27/10/2021 às 01h40min - Atualizada em 25/10/2021 às 14h49min

O novo Superman é bissexual: por que a surpresa?

O lançamento do novo super-herói bissexual da DC gerou impacto no público, mas a representatividade LGBTQIA+ dos personagens não é novidade há décadas

Lívia Nogueira - Revisado por Márcia Nascimento
Novo Superman vive par romântico com o amigo Jay Nakamura na nova edição de "Superman: Son of Kal-El". (Foto: Divulgação/DC Comics)

Jon Kent, designado a assumir a identidade do Superman na nova geração de super-heróis da DC Comics, gerou repercussão nas últimas semanas após pronunciamento da editora acerca do desenvolvimento do personagem. Segundo ela, Jon assumirá ser bissexual na quinta edição da série "Superman: Son of Kal-El", que estará disponível digitalmente a partir de novembro. As opiniões nas redes sociais se dividiram quanto à intenção e às consequências da narrativa em desenvolvimento.

Em entrevista ao portal de entretenimento IGN, o roteirista da história, Tom Taylor, evidenciou: "Quando me perguntaram se eu queria escrever um novo Superman com um novo número 1 para o Universo DC, eu sabia que substituir Clark por outro salvador branco hétero poderia ser uma oportunidade real perdida". Para o produtor, é essencial que o público possa sentir-se representado em personagens clássicos como esse e a narrativa do novo super-herói torna-se, assim, uma oportunidade de diversificar o espaço das histórias em quadrinhos.

Jon Kent e Jay Nakamura se beijam na nova edição de HQ que será lançada em novembro.

Jon Kent e Jay Nakamura se beijam na nova edição de HQ que será lançada em novembro.

(Foto: Divulgação/DC Comics)

Jonathan Kent, filho de Lois Lane e Clark Kent - o Superman tradicional, sucede o posto de seu pai na série em questão desde 2015. O personagem possui uma relação de amizade, até então, com o hacker e ativista social, Jay Nakamura. Esse enredo ganhará um novo sentido quando os dois se beijarão e desenvolverão uma relação afetiva na edição que será publicada no próximo mês, de acordo com a editora. Nesse sentido, Jon assumirá ser bissexual diante dos quadrinhos.
 

A tendência à adoção de identidades mais plurais jamais alcançou tamanha proporção nesse universo, mas a presença de personagens LGBTQIA+, por exemplo, é uma realidade há décadas nas produções da DC. Dentre as figuras de referência dessa conjuntura, podem ser citados:


Mulher Maravilha

Mulher Maravilha, a princesa amazona.

Mulher Maravilha, a princesa amazona.

(Foto: DC Comics/Reprodução Judao)

A famosa Princesa Diana, apesar de não ter vivido nenhum romance que apontasse isso, é bissexual. Originada na década de 40, os roteiristas confirmaram a orientação sexual da super-heroína.

Lanterna Verde

Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde.

Alan Scott, o primeiro Lanterna Verde.

(Foto: Divulgação/DC Universe Infinite)


Também surgido nos anos 40, Alan Scott é gay. Essa informação foi confirmada apenas em 2012 pela DC, quando o personagem surgiu noivo de Sam Zhao.


Batwoman

Batwoman, a Kate Kane.

Batwoman, a Kate Kane.

(Foto: Divulgação/DC Comics)

Em 2006, foi anunciado que Kate Kane é lésbica. A prima do Batman já namorou uma detetive da cidade de Gotham e agora é noiva da policial Maggie Sawyer.

 
Canário Negro
Sara Lance, a Canário Negro.

Sara Lance, a Canário Negro.

(Foto: Divulgação/DC Comics)

Sara Lance é bissexual e já namorou Nyssa Al-Ghul, filha do supervilão Ra's Al-Ghul, e Oliver Queen, o Arqueiro Verde. Hodiernamente, namora Ava Sharp, diretora da Agência do Tempo.

Os sucessos das narrativas que circundavam as construções de personagens, como os citados anteriormente, não foram inibidos por suas orientações sexuais ou por quaisquer outra característica identitária. Ao contrário, o desenvolvimento dessas figuras clássicas geram maior identificação e aproximação com os mais diversos públicos. As grandes organizações de entretenimento, como a DC Comics, agregam as questões sociais às produções cada vez mais. Como exemplo disso, existe o projeto "DC Pride", que une diversas histórias de personagens LGBTQIA+ em quadrinhos mais longos, o que evidencia a relevância de dar destaque a essas figuras no universo das histórias em quadrinhos e prepara o espaço para o desenvolvimento de mais narrativas nesse sentido.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »