28/10/2022 às 18h53min - Atualizada em 30/10/2022 às 17h31min

Halloween: a origem, como se tornou a festa que é hoje e algumas curiosidades

Do festival pagã Samhain para os deuses até fantasias amedrontadores, enfeitar a casa e procurar doces, o Halloween continua com o mesmo objetivo: assustar!

Ana Lara Venturini - editado por Larissa Nunes
Imagem ilustrativa do Halloween. (Imagem: Virando Bixo / Google Imagens)

O Dia das Bruxas, comemorado no dia 31 de outubro, é conhecido mundialmente e é celebrado em diversos países do mundo, onde hábitos como ir de porta em porta atrás de doces, enfeitar as casas com adereços "assustadores" e participar de festas a fantasia são muito comuns.

Apesar de quando nos referimos ao Halloween pensarmos imediatamente nos Estados Unidos por conta dessa época ser um grande evento por lá, ele na verdade tem suas raízes na Irlanda.

A origem da festa do Halloween data há mais de 3 mil anos. Ela surgiu com os celtas, povos que existiram entre 600 a.C. e 600 d.C. Esse povo era politeísta e celebravam o festival de Samhain. A festa pagã comemorava o fim do verão, o começo do novo ano celta - que tinha início no dia 1 de novembro - e o início das colheitas.



Como o Samhain era uma comemoração pagã e muito popular não só na Irlanda, como também no Reino Unido, a Igreja Católica começou a ficar de olho nele. Assim, no século 8, o Papa Gregório III (ou IV, não se sabe ao certo quem foi) mudou a data do Dia de Todos os Santos do dia 13 de maio, em que era comemorado o festival romano dos mortos, para o dia 1º de novembro, a data do Samhain. A celebração do Dia de Todos os Santos se tornou obrigatória na tentativa de "cristianizar" o Samhain.

Desse modo, as tradições pagãs do Samhain e as tradições católicas do festival romano dos mortos se misturaram.

Tanto os pagãos quanto os cristãos, acreditavam que na noite do dia 31 de outubro existia uma conexão entre o mundo espiritual e material. Por conta do 1° de novembro estar cercado de um valor sagrado e extremamente positivo, os celtas acreditavam que o mundo seria ameaçado na véspera do evento pela ação de terríveis demônios e fantasmas. A maioria das pessoas acreditava que esses espíritos iriam fazer algo ruim com elas e com as colheitas. Então, eles começaram a fazer alguns rituais nesse dia para afastá-los.

Dessa forma, o Halloween nasceu como uma preocupação simbólica manifestada pela festa repleta de figuras estranhas e bizarras, que teriam o objetivo de afastar a influência dos maus espíritos. Além disso, o seu nome foi inspirado na expressão “All Hallow's Eve”, que significa "véspera do Dia de Todos os Santos”.

 

Ilustração fictícia dos símbolos do Halloween.

Ilustração fictícia dos símbolos do Halloween.

(Foto: BBC News / Google Imagens)


Entre esses rituais performados pelos celtas estavam fazer fogueiras, pois elas serviriam como símbolo do rumo a ser seguido pelas almas dos mortos, e as velas também tinham essa função. Os celtas também jogavam moedas dentro de caldeirões, fazendo pedidos aos mortos.

O “Trick or Treat” (Gostosuras ou Travessuras) também surgiu entre esses rituais. As pessoas batiam de porta em porta em busca de um pedaço de “soul cake” (“bolo das almas) que era um bolo recheado com groselha. Em troca do bolo, as pessoas rezavam para os espíritos da família de quem doava. Com o passar do tempo esse ritual foi substituído por crianças fantasiadas pedindo doces nas portas das casas.

Por ter essa relação intrínseca ao mundo dos espíritos, o Halloween foi logo associado à figura das bruxas e feiticeiras. Na Idade Média, as acusações se tornaram ainda mais recorrentes à medida que a Inquisição perseguiu e acusou várias pessoas de exercerem a bruxaria. Da mesma forma, os mortos também se tornaram comuns nessa celebração por não mais pertencerem à realidade etérea cristã.

 

Como surgiu o halloween que conhecemos hoje?
 

 

Hoje em dia o halloween não é nada como sua origem. O evento é sempre comemorado com festas a fantasia, casas decoradas e muitos doces. Mas, como foi que ele chegou na América?



Em 1845, alguns países da Europa, mas principalmente a Irlanda, passaram por um período chamado de “Grande Fome”, que durou até 1849. A causa para a escassez de comida desse período foi uma infestação que atingiu as plantações de batata do continente.

A população da Irlanda dependia unicamente de batatas para sobreviver, então, essa infestação foi uma verdadeira tragédia para o país. Com isso, aconteceu uma emigração em massa dos irlandeses para os EUA, levando junto sua história e tradições.

E não é à toa que a partir dessa época começaram a surgir as primeiras referências ao Halloween por lá. Assim, as tradições do Halloween europeu se uniram aos rituais de colheita americanos.

Atualmente, o Halloween permite subverter normais sociais como evitar contato com estranhos ou explorar o lado negro do comportamento humano. Ele une religião, natureza, morte e romance. Talvez seja este o motivo de sua grande popularidade.

 

Curiosidades


O gato preto

O gato preto, símbolo do Halloween, foi demonizado ao longo dos anos pela crença de que espíritos habitavam seu corpo.
O gato ganhou má fama em antigas lendas de várias civilizações. Essas afirmavam que as bruxas se transformavam em um gato preto e algumas pessoas acreditavam que os gatos eram os espíritos dos mortos.

O caldeirão

Ele faz parte da cultura celta e era peça fundamental na decoração. Dentro dele, jogam-se moedas acompanhadas de mensagens com pedidos aos espíritos. Ao final da festa, essas moedas devem ser recolhidas e doadas a quem precisa. Já os bilhetes devem ser queimados para que os pedidos fossem atendidos mais rapidamente.


O morcego

Simboliza a clarividência, pois o animal capta os campos magnéticos pela força da própria sensibilidade e energia, enxergando além das formas e das aparências.


Decoração com morcegos de uma casa para o Halloween.

Decoração com morcegos de uma casa para o Halloween.

(Foto: Etsy / Google Imagens)


A Lenda do Stingy Jack

Segundo o mito irlandês, Jack teria convidado o Diabo para beber com ele no dia do Halloween. Após se fartarem em bebida, o astuto Jack convenceu o Diabo a se transformar em uma moeda para que a conta do bar fosse paga. Contudo, em vez de saldar a dívida, Jack pregou a moeda em um crucifixo.
 

Para se livrar da prisão, o Diabo aceitou um acordo em que prometia nunca importunar Jack. Dessa forma, ele foi libertado e nunca mais importunou o homem. Entretanto, Jack morreu e não foi aceito nas portas do céu por ter realizado um trato com o demônio. Ao descer para os infernos, também foi rejeitado pelo Diabo por conta do trato que tinham.

Vendo que Jack estava solitário e perdido, o demônio lhe entregou um nabo com carvão que lhe serviu de lanterna. Essa lanterna, então, tornou-se um dos principais símbolos do Halloween, mas com o nabo sendo, com o tempo, substituído pela famosa abóbora.

LEIA MAIS: Halloween: da celebração a deuses Samhain ao famoso gostosuras ou travessuras


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »