10/10/2019 às 19h10min - Atualizada em 10/10/2019 às 19h10min

The Politician, série de Ryan Murphy, estreia na Netflix e já garante segunda temporada

Série é a primeira de Murphy para a plataforma

Marco Ferreira - Editado por Letícia Agata
Payton Hobert, sonha em ser presidente dos Estados Unidos

De Glee à American Horror StoryRyan Murphy vem aumentando o nome na indústria cultural. Almejando cada vez mais sucesso, Murphy estreou na última sexta de setembro, dia 27, sua mais nova e primeira trama para a plataforma de streaming Netflix. A série intitulada “The Politician”, ganhou os olhos dos fãs que acompanham os trabalhos do escritor e produtor e se popularizou muito antes de ser disponibilizada para consumo. 

A série narra a vida do jovem Payton Hobert, interpretado pelo ator Ben Platt, que sonha ser presidente dos Estados Unidos e por isso ele deve se garantir no último ano do colegial para se destacar e conseguir uma bolsa de estudos em Harvard. Candidato à presidência do grêmio estudantil da Saint Sebastian High School, o jovem mostra ser muito competitivo no que almeja e visa muito poder para si. Para isso, está disposto a passar por cima de tudo e de todos, garantindo sua posição política no colégio e sua vaga na universidade que mais formou presidentes nos EUA.

O elenco conta com a querida do público, Jessica Lange, protagonista durante anos da famosa American Horror Story. Além de contar com Zoey Deutch, Lucy Boynton, David Corenswet, Gwyneth Paltrow, entre outros. Também retoma a antiga parceria com Brad Falchuk e Ian Brennan.

Confira o trailer oficial:


Humor, ambição e política

Liderança forte, direitos inalienáveis, discurso civilizado e politicamente correto. Sob a perspectiva de uma reflexão sarcástica do mundo da política, Murphy concilia o humor, ambição e política em um jogo que visa seduzir o público. Diante da ambição de Payton, o escritor constrói uma narrativa que traz consigo a luta pela ascensão e necessidade de poder. Para isso, o protagonista é apresentado com características de quem almeja cada vez mais.

No primeiro degrau, para garantir tudo que mais sonha na vida, Payton é construído diante da necessidade de se mover em prol do bem próprio, mesmo que isso possa ferir alguém. Fortemente ambicioso e competitivo, o jovem retrata as diferentes personalidades políticas, as quais nos deparamos no campo, lida com as problemáticas sociais, culturais e históricas, faz promessas e alianças que podem comprometer a candidatura e revela ser valente para todos, mas tem um crescente medo no coração.

Diante de um ciclo de problemas, lidar com estes faz com que ele se torne forte e um bom jogador, mostrando-se capaz de participar do jogo de interfaces políticas para assim vencer e mudar o mundo. 

Segundo o designer e fã de Murphy,  Matheus Esteves Basilio, 22, a série é uma crítica política. Para ele, ela “mostra que a sociedade é baseada em hipocrisia. Também mostra que a política sempre funcionou dessa forma e parece que não tem como fugir disso. Isso veio na minha cabeça quando assisti. Ela não tem a intenção de solucionar essa problemática; só mostra de uma forma estereotipada todas as 'máscaras' que todo mundo usa e como não precisamos estar inseridos na política para agir como políticos, mesmo fora na nossa realidade e de classe social diferente”.

Foto disponibilizada pela página oficial do facebook

 

Personagens

Os personagens são construídos de modo muito similar em comparação com outras narrativas televisivas. A série, que se passa em um colégio de alta classe, é majoritariamente apresentada por personagens brancos. Somando a isso, há aquela “falsa” realidade de ensino médio e fluidez das personalidades.

Com alguns espaços para identidades culturais diversas, a série não deixa de retratar personagens queer, LGBTQ+. De acordo com Matheus Esteves, “Na série somos apresentados a personagens bem caricatos (parece que ninguém é real), só que ao mesmo tempo possível de existir. Quando analisamos todo ambiente onde o protagonista vive, principalmente na escola (alta sociedade), tudo é meio sintético, tudo meio falso nas relações e sentimentos. Nada é real. Todo mundo quer ser alguma coisa que não é, criando sempre a perfeição, mostrando para a outra pessoa que é tudo perfeito, que tem poder de tudo. O importante é mostrar uma imagem ideal para a sociedade”. 

Sobre a narrativa, o estudante de publicidade e propaganda, Dyego Santana Rocha, 18, relata:

“Eu achei interessante o pensamento do autor nas atitudes dos personagens pra eles conseguirem a posição de ser presidente do conselho estudantil, mas acontece tudo muito rápido e acabam ficando algumas coisas pra trás sem um desfecho. Isso eu não gostei. Deixou em evidência que todas as pessoas que estão em um patamar social alto dentro da sociedade, conseguem tudo que almejam”.

 

Ryan Murphy, o senhor das séries

Não há como negar que Ryan Murphy é o senhor das séries televisivas. Criador de sucessos como Glee, American Horror Story, American Crime Story, Pose, Scream Queens e mais outros, o escritor e roteirista é hoje um dos grandes nomes do mundo do entretenimento. 

Colecionador de inúmeros troféus, sete prêmios Emmy e cinco Globos de Ouro, Murphy é o rei da cultura na era binge watching, a mania de maratonas, e o contrato multimilionário de U$$300 milhões com a Netflix é só o começo da expansão do seu sucesso e reinado.


Globe Awards

Ryan Murphy. (Foto: reprodução/ internet).
 

A série “The Politician” está disponível na plataforma de streaming Netflix e, de acordo com o site Production Weekly, a série já foi renovada para segunda temporada. A plataforma, no entanto, ainda não se pronunciou sobre a confirmação desta.


Pôster oficial da série

Foto representativa da série. (Foto: reprodução/ internet).
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »