04/09/2020 às 15h39min - Atualizada em 04/09/2020 às 15h18min

Musicais que te fazem pensar na sociedade

As mensagens que a arte é capaz de transmitir

Maria Luiza Machado - Editado por Letícia Agata

O musical é uma expressão artística teatral que surgiu na Inglaterra no final do século XIX e chegou aos Estado Unidos no início do século XX. Tal gênero pode se estender além dos grandes palcos, parando assim no cinema e televisão.

A base da estrutura cênica do musical é uma narrativa composta não apenas pelos diálogos, mas principalmente por canções e coreografias que ajudam a compor o roteiro, fazendo a história ser mais emocionante, interativa e divertida.

Com o tempo, o gênero caiu no gosto do povo e algumas tramas ficaram muito famosas não apenas pela diversão proporcionada ao público, mas também pelas críticas trazidas junto ao seu roteiro. Fica aqui então a dica de alguns musicais incríveis que carregam em suas tramas alguma crítica à sociedade atual.
 
SOMOS TODOS IGUAIS

“O Rei do Show” é um musical biográfico de 2017 dirigido por Michael Gracey e escrito por Jenny Bicks e Bill Condon. O filme é protagonizado por um elenco de peso: Hugh Jackman, Zac Efron, Michelle Williams, Rebecca Ferguson e Zendaya.

Nele nós conheceremos a história de P.T. Barnum, um empresário de entretenimento que decide criar um show circense composto por pessoas diferentes, rejeitadas e fora do padrão da sociedade do século XIX.

Apesar da história ser focada nas investidas empresariais de Barnum, em segundo plano podemos ver a clara luta daqueles artistas freaks por tentarem se encaixar, em especial, durante a música “This is Me”, interpretada por Keala Settle e no dueto “Rewrite The Stars”, interpretado por Zac Efron e Zendaya, que traz à tona o racismo enfrentado po
r
Anne Wheeler (Zendaya).

I am not a stranger to the dark
Hide away, they say
'Cause we don't want your broken parts
I've learned to be ashamed of all my scars
Run away, they say
No one'll love you as you are

-This Is Me, Keala Settle
 
I know you're wondering why
Because we're able to be
Just you and me
Within these walls
But when we go outside
You're going to wake up
And see that it was hopeless after all

-Rewrite The Stars, Zac Efron e Zendaya

SEJA VOCÊ MESMO!

“Grease – Nos tempos da Brilhantina” é uma clássica comédia romântica musical de 1978, escrita por Bronte Woodard, dirigida por Rendel Kleiser e protagonizada por John Travolta e Olivia Newton-John.

Nele nós embarcaremos no drama adolescente de Danny Zuko e Sandy Olsson no final dos anos 50. O filme fala sobre paixões de colégio, amizades, inimizades, a luta ao querer se encaixar em um determinado grupo, bullying e até mesmo o poder de uma fofoca.

 

I dont drink (no!)
Or swear (no!)
I dont rap my hair (no!)
I get ill from one cigarette (cof cof cof)
Keep your filthy paws

-Look At Me, I’m Sandra Dee, Stockard Channing


E apesar de ser um filme de mais de 40 anos, ele ainda trará ao espectador, de forma cômica, algumas mazelas presentes na vida adolescente durante o ensino médio e que nem sempre terão boas consequências.
 
A FORÇA FEMININA!

“Mamma Mia!” é um romance “Jukebox musical” de 2008, dirigido por Phyllida Lloyd e escrito por Benny Andersson e Björn Ulvaeus. O longa foi baseado no espetáculo teatral criado por Catherine Johnson, e ambos tiveram como trilha sonora músicas do grupo sueco ABBA.

O gênero Jukebox Musical é quando um musical, seja ele de cinema, TV ou teatro, utiliza de músicas já conhecidas para contar sua narrativa.

Em “Mamma Mia!” nós viajaremos até a ilha de Kalokairi, na Grécia, que apesar de ser pequena, é cheia de dramas e coreografias contagiantes. A história é sobre Sophi (interpretada pela Amanda Seyfried), uma garota que decide convidar para seu casamento três homens que podem (ou não) ser seu pai, escondido de sua mãe, Donna (interpretada pela Maryl Streep), causando assim uma grande confusão.

Apesar de ser um filme muito engraçado e contagiante, o musical nos trará, através de Donna, o poder da força feminina, como uma mulher sem nada se arriscou ao criar sozinha uma menina dentro de um hotel completamente falido.

 

I have a dream
A song to sing
To help me cope
With anything
If you see the wonder
Of a fairy tale
You can take the future
Even if you fail

-I Have a Dream, Amanda Seyfried

 
SEGUIR OS SONHOS É NECESSÁRIO!

La La Land – Cantando Estações” é um romance musical de 2016, dirigido e roteirizado por Damien Chazelle e traz no elenco principal Ryan Gosling e Emma Stone.

O filme nos levará para Los Angeles, a cidade estadunidense do sucesso, onde mora o sonho de todos os artistas, e, justamente por ser o lugar ideal para se tornar um grande nome de Hollywood, todos vão para lá, fazendo com que o sucesso não seja tão facilmente alcançado.

O filme passa uma linda mensagem sobre a dificuldade de ser artista atualmente, sobre o que o mundo do entretenimento cobra e como é difícil de alcançar as expectativas do público.

Apesar de conter um final inesperado, o filme de fato vale a pena e faz jus às grandes críticas.

 

City of stars
Are you shining just for me?
City of stars
There's so much that I can't see

-City of Stars, Ryan Goslin e Emma Stone

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »