01/08/2019 às 08h54min - Atualizada em 01/08/2019 às 08h54min

Ginastica artística brasileira fecha com chave de ouro o Pan-americano de Lima

Amanda Mendes - Editado por Paulo Octávio
Foto: Ricardo Bufolin/ CBG Arthur Nory e Francisco comemoram dobradinha no Pan de Lima
A equipe brasileira de Ginástica artística se destacou nos jogos Pan-Americanos de Lima com a melhor campanha da história. Time finalizou a competição, nesta quarta-feira (31), com quatro medalhas de ouros, quatro de pratas e três de bronzes. Com esse desempenho superou os bons resultados do Pan do Rio em 2007. Os grandes destaques foram: Flávia Saraiva na equipe feminina, Caio Souza, Arthur Nory e Francisco Barreto do time masculino.

Caio Souza conquistou mais uma medalha: ouro no individual geral e por equipes. O atleta ainda levou sua terceira medalha no Pan-Americano. Foi o melhor da classificatória com 14,850; com essa nota, ele ficou com a prata nas barras paralelas. O ouro foi para o mexicano Isaac Nuñez (14,433) e o bronze para o americano Cameron Bock (14,033). “O trabalho está sendo bem feito, tudo que a gente vem fazendo está dando resultado. Isso mostra que estamos nos preparando cada vez melhor para as competições e vamos ver isso se refletir no Mundial”, disse o ginasta Caio Souza ao SporTV.

Flávia Saraiva participou de duas finais nessa quarta-feira. Primeiro na trave de equilíbrio, onde sofreu duas quedas e ficou na quinta posição com 12,300. Logo em seguida, ela foi para o solo, fez uma série quase cravada e conseguiu 13,766 pontos e conquistou a medalha de bronze.  A canadense Brooklyn Moors ficou com o título depois de ter marcado 13,900 pontos. A americana Kara Eaker, com 13,800, conquistou a prata. Thaís Fidélis acabou na sétima posição após problemas na aterrissagem na primeira acrobacia e terminou pisando fora do tablado.  Saraiva teve pedido de revisão de nota negado por conta da dificuldade por não ter tido um elemento considerado.

“É uma sensação incrível, eu estou muito feliz. Quando fui para o solo, eu falei: “Quero abrir o solo, quero deixar o solo muito bem aberto”. Sei fazer a série, sei fazer tudo e, quando terminei eu estava com a sensação de dever cumprido. Mesmo com a falha na trave, no finalzinho, a série estava boa, eu falei: “Relaxa, agora é solo, já passou. É você e o solo, curta esse momento que é único.” entrevista da Flavinha Saraiva para o SporTV.

No salto, Luis Guilherme Porto acabou na sétima colocação, com 13,650, depois de ter saído do colchão de aterrissagem. Arthur Nory conseguiu 14,533 pontos na barra fixa, porém Francisco Barreto se saiu melhor e obteve nota de 14,566, Chico ficou com o ouro, e  Nory com a prata. Antes do triunfo, Francisco Barreto acabou no oitavo lugar nas barras paralelas. O cubano Huber Godoy também foi bem, mas garantiu apenas o bronze com pontuação de 14,200 pontos.

Segue abaixo a classificação final na barra fixa masculina:
         Ranking          Nome              Pontuação
          1 BRA    Francisco Barreto               14,566
          2 BRA    Arthur Nory               14,533
          3 CUB    Huber Godoy               14,200
          4 CAN    Samuel Adam               13,965
          5 CAN    Renê Cournoyer               13,833
          6 USA    Genkl Suzuki               13,800
          7 COL    Carlos Alberto               13,666
          8 COL    Andres F.Martinez               13,233

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »