21/11/2022 às 00h50min - Atualizada em 21/11/2022 às 00h22min

O papel da tradição oral na preservação da cultura no Brasil

Histórias, cantigas e contos passados de geração para geração são preservadores de cultura e história social

Lívia Nogueira - Revisado por Flavia Sousa
A cultura e a história dependem da tradição oral para serem repassadas e perpretadas (Foto: Reprodução / Coletivo Griot)

De onde você sabe a história do Saci e do Curupira? E a do Cravo e da Rosa? Tem ideia de como era a “infância no interior” lá por 1960? E as músicas dessa época? Se lembrou de algo, é possível que, em alguma dessas lembranças, uma mãe, avó ou tia tenha sido quem te falou sobre o tema - ou o cantou.

A oralidade é, sem dúvidas, uma das formas mais efetivas no registro da cultura e da história brasileira. As contações de histórias dos avós e as músicas que atravessaram gerações são exemplos de narrativas orais que perpetuam aspectos e fatos relevantes para a sociedade em sua identidade, estrutura e sobrevivência.


Momentos como o da ditadura civil-militar enfrentada pela sociedade brasileira entre os anos de 1964 e 1985 são fortes reveladores da importância dessa tradição oral. Na época, os registros textuais e fotográficos eram altamente censurados pela governança militar. Os atos de revolta, os episódios de tortura e as revoluções são praticamente todas conhecidas atualmente em razão das histórias contadas por sobreviventes do período.

Papa Francisco, figura de referência mundial, sempre evidencia, em suas aparições públicas, a importância de valorizar os indivíduos que viveram, guardaram e, hoje, compartilham a história. “Esta relação, este diálogo entre as gerações é um tesouro que deve ser conservado e alimentado”, evidencia o Pontífice.

Francisco reitera: “Temos aqui uma grande responsabilidade para com as novas gerações. Lembremo-nos: os avós e os idosos são o pão que alimenta as nossas vidas, são a sabedoria oculta de um povo, e é por isso que devem ser celebrados”.

Nesse contexto, é importante destacar também a relevância desse tipo de tradição para a informação sobre povos historicamente invisibilizados. A influência dos povos originários do Brasil e dos que vieram de outros lugares por diversos motivos - ou forças -, por exemplo, são retratados e conhecidos principalmente por esse tipo de tradição.


Os saberes naturais indígenas, as manifestações culturais afrobrasileiras e os costumes quilombolas não são evidenciados nos registros históricos tradicionais. Assim, para manter e propagar a cultura é comum que as gerações tradicionais sejam, de alguma forma, ainda mais importantes e valorizadas entre essas comunidades.

Os registros textuais e visuais são os meios mais referenciados e valorizados de obtenção de conhecimentos. Porém, antes de se tornar livro, jornal ou documentário, aquele acontecimento foi disseminado ou explicado verbalmente de alguma forma.  

O que, anteriormente, era papel dos familiares e vizinhos, hoje torna-se profissão: os contadores de histórias. Elisete Teixeira é uma delas, que integra um projeto em Brasília. “Seja na forma escrita, falada, jamais podemos subestimá-la [a palavra]. Um dos ofícios mais antigos de que se tem notícia, os contadores de história  sabem como ninguém desse fascínio. E é através dela, da palavra, que eles vêm encantando gerações”, ressalta a artista com relação à preservação desse ato.

LEIA MAIS: Que tal uma biblioteca de pessoas e não de livros?

É importante, nesse sentido, dignificar a palavra como, para além de um conceito, um meio de preservar ou até de revelar e adaptar a sociedade com relação ao que existia antes. A construção dessa palavra, antes de qualquer memória, vem de uma prática social, que constrói e revela a sociedade em sua totalidade.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »