco diferente do que podemos ver em HQs mais tradicionais. Suas histórias sempre têm um teor mais grandioso quase transcendental, acompanhadas por uma arte que lembra bastante as aquarelas do período artístico renascentista. E em Silvestre não diferiria, aqui, o autor usa e abusa de seu talento para contar uma narrativa visual sobre a natureza e o primitivismo intrínseco do homem.

Reprodução: DarkSide

Reprodução: DarkSide


A HQ ainda chama atenção devido a grande quantidade de técnicas encontradas ao longo de suas páginas composta por lápis, nanquim, óleo, óxido de ferro e até sangue. O experimento com sangue surgiu após um corte no ombro esquerdo de Menezes, com uma base sólida nas artes plásticas e pintura, ele decidiu desenhar usando seu próprio sangue, porém achou melhor guarda-los mais tarde prestes a concluir o livro, encontrou o lugar e qual a melhor forma de como usá-los. Aqui tudo parece funcionar a favor da história.

O enredo não é o elo principal mais importante na obra. O leitor é provocado a cada página a decifrar a metalinguagem usada na união de historinhas em quadrinhos e literatura, que fazem deste livro uma espécie de sketchbook, um caderno de viagens dividido em três partes: a primeira a rotina de um caçador em busca de alimentos e as dificuldades impostas pela mãe natureza. Bondosa e bela, mas na mesma intensidade cruel e demoníaca. Na segunda o preparo de uma torta que atrai várias divindades dos mais diversos lugares e o sentimento de partilhar por todos. Já no terceiro ato, o autor relembra que algumas criaturas são malignas e cruéis enquanto outros são simplesmente trapaceiros criando cenas de grande violência e muito sangue.

A crítica presente pode ser dita como uma análise delirante sobre religião como alienação do homem. O desencantamento do mundo ou um lamento visto a perda em crenças em elementos mágicos, representando simbolicamente a morte de Deus e suas consequências. Há ainda aqueles que interpretam como uma briga entre as crenças monoteístas e politeísta, devido ao aparecimento de figuras míticas do nosso folclore (Curupira e Mula sem cabeça) e de culturas hindu, africana, tailandesa, iurobá e eslava (Baba Yaga).  

O encanto da HQ Silvestre é que não existe certo ou errado, cada pessoa pode fazer a sua leitura tomando o seu contexto social e cultural como guia. Para finalizar, lê-la é como ter uma experiência artística e de contemplação podendo ter uma nova interpretação ou leitura a cada visita, invés de uma obra de puro entretenimento. Como nas palavras do próprio autor, uma narrativa poética, visceral, crua, selvagem e direta sobre a natureza humana, os sentidos e um mundo de causa e efeito.


REFERÊNCIAS:
DARK BLOG. É a Hora de Conhecer a Nossa Verdadeira Natureza em Silvestre. DARKSIDE BLOG, 18 de nov de 2020. Disponível em: <https://darkside.blog.br/e-a-hora-de-conhecer-a-nossa-verdadeira-natureza-em-silvestre/>. Acesso em: 13 de set de 2021.
DILETANTE PROFISSIONAL. Silvestre - Dica de HQ. DILETANTE PROFISSIONAL, 13 de jan de 2020. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=EkRDZ0xASmY>. Acesso em: 13 de set de 2021.
FONTANA, Daniel. Silvestre – Existe beleza no caos… FORMIGA ELETRICA, 27 de fev de 2020. Disponível em: <https://formigaeletrica.com.br/quadrinhos/resenhas-quadrinhos/silvestre-hq/>. Acesso em: 13 de set de 2021.
FIAUX, Gus. [REVIEW] SILVESTRE – A ESSÊNCIA PAGÃ DA NATUREZA. Legiões de Heróis, 11 de jan de 2020. Disponível em: <https://www.legiaodosherois.com.br/2020/review-silvestre-a-essencia-paga-da-natureza.html>. Acesso em: 13 de set de 2021.
IMPULSO HQ. Conversamos com Wagner Willian, o autor de Silvestre, HQ que ganhou o Jabuti! IMPULSO HQ, 9 de dez de 2021. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=traOLrDHLF>.  Acesso em: 13 de set de 2021.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »