10/10/2022 às 11h02min - Atualizada em 10/10/2022 às 09h14min

Feminismo musical: a luta pelos direitos das mulheres em formato de melodia

A música é uma forma de expressão e é através dela que muitas cantoras ao redor do mundo têm lutado pela igualdade de gênero

Vitória Barbara - editado por Larissa Nunes
Feminismo musical e sua importância. (Foto: Reprodução / Editado por Vitória Barbara)

O feminismo é, de forma geral, à luta política, social, cultural e simbólica pela emancipação das mulheres face às relações objetivas e subjetivas de dominação masculina.

Faz parte do movimento perceber as relações de dominação, denunciá-las e propor novas possibilidades de relação e construção de pensamento baseados na equidade, visando assim, uma melhor qualidade de vida para quem faz parte do gênero feminino.

A música, por ser uma entre outras formas de expressão mais utilizada, acaba se tornando uma das principais ferramentas para lutar contra a opressão que rebaixam as mulheres todos os dias.

A produção no campo do feminismo musical nasce da ruptura de valores e práticas da cultura dominante, como a busca pela quebra da hierarquia entre homens e mulheres na indústria da música. O movimento propõe a anulação desses padrões e reforça a afirmação de que toda mulher pode ser e fazer o que quiser e deve ser respeitada – na rua, em casa, no trabalho, em todos os lugares e em todos os momentos.

Mesmo em oposição a práticas machistas dominantes, a música feminista se constrói a partir de um referencial que procura desconstruir. Ou seja, a iniciativa de levar um pensamento guiado pela igualdade desconstrói, até certo ponto, tentativas de submissão feminina perante os homens.

Muitas das músicas produzidas por mulheres chegaram ao feminismo devido à questão da invisibilização da parte feminina da sociedade, a partir de situações vividas de discriminação. Não buscaram o feminismo, o movimento invadiu suas músicas, como ocorre com as vidas da maioria das mulheres.

O feminismo musical tem como objetivo resgatar a autoestima das mulheres que não se sentem fortes ou capazes o suficiente para fazerem parte de uma sociedade na qual a dominação é quase toda masculina, apesar das mulheres comporem a maior parte da população – principalmente no Brasil.

Muitas cantoras que fazem parte dessa luta estão usando suas músicas para falar do tema. Em diferentes ritmos, com diferentes focos, mas sempre apostando no poder feminino. Ao lançar novas músicas feministas, essas artistas dão voz não só a si mesmas, mas também a todas as mulheres que se sentem representadas por elas.
 
Para comprovar, reunimos músicas que retratam exatamente o que é ser mulher e da importância do empoderamento feminino.

1 – Cor de Rosa Choque, Rita Lee

Rita Lee é, certamente, a compositora brasileira com o maior número de obras identificadas como feministas e a que mais homenageou personagens femininas. À sua maneira leve e descontraída, Rita Lee trouxe uma música que discute a visão que muitos tem do “sexo frágil” – definição dada a mulher que perdurou por muito tempo e que ainda há pessoas que acreditam nisso.


Música 'Cor de Rosa Choque' - Rita Lee (Reprodução: Cristina Corrandi - Youtube)


[...] Sexo frágil / Não foge à luta / E nem só de cama vive a mulher / Por isso não provoque / É cor de rosa choque / Não provoque [...]
 

2 – Run The World (Girls), Beyoncé

A cantora norte-americana, Beyoncé também pode ser listada como ícone do empoderamento feminino. A cantora costuma abordar o empoderamento em várias ocasiões, como eventos e entrevistas, além de suas músicas. A letra de “Run The World” serve como um recado a todos de que as mulheres estão cada vez mais independentes e que comandam o mundo.

 

Vídeo Clip 'Run The World (Girls) - Beyoncé. (Reprodução: Beyoncé - YouTube)


Essa vai para todas as mulheres / Que estão conseguindo / Alcançando seus objetivos / Para todos os homens que respeitam / O que eu faço / Por favor, aceite meu brilho
 
3 – Desconstruindo Amélia, Pitty

Pitty é uma das cantoras que está sempre levantando a bandeira do feminismo, tanto nas redes sociais como no programa Saia Justa, do canal GNT, do qual é uma das apresentadoras. A música “Desconstruindo Amélia” é uma referência à antiga “Ai que saudade da Amélia”, que fala de uma mulher que faz tudo para o homem. Pitty aborda sobre a mulher moderna que tem multifunções – é mãe, esposa, estuda, trabalha e trilha seu próprio caminho.

 

Música 'Desconstruindo Amélia' - Pitty. (Reprodução: Deck - YouTube)


Disfarça e segue em frente / Todo dia, até cansar / E eis que de repente ela resolve então mudar / Vira a mesa, / Assume o jogo / Faz questão de se cuidar / Nem serva, / nem objeto / já não quer ser o outro / hoje ela é um também.


4 – Feminina, Joyce

De maneira um pouco menos explícita, Joyce contestou em seu disco “Feminina”, de 1980, as obrigações que a cultura machista guiava às mulheres. Na música de mesmo título, a compositora e cantora reproduz um suposto diálogo com a mãe, que fazia parte desta tradição e a filha altera o rumo da conversa. Afinal, a mulher feminina de Joyce possui caminhos, possibilidades, e tem toda a liberdade para traçá-los como bem desejar.

 

Música 'Feminina' - Joyce. (Reprodução: Joyce & Banda Maluca - YouTube)


- Ô mãe, me explica, me ensina, me diz o que é feminina? / - Não é no cabelo, no dengo ou no olhar, é ser menina por todo lugar. / - Então me ilumina, me diz como é que termina? / - Termina na hora de recomeçar, dobra uma esquina no mesmo lugar.

5 – Independent Woman, Destiny's Child

A música, cujo a tradução livre para o português significa “Mulheres Independentes”, fala precisamente da importância de se conquistar a independência financeira e poder pagar suas próprias contas, além de comprar o que quiser sem precisar de ninguém para financiar a sua vida.

 

Vídeo Clip 'Independent Woman' - Destiny´s Child. (Reprodução: Destiny's Child - YouTube)


Diga como você se sente sobre isso / Faço o que eu quero, vivo como eu quero viver / Eu dei duro e me sacrifiquei para conseguir o que consegui / Mulheres, não é nada fácil ser independente.

6 – Mulheres Negras, Yzalú

A cantora, apesar de ainda não ser muito conhecida pelo grande público, é um nome já prestigiada no movimento do hip hop e já gravou com vários rappers brasileiros. A música “Mulheres Negras” se tornou uma referência para o feminismo negro.

 

Música 'Mulheres Negras' - Yzalú. (Reprodução: Yzalú - YouTube)


 

Pelo processo branqueador não sou a beleza padrão / Mas na lei dos justos sou a personificação da determinação / Navios negreiros e apelidos dados pelo escravizador / Falharam na missão de me dar um complexo inferior

7 - Can’t Hold Us Down, Christina Aguilera

Em “Can’t Hold Us Down”, Christina fala sobre as críticas que, ainda hoje, são dirigidas às mulheres que têm opiniões diferentes do padrão exigido e que fazem o que querem. Entre outras coisas, a letra também questiona por que os homens podem exercer sua liberdade sexual, mas as mulheres que fazem o mesmo são humilhadas e promíscuas.

 

Vídeo Clip 'Can't Hold Us Down' - Christina Aguilera. (Reprodução: Chrstina Aguileira - YouTube)


Então eu não posso ter uma opinião? / Devo ficar calada só porque sou uma mulher? / Me chama de vaca porque eu falo o que está na minha cabeça / Talvez seja mais fácil pra você quando eu apenas me sento e sorrio.


8 – Grávida, Arnaldo Antunes

Uma das contribuições de Marina Lima para o universo feminista foi a música “Grávida”, canção de Arnaldo Antunes gravada por ela em 1991. Nela, Marina revela um outro aspecto da mulher moderna e livre – o desejo da maternidade que não anula em nada as outras conquistas e os ambientes que esta mulher explora.

 

Música 'Grávida' - Marina Lima, Arnaldo Antunes, Tulipa, Jeneci. (Reprodução: Marcus Preto - YouTube)


Eu tô grávida / Grávida de um beija-flor / Grávida de terra / De um liquidificador / E vou parir / Um terremoto, uma bomba, uma cor / Uma locomotiva a vapor / Um corredor / Eu tô grávida


9 - Pode se remoer, Adriana Calcanhotto

No disco “Micróbio do Samba”, de 2011, a intenção da cantora era dar uma nova cara ao gênero do samba, e, por que não, colocar a mulher no papel desempenhado, historicamente, pelo homem. Na música “pode se remoer”, é o homem que está no lugar de espera pela mulher em vão, já que ela não irá voltar. Além de um elogio à liberdade feminina, ao prazer e ao desprendimento.

 

Música 'Pode se remoer' - Adriana Calcanhotto. (Reprodução: Adriana Calcanhotto - YouTube)


Pode se remoer / Se penitenciar / Eu encontrei alguém / Que só quer me beijar / Você não tem o que dizer / Você nem pode não gostar


10 - Man! I Feel Like a Woman, Shania Twain

Shania Twain é uma cantora e compositora canadense de música country e pop. Com 100 milhões de cópias vendidas no mundo todo, tornou-se a mais bem sucedida cantora na história da música country. Em sua música “Man! I Feel Like a Woman”, a cantora expressa a liberdade da mulher em sair de casa para se divertir. Ela aborda sobre o tempo que as meninas e mulheres devem tirar para ter um pouco de diversão sem se preocupar em agir “politicamente correta”.

 

Vídeo Clipe 'Man! I Feel Like a Woman' - Shania Twain. (Reprodução: Shania Twain - YouTube)


Vou sair à noite, estou me sentindo ótima / Vou deixar tudo de lado / Quero fazer barulho, aumentar de verdade minha voz / É, quero gritar e berrar / Sem inibições, sem condições / Sair um pouco da linha / Não vou agir politicamente correta / Só quero me divertir um pouco


O feminismo é um movimento de extrema importância e que vem ajudando muitas mulheres pelo mundo todo. No entanto, ainda existe muita luta pela frente e essa luta precisa ser diária, com a união de todas e todos.

Gostou das músicas selecionadas? Mande para as suas amigas, namoradas, mães e irmãs que estão ao seu redor para que vocês se empoderem e se divirtam juntas e, assim, criam a consciência de que a participação de vocês é necessária para se criar uma sociedade mais inclusa!

Saiba mais sobre música na história da arte, clicando aqui.


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »