15/04/2019 às 16h06min - Atualizada em 15/04/2019 às 16h06min

Resenha: As boas mulheres da China - Xinran

Um olhar feminino sobre a dor

Aline Goulart
Imagem: Estante virtual

O livro "As boas mulheres da China" da jornalista chinesa Xinran, foi publicado em 2002 e é feito por histórias de mulheres que, viveram os anos da Revolução Cultural da China nas décadas de 40 a 80. Entre 1989 e 1997, Xinran entrevistou mulheres e sob suas vivências registrou a violência, os medos e as dificuldades. Por essas histórias a jornalista conseguiu identificar as vozes, antes silenciadas pela repressão, e trouxe por meio de um livro reportagem as vidas oprimidas daquelas mulheres.

 

A Revolução Cultural na China ocorreu entre 1966 e 1976 sob a dominação de Máo Tse Tung, as famílias da época enfrentaram problemas sociais como a fome, o desemprego e a violência. Isso ocorria ao mesmo tempo que uma ditadura na qual não haviam condições de saber o que passava com essas famílias. Tudo era proibido, a cultura, a educação e a ciência também padeceram. O livro de Xinran resgata essas histórias perdidas pelo tempo e mostra uma realidade das mulheres. A jornalista escreveu mais dois livros sobre a China: A grande fome de Mao e As filhas sem nome.

 

Mulheres invisíveis

Durante oito anos, Xinran apresentou o programa de rádio “Palavras na brisa noturna” que procurava responder questões sobre o cotidiano dos chineses. Xinran teve que lidar com alguns obstáculos porque os ouvintes resistiam a falar sobre a vida. Como jornalista, Xinran sempre esteve disposta a ouvir e, contudo, conquistou a confiança das pessoas aos poucos. Entretanto, o programa foi posto de lado e a programação era de madrugada, pois não tinha muita audiência. Xinran recebia cartas das ouvintes e em muitos casos de forma anônima. Porém, um dia ela recebeu uma denúncia de uma mulher vendida ao marido. E resolveu investigar as histórias que chegavam.
 

O foco da narrativa é em terceira pessoa, então, o narrador é um observador da história. Em alguns momentos há relatos em primeira pessoa, principalmente quando Xinran se vê ou sente-se tocada pela história, ela mergulha profundamente no relato, como resultado o leitor é levado a uma época e vivência diferentes. Por vezes, o significado de felicidade, liberdade e autonomia é questionado. Famílias oprimidas e opressoras. É um livro devastador que abala as estruturas. Tem todo tipo de abuso, violência e opressão às mulheres. Se o mundo já está difícil agora, pior foi para as boas mulheres da China.


Editado por: Millena Brito

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »