13/12/2020 às 13h55min - Atualizada em 13/12/2020 às 13h43min

Olímpiadas de Paris em 2024 terá breakdance e paridade de gênero

Será a primeira vez na história dos jogos que a quantidade de atletas homens e mulheres será igual

Tamires Zinetti - editado por Wesley Bião
Paris receberá os Jogos Olímpicos pela terceira vez na história (Foto: Etienne Laurent/FE)
O Comitê Olímpico Internacional (COI) confirmou na última segunda-feira (07), a entrada do breakdance, skate, escalada e surfe nas Olimpíadas de Paris, em 2024. Caratê e beiseboll/softball ficam de fora dos jogos. Além disso, pela primeira vez da história dos jogos, haverá paridade no número de atletas homens e mulheres que participarem do evento. As decisões foram anunciadas pelo presidente do comitê, Thomas Bach.
.
"Estamos deixando a Olimpíada de Paris adequada ao mundo pós-pandemia do novo coronavírus. Reduzimos os custos e a complexidade de se sediar os Jogos", declarou Bach, em entrevista coletiva.

O breakdance surgiu na década de 70, em Nova York, e faz parte da cultura hip-hop. Em 2018, fez sua estreia em grandes eventos do esporte, nos Jogos Olímpicos da Juventude, realizada em Buenos Aires. A modalidade consiste em duelos ou batalhas um contra um, com três etapas. Os atletas apresentam uma combinação de movimentos alternados e enquanto um dança, o outro aguarda. A avaliação será feita por juízes e está alinhado às propostas do COI de tornar as Olimpíadas um evento mais plural, urbano e conectado a juventude. Vale lembrar que o Brasil ainda não possui equipe e confederação na modalidade.



Breakdance disputa uma Olímpiada pela primeira vez na história. (Reprodução: Getty Images)

Mesmo sendo novidade nos Jogos de Paris, a modalidade possui eventos internacionais há mais de dez anos, como o The Notorious IBE, o Outbreak Europe e o Red Bull BC One. No âmbito nacional estão, o Master Crews, em São Paulo, Quando as Ruas Chamam em Brasília, Battle in the Cyper, em Bento Gonçalves (RS) e o FCH2, em Fortaleza. A disputa da competição será realizada na praça da Concórdia, no final da Avenida Champs Élysées, junto com skate. A escalada será em um muro construído em Bourget, ao norte de Paris. Já o Surf, enfrentará as ondas de Teahuppo, no Taiti.

Ainda não há garantias de que essas quatro modalidades continuarão nas próximas Olimpíadas, já que não fazem parte da lista de 28 esportes oficiais. No entanto, vale lembrar que skate, surfe, e escalada estão inclusos no calendário dos Jogos Olímpicos de Tóquio, que devem acontecer em 2021, por conta da pandemia do novo coronavírus.

O comitê ainda rejeitou a inclusão de modalidades adicionais como handebol de praia e parkour como modalidade dentro da ginástica. Também excluiu provas, como a marcha atlética de 50 Km. No seu lugar haverá uma outra modalidade mista ainda não decidida. Provas do levantamento de peso reduziu categorias masculinas de box de oito para sete e aumentou as femininas, de cinco para seis. Foram aprovadas na canoagem slalom a inclusão da prova extrema e na vela inclusas as disputas mistas do kitesurfe e da classe 470.

Vinte das 27 Federações Internacionais teriam solicitado ao COI algum tipo de mudança em seus programas, inclusão de novos eventos ou a alteração do número de participantes em determinadas provas. Mas desde o início do processo, o comitê afirmou que apenas consideraria propostas que não precisassem de um novo local de disputa ou aumentasse o número de atletas por esporte.

PARIDADE DE ATLETAS

As Olímpiadas de 2024, na França, será a primeira a ter paridade, ou seja, um número igual de atletas homens (50%) e mulheres (50%). No Japão, as atletas femininas representam 48,8% do total, enquanto no Rio, em 2016, a quantidade foi ainda menor, de 45,6%.  


Paridade no número de atletas e provas mistas são as novidades da Olímpiada de Paris em 2024. (Reprodução: Getty Images)
 
Na história, nos Jogos de Olímpicos de Paris de 1900, foi permitido extra-oficial a participação de mulheres em algumas provas dos esportes que não possuíam contato físico. As vencedoras também não ganhavam as tradicionais medalhas ou coroas de oliveira,e sim um certificado de participação, pois eram consideradas apenas participantes.  Eram 997 atletas, sendo 22 apenas mulheres. Apenas em 1936 elas foram consideradas atletas oficiais dos jogos.  

REDUÇÃO NO NÚMERO DE COMPETIDORES

A edição francesa também terá outra novidade comparado aos Jogos de Tóquio: o número de atletas olímpicos diminuirá em 600 - ao todo serão 10.500 participantes. Os pódios irão de 339 para 329.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »