23/11/2019 às 17h20min - Atualizada em 23/11/2019 às 17h20min

Na lista dos mais vendidos: por que lemos tantas distopias esse ano?

A revista Veja publica, semanalmente, os livros mais comprados nas livrarias pelos brasileiros. Em 2019, o destaque foi da literatura distópica.

Gabriela Carneiro - Editado por Socorro Moura
https://www.bbc.com/news/magazine-38764041, https://veja.abril.com.br/livros-mais-vendidos/, https://www.britannica.com/list/8-banned-books-through-time
Insider

“Eu avisei” - protesto nos EUA em 2013 contra espionagem. Fonte: Insider

O Conto da Aia, 94 semanas não consecutivas na lista. A Revolução dos bichos, 72. E 1984, 33. Nenhum outro gênero de ficção está fazendo tanto sucesso na lista de livros mais vendidos no Brasil, da revista Veja, quanto as distopias. E não é mera coincidência: os livros que escolhemos ler dizem muito mais sobre os momentos que vivemos do que parece.

Distopia é o nome dado, na ficção, a sociedades conturbadas, geralmente em decorrência de algum regime autoritário ou da luta pela sobrevivência pós-apocalipse. É antônimo de utopia, nome cunhado pelo escritor inglês Thomas Morus. Em seu livro de mesmo nome, Utopia era um país perfeito, onde todos viviam felizes e em harmonia. Tanto as distopias quanto as utopias costumam estar ligadas à ficção científica, e hoje aparecem não só na literatura, mas também na música e no cinema.

Literatura distópica. Fonte: Vowelor

Vivemos, hoje, tempos de incerteza e instabilidade na política. Especialista em best-sellers na UFRJ, a professora Eliane Paz acredita que pode haver um diálogo entre nosso consumo de literatura distópica e esse atual momento social. “Distopias dialogam com os conflitos da sociedade, e por isso são atuais em qualquer época. O tema da opressão, da falsa normalidade, entre outros, são recorrentes nesse gênero”, comenta. “Nós, leitores, lemos por diversos motivos: um deles é porque precisamos fugir da realidade; o outro, porque queremos entender a realidade de outro ponto de vista. Controle, censura, polarização — características do que vivenciamos atualmente — são o cerne das narrativas distópicas.”

Assim como os brasileiros estão lendo mais obras distópicas em 2019, os Estados Unidos viram o mesmo fenômeno acontecer em 2016, após a vitória do presidente Donald Trump. 1984, de George Orwell, teve um aumento de 9500% nas vendas, de acordo com a editora americana Signet Classics. E Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, estivera há dois anos fora até dos 100 livros mais vendidos na Amazon, mas conseguiu chegar ao top 10 depois das eleições.

Porém, para a professora, não apenas as obras distópicas são reflexo de momentos conturbados, mas também o aumento na venda de livros de autoajuda, amor, humor e fantasia, em movimento contrário. “Muitas vezes o leitor busca a literatura para pensar sobre o mundo em que vive; noutras, justamente pelo oposto”, diz Eliane. Um exemplo são os livros de autoajuda A Sutil Arte de Ligar o F*da-se, de Mar Mason, e Seja F***!, de Caio Carneiro, que somam, respectivamente, 96 e 98 semanas não consecutivas na lista dos mais vendidos. 

Ao longo dos anos, muitas obras distópicas sofreram censuras de governos autoritários ao redor do globo. As obras de George Orwell 1984 e A Revolução dos Bichos foram banidas na União Soviética pelo ditador Joseph Stalin na época de seus lançamentos. Hoje, a China baniu menções a esses livros nas redes sociais, além de impedir a venda de livros de autores chineses considerados anti-governo. E, ironicamente, é justamente essa a crítica que as distopias ficcionais fazem à sociedade: 

“Então, vê agora por que os livros são tão odiados e temidos? Eles mostram os poros no rosto da vida. As pessoas acomodadas só querem rostos de cera, sem poros, sem pêlos, sem expressão.”

citação de Fahrenheit 451, de Ray Bradbury.


 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »