28/10/2021 às 00h29min - Atualizada em 28/10/2021 às 00h04min

Frescor MPB | Minidocumentário da Amazon Music discute os rumos do gênero

A liberdade musical e criativa dos artistas nacionais da atualidade os inspiram para dar uma nova direção à música popular brasileira.

Dayane Cibelle - Revisado por Isabelle Marinho
Minidocumentário "Frescor MPB: O que está acontecendo?" já se encontra disponível no aplicativo Amazon Music e em seu canal no YouTube. (Divulgação/Reprodução: Amazon Music)

Quando falamos em Música Popular Brasileira, remetemos a nossa memória à era que foi representada por três grandes movimentos musicais inovadores: a jovem guarda, a bossa nova e a tropicália. Essas eras trouxeram consigo grandes nomes, como Caetano Veloso, Chico Buarque, Elis Regina, Roberto Carlos, Gal Costa, entre muitos outros artistas que, até hoje, são inspirações para quem faz música na atualidade.

O minidocumentário “Frescor MPB: O que está acontecendo?” produzido pela Amazon Music convidou nove artistas que compõem a cena musical brasileira atualmente para conversar sobre os rumos do gênero e falar sobre como eles buscam fazer a sua arte com uma nova visão, desassociando-se da pressão dos rótulos impostos, como, por exemplo: “quem será a nova Elis Regina?”, “quem é o novo Cazuza?”, os convidados para esse bate papo são: Duda Beat, Liniker, Tim Bernardes, Mahmundi, Tó Brandileone, Cícero, Anavitória, Luedji Luna e Vitor Kley.  A produção encontra-se disponível no aplicativo do Amazon Music e em seu canal oficial no YouTube.

 
Minidocumentário já disponível pelo YouTube. (Reprodução/YouTube: Amazon Music)

A DIVERSIDADE REGIONAL INFLUENCIA NO ATO DE CRIAR MÚSICA

O minidocumentário mostra do início ao fim que as várias cenas estão surgindo na indústria musical e nem sempre elas vêm com uma cara de algo já feito antes, mas mostram que são experimentos que inovam o cenário da MPB, unidos pela diversidade regional e cultural do país, impactando assim, públicos diversos. “O estilo musical não importa. Se amanhã eu vou fazer Rap, Axé ou Funk, tanto faz. É tudo música popular brasileira, música para as pessoas”, afirma Cícero.

Tim Bernardes comenta sobre a influência da internet como ferramenta responsável pela pulverização da música no digital, tornando-as minimamente estabelecidas, pois o público que se identifica com aquele estilo, acaba se engajando e dando mais visibilidade a esses trabalhos, além da possibilidade de artistas conseguirem criar música de forma mais orgânica, sem grandes gravadoras e estruturas. Mahmundi e Luedji Luna complementam falando do poder do emponderamento que a internet traz, não dependendo apenas das mídias convencionais para tornarem suas músicas popularmente conhecidas. “A internet foi um grande portal para essa nova geração”, diz Luedji.

A música sempre foi uma expressão artística que deu voz para diversas lutas, essa também é uma temática abordada na produção. “Cada um está levantando a sua bandeira de uma forma muito bonita e expressiva, então, por que não levantar através da música, né? Que é um meio de comunicação tão potente, que chega a tantas pessoas”, diz a Duda BeatAo longo da discussão os artistas falam sobre o medo dos rótulos que acabam enrijecendo a liberdade artística. “Vocês cantam o quê?”, para eles, o que importa é ser livre para ser quem querem ser, independente de qualquer estética, do que está em alta ou não, o importante é fazer música para o povo e contribuir para cena nacional de forma singular e ímpar.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »