18/09/2019 às 14h21min - Atualizada em 18/09/2019 às 14h21min

Lourival Sant Anna participa da série "Talk Show CBN"

Jornalista e comentarista debate com ouvintes sobre seu trabalho e produção "Minha Guerra contra o Mundo"

Franciele Nunes - Editado por Letícia Agata
https://images.app.goo.gl/kJftxzD9E9aj1JG19
Os jornalistas Rogério Borges (O popular) e Bárbara Falcão (CBN Goiânia) foram os mediadores do talk show com o repórter internacional Lourival Sant'Anna para o lançamento do seu livro “Minha guerra contra o medo”, que aconteceu no anfiteatro do Grupo Jaime Câmera. O evento gratuito contou com a presença de jornalistas e estudantes da área.
 
Repórter e analista de assuntos internacionais, Lourival Sant'Anna, formado pela Universidade Federal de Goiás, fez coberturas em 70 países, incluindo todos os da América do Sul, com exceção da Guiana e da Guiana Francesa, nas Américas do Norte e Central, Europa, África, Oriente Médio e Ásia. Veterano correspondente de guerra, conta suas experiências no fronte e tira conclusões sobre sua relação com o medo.

A partir de suas próprias vivências, ele propõe em seu livro sete passos sobre como lidar com essa força dominante da nossa sociedade, que nos paralisa em situações que nos tornam infelizes, e nos faz fugir quando deveríamos persistir. O repórter narra, em detalhes, suas experiências no Afeganistão, Paquistão, Iraque, Líbano, Geórgia/Ossétia do Sul, Líbia, Síria, Turquia, Irã, Haiti e Coreia do Norte, explicando os contextos históricos, políticos, 
econômicos, sociais e culturais. Suas observações sobre o funcionamento da coragem e do medo são baseadas nessa vivência, que tem um enorme impacto sobre o(a) leitor(a). 


Capa do livro de Lourival Sant'Anna. (Foto: Reprodução)


Cada capítulo é dedicado a um dos sete passos e eles estão interligados numa sequeência que faz sentido e que flui natualmente, junto com as histórias que vão sendo contadas. O resultado é uma combinação equilibrada de vivências extraordinárias, reflexões sobre a condição humana e um plano concreto para lidar com o sentimento que adoece a nosso civilização. No livro, o jornalista escreve que mesmo na guerra, as situações em que temos de reagir instintivamente a uma ameaça iminente não são contínuas. Menos ainda na nossa vida cotidiana, seja nas relações pessoais, no trabalho ou na rua. "Minha guerra contra o medo" ensina que o instinto é uma boa ferramenta apenas diante das ameaças iminentes.

Durante a conversa, o jornalista Rogério Borges ressalta sobre o "menino Mohamed ", que tem característica forte em seu livro. Em 2011, depois do ataque dos rebeldes kadafi, Lourival foi nos hospitais ouvir histórias, onde encontou Mohamed, que na época tinha 5 anos. Ele levou um tiro no peito com fuzil e perdeu sua família. Porém, o menino não tinha conhecimento da situação. Essa história fez ele pensar se valeria a pena arriscar a vida para registrar às guerras, mas esse pensamento foi só durante a noite, diz ele. 

Lourival ainda explica que "quase todo o tempo de nossas vidas, podemos recorrer à nossas experiências e à nossa razão para responder de forma elaborada, decidir entre ficar e ir embora, insistir e desistir. Se vivemos como se estivéssemos numa emergência permanente, então estamos adoecidos pela ansiedade e a angústia, mergulhados nas nossas fantasias, que são o fermento do medo". 

A radialista Bárbara Falcão, que participou do talk show, fala que Lourival é um inspirador que deixa a gente refletindo sobre cada frase e história. Ela ainda fala sobre uma fala especial do jornalista que chamou sua atenção sobre a morte: "Costumo pensar na morte quando estou voando, como uma estratégia para controlar o medo. E sempre que penso nisso, me vem duas coisas à mente: a primeira, à fé em Deus e na espiritualidade que me acompanha, com a certeza que se eu partir, é porque chegou a hora; a segunda é sobre o legado que deixamos em vida. É o que nos tranquiliza para a morte".
 

Apesar do aprendizado de Sant’Anna ter sido adquirido em situações extremas, o jornalista garante que os conhecimentos podem ser aplicados em situações banais do cotidiano. “Percebi que o medo cresce dentro de nós. Pode até partir para uma ameaça real, mas dentro das nossas fantasias e do nosso subjetivo se torna algo desproporcional. É como se a fantasia fosse fermento para o medo”, explica. Ele cita uma das passagens do livro, quando percebeu que estava com mais medo durante um voo, no trajeto para o conflito, do que quando estava em atividade. 

Estudante de jornalismo e ouvinte do talk show, Juliana Helena, 18, explica que foi uma experiência enriquecedora para os estudantes de jornalismo presentes no local: "As emoções que ele transmite para público mostrando que a profissão não é so técnica (luz, câmera e ação, pauta ou lide), mas sim um lado humano". Juliana ainda diz que serviu como aprendizado dar humanidade no jornalismo sem ser socialista, mas estar de fato presente na notícia. 

Lorival cobriu conflitos na Irlanda do Norte, Colômbia, Afeganistão, Iraque, Líbano, Kosovo, Faixa de Gaza, Geórgia, Líbia, Síria e Mali, assim como as convulsões no Paraguai, Equador, Bolívia, Venezuela, Honduras, Tunísia, Egito e Ucrânia, o terrorismo e as tensões sociais na China, a gripe suína, o massacre de estudantes no México, a crise nuclear, a teocracia no Irã, o furacão, a crise econômica. Além disso, cobriu as três últimas eleições nos Estados Unidos, a repressão em Cuba, a saída de cena de Fidel, o terremoto no Haiti e muitos outros momentos históricos. Fez reportagens nas Coreias do Norte e do Sul antes de cobrir a cúpula Trump-Kim em Singapura.
 

Como repórter especial do jornal O Estado de São Paulo, entre 1998 e 2000 e entre 2001 e 2015, fez também reportagens especiais no Brasil sobre política, economia e temas sociais como educação, saúde e meio ambiente. No ano de 2000 foi editor-chefe do Estadão e neste ano percorreu seis países africanos ao longo de 50 dias. Ele ainda diz que vai voltar para África para escrever seu novo livro. 

Sant'Anna encerra o evento respondendo algumas perguntas de seus ouvintes. seguindo de sessão de autógrafos. Todos os livros foram vendidos no local e quem não conseguiu comprar é so entrar em contato com o próprio jornalista pelo e-mail @lourivalsantanna.com 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »