19/08/2019 às 20h01min - Atualizada em 19/08/2019 às 20h01min

Arteterapia ajuda no tratamento de doenças psicológicas

O método usa recursos artísticos como instrumento terapêutico

Lucas Amorim
Arteterapia utiliza elementos da simbologia artística para interligar sentimentos internos e externos do indivíduo. (Foto: Joseana Marques / Arquivo pessoal)
Especialistas da área da saúde e educação vêm utilizando a arte como instrumento no tratamento de pessoas que sofrem de doenças como a depressão. Conhecida como Arteterapia, a  técnica é uma disciplina mista com influência das artes e da psicologia e consiste no uso de recursos artísticos como ferramenta terapêutica. Essa técnica auxilia de crianças à idosos no resgate da saúde física, psíquica e social.

A arteterapia utiliza elementos da simbologia artística para interligar sentimentos internos e externos de um indivíduo. Alguns pacientes não conseguem falar sobre traumas do passado e psicólogos e psiquiatras utilizam de expressões artísticas para entender o que está incomodando. Nesses casos a arte é usada como instrumento de comunicação para compreender o inconsciente do paciente.

 
Arte e Psicoterapia

Apesar de ser uma técnica milenar, apenas no início do século XIX, pelo médico alemão Johann Reil, a arteterapia teve suas técnicas devidamente solidificadas. O psiquiatra desenvolveu um protocolo terapêutico com finalidade de cura psiquiátrica utilizando desenhos, textos e sons para o desenvolvimento de uma comunicação com o inconsciente do paciente. O psiquiatra e psicoterapeuta suíço Carl Jung também passou a usar expressões artísticas como instrumento de análise emocional. Jung destacava que “arte é a expressão mais pura que há para a demonstração do inconsciente de cada um. É a liberdade de expressão; é sensibilidade, criatividade, é vida”.

O arteterapeuta utiliza elementos de linguagens artísticas, cênicas, expressão corporal, música, audiovisual, literatura e artes visuais (Foto: Reprodução / Internet).

No Brasil a técnica passou a ganhar destaque na década de 80 e desde então vem crescendo com o aumento dos centros de formação e associações. Para regular a prática e a profissão da nova área em ascensão foi criada a União Brasileira de Associações de Arteterapia (UBAAT), no site da organização há uma lista completa com informações sobre os centros de formação em arteterapia e associações regionais.


O trabalho do arteterapeuta utiliza elementos de linguagens artísticas, cênicas, expressão corporal, música, audiovisual e literatura, em especial o uso das artes visuais. As técnicas podem ser utilizadas de forma individual ou em grupo. Suas atividades são destinadas para a prevenção da saúde, promoção da saúde e qualidade de vida.
     
A arte faz parte da história da humanidade, ela está presente desde a pré-história até os dias atuais. Ela foi um dos primeiros instrumentos de comunicação, antes mesmo do homem ter domínio da linguagem. As expressões artísticas ilustraram grandes acontecimentos da história da humanidade. Através delas é possível acessar emoções e entender sensações que nos prejudicam. Kilvia Cavalcante, psicóloga e membra da diretoria do CAVIDA (Centro de Promoção de Saúde, Educação e Amor à Vida), pondera “a arte é um meio de terapia que pode ser usada para expressar sentimentos, pode despertar o poder criativo, que muitas vezes é inibido durante a vida e ocupa a mente com algo que gera prazer”.

A artesã Joseana Marques, 45 anos, faz artesanato desde criança. Ela conheceu o crochê através de sua mãe e sua vó, quando mais nova fazia peças e vendia para a vizinhança. Atualmente faz parte do projeto Economia Solidária, da Secretaria Municipal do Trabalho, Abastecimento e Economia Solidária, do município de Maceió, capital de Alagoas. Ela vende suas peças, dos mais diversos materiais, nas lojas do projeto em dois dos principais shoppings da capital alagoana e na feirinha do artesanato, no bairro de Pajuçara.
     
Joseana Marques encontrou no artesanato um meio para melhorar a saúde e a renda. (Foto: Joseana Marques / Arquivo pessoal)

Em 2016 Marques passou por problemas pessoais e isso a deixou bastante abalada, foi ao médico e precisou de ajuda. O artesanato foi o principal instrumento para a melhoria de sua saúde, após entrar no projeto Economia Solidária viu suas vendas crescerem e isso a motivou “ajudou a pegar encomendas, a autoestima fica lá em cima, os clientes elogiam as peças, é muito bom, é uma felicidade para mim”.
     
Segundo a Organização Pan Americana da Saúde (OPAS) é caracterizado depressão quando o indivíduo está mais de duas semanas com tristeza profunda e perda de interesse em atividades que antes eram prazerosas. Os principais sintomas da doença são: perda de energia, ansiedade, indecisão e mudanças no apetite.
     
Cavalcante afirma “os fatores que levam a depressão vêm de diferentes vertentes: a psicológica que inicia com pensamentos autodestrutivos que crescem constantemente e a vertente biológica quando o indivíduo tem a predisposição da liberação maior de hormônios que alteram o funcionamento do cérebro”. Além dessas vertentes, a depressão pode estar associada à outras doenças como transtorno de ansiedade e transtorno do sono.

Editado por Alinne Morais

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »