06/06/2022 às 14h42min - Atualizada em 06/06/2022 às 14h42min

Pernambucanos em luto: catástrofe anunciada e a falta do poder público

Pernambuco passa pela maior tragédia natural devido as fortes chuvas, ultrapassando a grande cheia de 1966

Maria Paula Ramos - Editado por Ynara Mattos
Bianka Carvalho
Uma semana da tragédia 

Na última sexta feira (29), começou uma chuva intensa que perdurou a noite inteira na cidade do Recife e Regiões, causando um grande pesadelo e sofrimento de muitas famílias. O primeiro relato do deslizamento de uma barreira se deu por volta das 05h30 da manhã do sábado (30) em Jardim Monte Verde - região mais afetada, que fica entre Recife e Jaboatão dos Guararapes. A chuva foi tão forte que chegou a atingir 2 metros de altura, fazendo com que alguns moradores, para tentar se salvar, tivessem que sair nadando em meio a correnteza. 

Os estragos causados pelas chuvas foram muito mais do que bens materiais e essa situação continua entre os Recifenses. Os moradores de Recife e Olinda acordoram hoje (07), com as ruas alagadas, deslizamentos de barreiras, incluindo no litoral Sul, num bairro de Tamandaré, também conhecido com Sovaco da Cobra, onde 7 pessoas ficaram feridas e no bairro do Alto Santa Terezinha, às 4h da manhã no Recife, que infelizmente teve a fatalidade do Lucas Daniel Nunes da Silva, um adolescente de 13 anos, que não resistiu a falta de estrutura de Pernambuco para receber essas fortes chuvas. 

Números

De acordo com o Governo de Pernambuco, o número de vítimas que perderam a vida pelo deslizamento de barreiras e enchentes foram de 129 vítimas fatais, foram 57 municípios do Estado de Pernambuco, afetados e 34 cidades decretaram situação de emergência. Em alguns bairros, há famílias ainda ilhadas e tendo como única opção para sair, Jangadas. 
Segundo informações da Coordenadoria de Defesa Civil do Estado de Pernambuco (Codecipe), totalizou 61.596 pessoas desalojadas e mais 9.631 desabrigadas no Estado de Pernambuco. 

Relato de Tristeza

Ao entrar em contato com Gerson Franco, ele relata sobre o caos e desespero que passaram e da dor de ver uma família soterrada, que ele e a mãe conhecia há anos. 

 A mãe tinha 45 anos, a filha 25 anos e duas bebês. Todas as quatro infelizmente foram soterradas. O Pai e os dois irmãos saíram para ver o que era o barulho e em questão de segundos a barreira caiu, levando as casas.  A mulher mais velha estava com uma criança no braço e a outra, puxando pela mão, tentando correr e a de 25 anos, mãe das bebês, estava deitada na cama na hora do deslizamento e encontraram todas juntas. Disse, Gerson. 


Como ficou Instaurado o estado de emergência por PE?

As famílias que conseguiram sair de suas casas através do corpo de bombeiros, exercíto e a própria população que estavam se disponibilizando nas buscas, foram aconselhadas para ir a abrigos e escolas mais próximos, onde já tinham pessoas para acolher, distribuir alimentos, dormidas e doações feitas pela própria população.
Muitos influênciadores de Pernambuco começaram a se mover e fazer campanhas de doações para entregar nas áreas atingidas pela cheia, com sopões, almoços, jantas, cestas básicas, cobertores, colchões, roupas, brinquedos para crianças e muito mais. 

Como Ajudar? 

Aos que se sensibilizarem e quiserem ajudar a essas famílias, é so acessar o site https://www.paraquemdoar.com.br/ e lá terá informações sobre as instituições parceiras e você pode fazer sua doação. 

Alerta Defesa Civil

Devido as fortes chuvas, moradores de locais de risco deverá sair imediatamente e procurar abrigos seguros. Pode acionar o órgão, ligando para o número 0800.081.3400, ligação gratuita e funciona 24h. 




  
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »