08/09/2019 às 19h10min - Atualizada em 08/09/2019 às 19h05min

Ted Bundy – A Irresistível Face do Mal

História de um dos criminosos mais temidos nos anos 70 ganha outra produção audiovisual

Luiza Helena Ramos
Na produção, Zac Efron interpreta Ted. (Foto: Divulgação / Internet)
Completando neste ano o aniversário de 30 anos da morte de Ted Bundy, o criminoso ganha cinebiografia aos olhos de Elizabeth Kloepfer, sua ex-namorada. No novo filme, Theodore Bundy ganha vida de forma hábil com a atuação de Zac Efron. Já Elizabeth Kloepfer é interpretada por Lilly Collins e Carole Ann Boone por Kaya Scodelario. O filme tem uma narratia flúida que, de forma amena, traz uma história entendível e quase completa. 
         
Theodore Robert Cowell, mais conhecido por 'Ted Bundy', era um homem charmoso e encantador, desejado pelas mulheres que o viam passar pela rua ou que se sentavam na mesa à sua frente. Mas, que ao fim dos anos 1970, se tornou um dos criminosos mais temidos da década. Na infância, Bundy acreditou viver com seus pais - que na verdade eram seus avós - e sua irmã - que era a mãe. 
        
Quando mais novo, viu seu avô, o qual acreditava ser seu pai, agredir sua mãe (a avó). Acusado de sequestro, necrofilia, assassinato e estupro contra mulheres; em 1989, na Flórida, se confessa por 36 das mortes - acredita-se que houve mais mortes do que as relatadas. Theodore usava de seu charme para atrair suas vítimas. Mesmo quando preso, até mesmo no tribunal, mulheres continuavam se apaixonando por Ted. A execução de Bundy foi efetuada logo após a confissão. 
        
Nesta adaptação, que conta fatos reais, o espectadores têm a chance de assistir ao filme e sair da sala de cinema conhecendo parte da vida do serial killer a partir do momento no qual ele conhece Elizabeth e de quando é acusado de praticar crimes contra mulheres. A obra também mostra os momentos finais da vida de Ted, quando ele se confessa e termina executado. 
        
A experiência se torna boa pela ótima direção de Joe. Porém, o roteiro conta com furos pela falta de elementos, como respostas de perguntas em torno de sua história de vida e infância, faltando também mostrar o lado perverso de Ted (apresentado na série existente sobre o criminoso), além do charme que muito se enxergava na época. 

Tais pontos são justificáveis quando se fala da apresentação de uma história pelo ponto de vista de uma pessoa, principalmente se não é a história dela e se não conhece a real. Outro motivo pode ser que por se tratar de uma produção para cinema, com o objetivo de atender aos gostos não só de quem se interessa pelo assunto, mas sim a um público mais abrangente, tais questões alongariam a duração e parte do público-alvo poderia se desinteressar. Porém, ao não esclarecer, deixa um ar de que faltam elementos para que seja um filme completo. 

 

Além do filme deste ano, Ted Bundy é revivido também em série documental original da NetflixConversando com um Serial Killer: Ted Bundy - que teve estreia em janeiro deste ano. A minissérie tem apenas quatro episódios com duração de em média uma hora cada. 

Editado por Alinne Morais
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »