30/06/2022 às 20h14min - Atualizada em 27/06/2022 às 15h14min

ComunicArte – arte como meio de informação e crítica social

Através de inúmeras obras, a arte passa a ser um meio que objetiva informar e trazer críticas sociais com o intuito de provocar reflexões e possíveis mudanças na sociedade

Vitória Barbara - editado por Larissa Nunes
Arte como crítica social. (Foto: Reprodução / Pexels)
Expressada através de quadros, pinturas corporais, músicas, textos literários, teatro, escultura e objetos, a arte é uma atividade humana que busca manifestar reflexões, significados e transmitir questionamentos sociais que fazem parte do cotidiano da sociedade e que desperta emoções, seja elas boas ou ruins, naqueles que consumem determinadas obras.

Além disso, há expressões onde a linguagem artísticas se misturam criando obras híbridas.

A arte é uma das formas de representar a sociedade com diferentes visões de mundo e cultura de um determinado período no tempo. Para muitos, a arte é uma ferramenta de comunicação que tem influência direta no convívio social, principalmente na hora de lutar pelos direitos humanos e definir padrões sociais.

A história é cheia de obras de artes importantes que ajudam a compreender os contextos históricos políticos e sociais, o comportamento humano, os anseios de uma sociedade. É com a Arte que discutimos o que pode ser considerado uma obra – se tentarmos responder este questionamento, podemos pensar no seguinte:
  • Objeto – material ou imaterial
  • Mensagem – O que o autor quer transmitir com determinada obra
  • Informação – O que é revelado no contexto da produção
  • Sensação e emoção – O que o observador sentiu ao ver ou ouvir a obra
  • Interpretação – O que o observador leu na obra

A arte pode revelar muito sobre o presente, sobre o próprio artista e sua relação com o mundo ao seu redor e sobre as pessoas que entram em contato com a obra. Apesar de que o conceito seja longo e possa ser diferente de acordo com cada cultura e vivência de um povo, a arte está presente em todo o mundo e tem grande influência na vida cotidiana de uma sociedade.

São por meio das obras que os artistas fazem retratos fiéis ou não de como aquela sociedade se comporta, suas crenças, valores, visões e qual a realidade social ali presentes. Além disso, as obras de arte não só servem como críticas das atitudes negativas de um local, como também podem trazer soluções para os problemas apontados através das reflexões despertadas nos observadores.

Talvez a expressão do ser humano seja a função mais conhecida da arte, ou a mais aceita. Os quadros que expressam as angústias do autor, as poesias que falam da alma do artista, o grafite no muro que reage a movimentos políticos, são alguns exemplos de como a arte pode expressar e refletir diretamente na pessoa que o compõe e naquele que o observa.

Tanto o artista quanto a audiência que a aprecia a obra, participam desse processo de expressão do ser humano. A construção dos significados está relacionada com o particular de cada um e, portanto, será exclusiva de cada indivíduo.

A arte também pode ser usada como instrumento terapêutico, de cura, autoconhecimento e de análise. Através dos desenhos, música, teatro e artesanato, torna-se possível para uma pessoa acessar sentimentos, memórias e conhecimentos, trazendo à tona bloqueios, traumas e questões que precisam ser analisadas e trabalhadas.

Além disso, a arte tem a capacidade de comunicar sem precisar de palavras. Muitos grupos e povos diferentes podem compartilhar uma série de informações por meio da arte, criando uma conexão profunda e atual, que muitas vezes não é possível apenas por palavras.

Como citado anteriormente, a arte pode apresentar críticas sociais e discussões pertinentes a sociedade. Segue abaixo uma lista de obras artísticas que carregam consigo temáticas de extrema importância:

Judith decapitando Holofernes - Artemisia Gentileschi


Judith decapitando Holofernes, obra de Artemisia Gentileschi.

Judith decapitando Holofernes, obra de Artemisia Gentileschi.

(Foto: Reprodução / Cultura Genial)


A pintura Judith decapitando Holofernes (1620), da artista italiana Artemisia Gentileschi (1593-1656), faz parte do movimento barroco. Nessa obra é retratado que faz referência a um momento de vida da artista, em que ela foi violentada por seu mentor, Agostino Tassi. Assim, Artemisia – com um ponto de vista feminino, transmite para a tela toda sua revolta e indignação com esse comportamento masculino.
 
Napalm (Can't Beat That Feeling) – Banksy


Napalm (Can't Beat That Feeling) – Banksy.

Napalm (Can't Beat That Feeling) – Banksy.

(Foto: Reprodução / Pinterest)


Nesta obra, o artista combinou as imagens de Mickey Mouse e Ronald McDonald, símbolos do American Way of Life, com a figura de uma menina vietnamita que foi fotografada fugindo dos horrores da guerra, fazendo uma montagem relacionando a Guerra do Vietnã com a cultura capitalista americana.

Desvio para o vermelho - Cildo Meireles


Desvio para o Vermelho de Cildo Meireles.

Desvio para o Vermelho de Cildo Meireles.

(Foto: Reprodução / Cultura Genial)


Desvio para o vermelho (1948-), é uma instalação idealizada em 1967, mas teve sua versão final em 1984. Trata-se de um local onde a cor vermelha está em todos os objetos, indicando paixão e violência. A motivação para a criação da obra, se deve ao fato de o artista ter perdido um amigo jornalista que foi morto pela ditadura. Portanto, essa é uma instalação que traz, sobretudo, um caráter político.

O Abaporu – Tarsila do Amaral


'O Abaporu', obra de Tarsila do Amaral.

'O Abaporu', obra de Tarsila do Amaral.

(Foto: Reprodução / Acervo de Tarsila)


Inicialmente pintado com o propósito de ser um presente para o seu marido da época, Tarsila do Amaral teve como objetivo inicial modificar as influências da cultura europeia produzindo uma arte genuinamente brasileira através da obra O Abaporu, que significa “homem que come” na língua tupi guarani. O corpo desproporcional do único personagem na tela, nos leva a refletir sobre a desvalorização do intelecto e a valorização da força física. Na época em que a obra foi pintada, a maioria das mãos de obras eram de trabalhadores que usavam o corpo para fazer trabalhos braçais.

Guernica – Picasso


Guernica - Picasso.

Guernica - Picasso.

(Foto: Reprodução / Pinterest)


Com seus tons escuros e sombrios, a obra representa as atrocidades cometidas durante a Guerra Espanhola, a barbárie e a crueldade humana. Nesta obra é retratado o bombardeio da cidade espanhola homônima em 1937 por aviões alemães. As cores utilizadas, preto branco e tons de bege e azul, resumem de maneira simbólica, o sofrimento dos espanhóis com o ataque.

Essa ideia de beleza – Rupi Kaur

 
” essa ideia de beleza é fabricada eu não – humana”

A "beleza" feminina é um aspecto construído ao longo dos séculos e que está em constante transformação. Existe uma cobrança para que as mulheres estejam sempre "impecáveis, belas e perfeitas", quase como se não fossem seres humanos, mas bonecas moldáveis. Rupi aborda essa problemática, reivindicando o seu lugar no mundo como pessoa, se posicionando contra a objetificação dos corpos e as pressões estéticas que recaem sobre as mulheres.

Xibom Bombom — As Meninas


Música do grupo As meninas, Xibom Bombom. (Reprodução: Carla Cristina - Youtube)

As Meninas, uma banda de axé formada só por mulheres, lançaram Xibom Bombom no fim da década de 90. Embora do ritmo seja animado, a letra fala sobre um problema social grave e que segue firme durante toda a história do Brasil e do mundo: a desigualdade social.

Eles Não Usam Black Tie, Gianfrancesco Guarnieri – Adaptado por um grupo de atores independente


Grupo de artistas populares.

Grupo de artistas populares.

(Foto: Reprodução / A Nova Democracia)


Peça de Teatro adaptado com músicas de Caetano Veloso e Gilberto Gil, a obra aborda a greve, movimento operário, conflitos ideológicos e morais de um povo que é esquecido, ama os seus e busca o seu lugar no mundo. Retrata, também, questões ideológicas entre pai e filho e as difíceis condições dos trabalhadores brasileiros. Além disso, a peça busca enaltecer o povo brasileiro e a cultura rica teimam em esconder.

Ironia do Policial Negro – Basquiat


Ironia do Policial Negro de Basquiat.

Ironia do Policial Negro de Basquiat.

(Foto: Reprodução / Cultura Genial)


Nesta obra, há uma crítica evidente à instituição policial e ao racismo presente nos EUA. Basquiat traz a ironia de um homem negro fazer parte de uma instituição conhecida por desempenhar a opressão contra a população negra. No entanto, o artista sugere que isso ocorre por conta da manipulação policial, opressão e ao mesmo tempo oportunidade de trabalho para essa mesma população.

Impossível - Maria Martins


O Impossível de Maria Martins.

O Impossível de Maria Martins.

(Foto: Reprodução / Cultura Genial)


A escultura Impossível é uma obra da brasileira Maria Martins (1894-1973), produzida em 1945. A obra representa uma metáfora visual para as relações amorosas, muito mais complexas do que a ideia de amor romântico, fazendo um paralelo entre as formas mostradas com a transformação do ser humano em vegetal, insinuando duas plantas carnívoras que buscam em vão se alimentar uma da outra.

A importância da arte na vida das pessoas é algo nítido, afinal ela está em todo lugar, fazendo parte da nossa cultura e da nossa história. A arte nos auxilia na nossa comunicação, no nosso convívio, no nosso crescimento enquanto individuo na sociedade. Torna-se, portanto, necessário que as obras artísticas sejam mais valorizadas e acessíveis para os mais diversos públicos.

Saiba mais sobre a arte e sua importância, clicando aqui.

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »