09/11/2021 às 11h59min - Atualizada em 24/10/2021 às 17h14min

R.I.P Brasil

O país que ultrapassou o futuro e está (no) além

Paulo Firmo - Editado por Fernanda Simplicio
Foto: João Pinheiro/Reprodução: Editora Veneta
Com lançamento previsto para dezembro deste ano, a nova HQ de João Pinheiro, Depois que o Brasil Acabou mergulha na distopia na qual aparentamos viver.
 
Cidadão engajado e filho da periferia da capital paulista, o artista visual e quadrinista, João Pinheiro, vem construindo a sua carreira artística sob consistentes pilares questionadores da(s) realidade(s), sobretudo, a brasileira. São inúmeras ilustrações e impressos – muitos dos quais constituem exposições e integram revistas mundo a fora –, fanzines e histórias em quadrinhos. Todos ilustram o seu direcionamento discordante para com as ações mandatárias de grupos em posições de poder e as consequentes agruras sociais, políticas, econômicas e culturais geradas na vida da população.
 
Seja pela própria natureza da arte mídia (que une texto e desenho de modo sequencial e simultâneo), por uma associação a literatura ou quais quer outas razões, o certo é que referente à Nona Arte (como os quadrinhos são categorizados no conjunto as manifestações artísticas), entre graphic novels (atualmente um sinônimo para um “quadrinho de fôlego”) e zines ou fanzines (de fanatic magazine, literalmente uma revista feita por fãs para as pessoas – amadoras ou profissionais – que se interessam por um determinado tema em comum), o olhar provocador e contundente de Pinheiro não poupa a crítica sob as incongruências governamentais, em um posicionamento de luta contra o obscurantismo – Especialmente nos dias atuais.
 
Uma trajetória de destaques: Em 2011, pela editora Devir, publicou Kerouac. A HQ aborda a vida e obra do escritor Jack Kerouac (1922-1969), um destacado representante da geração Beat ou Beatnik – criadora do movimento literário estadunidense de mesmo nome, que no pós-guerra pautava-se na liberdade total e intensa de criação. Uma adaptação do conto O espelho, de Machado de Assis, pela Editora Mercuryo Jovem, junto à JosaFÀ, veio em 2012. Três anos depois, agora editado pela Veneta, mais uma obra a respeito de um escritor agitador (no mais produtivo dos sentidos) do mesmo movimento Beat citado anteriormente: É Burroughs (2015), sobre o escritor William S. Burroughs (1914-1917). A pareceria com a Veneta se mantem e em 2016, Pinheiro, ao lado da professora e pesquisadora Sirlene Barbosa (sua esposa), publica a premiada Carolina – que retrata a dura e rica vida da escritora Carolina Maria de Jesus. Neste mesmo ano, pelo Projeto Resistência Leste, do Espaço de Tecnologias e Artes (ETA) no Sesc Itaquera, o fanzine Molotov. Nos anos de 2017 e 2018 (pela Mugwump Comix) e 2019 (pela Commie Comix), participa do fanzine Cavalo de Teta.
 
Até então, à exceção de “Carolina” e “O espelho”, ao construir as suas histórias (em quadrinhos), Pinheiro costumar mixar fatos sociopolíticos da nossa realidade com referências da cultura popular e produtos de fantasia dos quadrinhos, literatura, cinema e TV. Em Depois que o Brasil Acabou, poderemos perceber o alcance da sua livre percepção. Com alegorias debruçadas sobre figuras reais do Brasil político, ele expõe a nossa histórica ferida sociopolítica e cultural (com os profundos agravos recentes) com contundência e criatividade.
 
Compreendendo o período entre os anos de 2016 e 2020, a HQ (impressa) reunirá materiais inéditos, trabalhos publicados em fanzines (alguns dos quais citados anteriormente), algumas coletâneas e outras obras que estão em formato digital na rede mundial de computadores.
 
Nesse todo, João Pinheiro declara: Acho que as histórias em quadrinhos fazem parte da sociedade e, como tal, expressam as relações sociais de sua época. Os autores têm um controle apenas relativo sobre suas criações. Nesta coletânea, acredito que essa perspectiva fica bastante explícita.
 
Algumas páginas,
Foto: João Pinheiro/Reprodução: Editora Veneta

Foto: João Pinheiro/Reprodução: Editora Veneta

Imagem de Depois que o Brasil Acabou


Foto: João Pinheiro/Reprodução: Editora Veneta

Foto: João Pinheiro/Reprodução: Editora Veneta

Imagem de Depois que o Brasil Acabou

e a descrição da obra divulgadas pela editora Veneta
 
[“No retrato feito por Pinheiro, o país é um campo de batalha onde a Preta Maravilha, Marighella, Mano Brown e Antônio das Mortes enfrentam Bolsonaro, Sérgio Moro, José Luiz Datena e um super-herói da Marvel Comics.”]
 
antes do lançamento confirmam a atualidade e intensidade do conteúdo. A conferir o gibi, que terá o formato 19 cm x 26 cm, 112 páginas, formato brochura, páginas coloridas, prefácio do prestigiado quadrinista e escritor Marcello Quintanilha e introdução de Rogério de Campos – que além de Editor da Veneta é um ícone do mercado de histórias em quadrinhos brasileiro. Pode ser adquirido no próprio site da editora, assim como em outras espaços físicos e virtuais.
 

Referências
 
AZEVEDO, Milena. O que foi a geração beat? Cultura Mundo Estranho. Super Interessante. 21 set. 2011. Disponível em: https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-foi-a-geracao-beat/. Acesso em: 16 out. 2021.
 
PINHEIRO, João. Reposted from @editoraveneta ?? já em pré-venda: Depois que o Brasil Acabou, de João Pinheiro! Instagram. 3 set. 2021. Disponível em: https://www.instagram.com/p/CTYNMBhHuXL/. Acesso em: 17 out. 2021.
 
Pré-venda | Depois que o Brasil Acabou. Editora Veneta. [s.d]. Disponível em: https://veneta.com.br/produto/pre-venda-depois-que-o-brasil-acabou/. Acesso em: 17 out. 2020.
 
SANT´ANA, Thaís.  Burroughs. Reviews. Universo HQ. 14 out. 2016. Disponível em: https://universohq.com/reviews/burroughs/. Acesso em: 16 out. 2021.
 

 
 
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »