16/08/2019 às 10h48min - Atualizada em 16/08/2019 às 10h48min

O sistema carcerário brasileiro retratado através da literatura

5 livros que vão te ajudar a compreender melhor como funcionam as prisões brasileiras

Talyta Brito - Editado por Socorro Moura
Imagem: divulgação
 Michel Foucault, filósofo francês, afirmou que: “pode parecer estranho que a prisão seja semelhante às fábricas, escolas, quarteis e hospitais.” Com tal declaração o teórico defendia que todas essas distintas instituições tinham em comum um funcionamento social. Ou seja, as relações de poder se faziam presente. De acordo com as leis que regem o Brasil, quando determinado individuo comete um crime, ele fica sobre a tutela do Estado. 
 
 Após o massacre em Altamira (PA) e as rebeliões em Alcaçuz (RN), a estrutura do sistema carcerário brasileiro voltou a ser pauta. Alguns autores dedicaram tempo e incansável trabalho de pesquisa para contar um outro lado da história que muitas das vezes é ofuscado. Livros como Estação Carandiru e Presos que menstruam permitem ao leitor uma imersão no mundo dos presidiários. Preparamos um Top Five com obras que abordam a temática e certamente te ajudarão na construção de bagagem sobre o assunto.
 

1- Estação Carandiru – Drauzio Varella  
Em sua estreia como escritor, o médico voluntário Dráuzio Varella ambienta o leitor de como eram os dias, bem como, a sua luta para prevenção do  HIV e as relações de poder estabelecidas na Casa de Detenção de São Paulo, também conhecida como Carandiru, antes do massacre ocorrido no dia 2 de outubro de 1992 que culminou na morte de 111 detentos. O livro recebeu o Prêmio Jabuti 2001 na categoria não ficção. 

2- Carcereiros – Drauzio Varella 
No segundo livro,
 o médico dá enfoque aos funcionários públicos responsáveis por manter a ordem. Muitos desses personagens tinham um segundo ofício, pois o que ganhavam eram insuficientes para sustentar as suas famílias. Varella confessa que sempre teve vislumbre por esses assuntos desde a adolescência.


3- Prisioneiras 
Na obra que fecha a trilogia, o escritor preocupa-se em contextualizar os fatos, respondendo perguntas como: o que as levou aquele lugar? Outro fator abordado é o abandono parental. Foi constatado que as detentas recebem menos visitas do que os detentos. A leitura permite identificar quais as principais diferenças entre as prisões masculinas e femininas.

4- História das prisões no Brasil – Clarissa Nunes, Marcos Paulo Pedrosa, Marcos Luiz, Flávio de Sá 
A coletânea faz uma análise do assunto a partir do período colonial. O livro é fruto de trabalhos acadêmicos produzidos em universidades de todo o país. Há um cuidado também em traçar comparativo do sistema carcerário nas diferentes regiões do Brasil.

5- Presos que menstruam - a brutal vida das mulheres – tratadas como homens – nas prisões brasileiras – Nana Queiroz  
Através de sete histórias, a jornalista elucida quais são os problemas mais recorrentes do sistema carcerário feminino - que vão desde a falta de itens básicos de higiene a separação dos filhos. É possível enxergar através das páginas do livro a negligência do Estado diante de peculiaridades do universo feminino.  

  

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »