17/10/2021 às 13h59min - Atualizada em 10/10/2021 às 22h58min

O dia em que terra parou pela instabilidade nas redes sociais

A pane nas mídias sociais, no dia 4 de outubro, deixou algumas reflexões sobre o quanto somos influenciados e sentimos necessidade delas.

Paulo Victor Alves dos Reis - Revisado por Isabelle Marinho
Foto/Reprodução: Pexels, por Tracy Le Blanc
As três principais redes sociais pertencentes a Mark Zuckerberg, WhatsApp, Facebook e Instagram, sofreram uma instabilidade e paralisação que durou cerca de 6 horas. Seus usuários ficaram pasmos com a situação inesperada e impactou 2,8 bilhões de usuários. Todo o imprevisto causou um prejuízo em torno de 6 bilhões de dólares, conforme as informações da Bloomberg.
 
A paralisação aconteceu devido a uma configuração defeituosa das redes, segundo a empresa, isso foi ocasionado por um problema que prejudicou o sistema de roteamento Border Gateway Protocol (BGP). Assim, as plataformas de mídia social e sistemas internos foram afetadas.


Necessidade do uso das redes sociais

O revolucionário cantor Raul Seixas tem uma atemporalidade na maioria de suas canções e "O Dia em que a Terra Parou" não difere desse padrão. Ainda, há de se fazer uma metáfora da obra com o século XXI, pois os usuários das redes que sofreram a pane no dia 04/10 tinham uma sensação de que a terra parou, sentindo necessidade de estarem nas redes, seja por entretenimento ou para trabalhar.   

Cada vez mais notamos que as mídias sociais ganham espaço para relações sociais e a instabilidade das redes salientou o quanto estamos dependentes e robotizando o convívio na sociedade.

 
O Dia em que a Terra Parou, música de Raul Seixas, representa bem o momento atual e a dependência das redes. (Reprodução: YouTube)
 

Análise psicanalista

O psicanalista Leonardo Luís fez uma analogia dessa situação enfrentada com a instabilidade e como somos afetados.

“As redes sociais são importantes e necessárias em um mundo globalizado. Tanto que muitos trabalhos são realizados por elas e sabe-se da efetividade dessas ferramentas. Entretanto, por vivermos em mundo rápido, assolado pelo poder, posses, as pessoas trabalham em demasia, vivem pouco, convivem pouco e o que sobra é a rede social”, salienta.

Leonardo também ressalta que a sociedade está unida por aparelhos que separam pessoas, gerando e expondo reações psíquicas e, assim, causam danos. Ainda, o psicanalista explica que a mitologia grega aborda a necessidade do uso das mídias, refletindo Narciso, um rapaz que se apaixonou pelo próprio reflexo e morreu afogado ao tentar abraçar o que via refletido no lago.   

Ao fazer uma analogia da carência com a pane das redes, o psicanalista examinou que “a tela do celular se tornou o moderno lago em que Narciso se afundou. Ver-se de outra forma, belo, em situações encantadoras é algo que infla o ego de qualquer pessoa e muitos vivem por isso. Não se pode, inclusive, deixar de lado que o mundo cada vez mais capitalizado impõe formas de se vestir, comportar e falar. Essas situações fazem com que o verdadeiro EU se afunde em escombros digitais e performance  rápidas cujo sentido é atrair olhares”.

 

Impactos sofridos por profissionais que atuam com as mídias sociais

A redatora de conteúdo na Manycontent e estudante de jornalismo, Ellen Reginato, contou que a principal dificuldade com a instabilidade foi a pesquisa de dados no perfil dos clientes, pois atua em diversos nichos e precisa analisar o perfil dos clientes para criação dos textos.

Quando questionada a respeito da sensação ao notar que mídias sociais pararam, disse que “apesar de não ter me afetado no lado pessoal, a sensação que me veio foi em como estamos dependentes das mídias sociais e logo fiquei pensando em um mundo atual sem Instagram e demais redes”, ressalta a redatora mostrando-se preocupada com a nossa necessidade do uso das plataformas.

 

Reações dos usuários

O Twitter não sofreu impactos com a paralisação e os internautas não perderam o posto de maiores memeiros do mundo, trataram a ocasião com bom humor e renderam alguns memes que deixaram a situação cômica. Confira alguns abaixo.


O repórter e cartunista da Rede Globo, Renato Peters, em seu Instagram após o retorno da rede, fez um post contendo três charges com crítica social da situação. A criticidade foi devido aos usuários se preocuparem com a queda das mídias ao invés de se atentarem às notícias, como poluição e falta de oxigênio no planeta.


Vivemos em uma sociedade sendo “robotizada”, onde o vínculo social é afetado e tem menos relevância para o corpo social. Entretanto, o uso das redes tornou-se indispensável e necessário e é preciso ter equilíbro ao navegar, usando com moderação e dando um espaço para interação social.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »