10/07/2020 às 02h26min - Atualizada em 10/07/2020 às 01h59min

Agências vendem viagens para Natal e Réveillon, apesar da incerteza com coronavírus

Confira o relato de empresária afetada pela pandemia

Ivone Souza - Alexandra Machado
A pandemia do novo coronavírus causou diversas mudanças na vida das pessoas e impactou diversos setores, principalmente o do turismo. De acordo com a Organização Mundial do Turismo (OMT), o setor registrou queda de 97%. Viajar neste momento se tornou um grande risco dada a facilidade de contaminação do vírus devido ao ambiente ou aglomerações de pessoas. Além disso, fronteiras estão fechadas impedindo pessoas de entrarem ou saíres dos países. Com isso, a sobrevivência das agências de turismo têm sido posta à prova e precisam fazer um esforço para se manterem abertas e usando a criatividade para manter os clientes. 
 
A empresária Daiana Santos, dona da agência Destinoss, tem sofrido os efeitos da pandemia e feito de tudo para que os danos dessa crise afetem o mínimo possível. “A queda nas tarifas aéreas e a flexibilidade para mudar o dia da viagem, caso seja necessário, sem custo é o que está nos salvando”, comenta. Ela conta que neste mês de julho conseguiu vender alguns pacotes de viagens para o Natal e Ano Novo.
 
Forçada a criar um plano de emergência para tentar atenuar o impacto devastador da pandemia, Daiana tem criado diversas maneiras de fazer com que os clientes, que não conseguiram viajar, remarquem as viagens que já estavam previstas para o segundo semestre desse ano. Ela conta que remarcou a maioria das viagens canceladas sem nenhum custo para o cliente e dado um crédito válido por dois anos. 
 
Outra maneira da empresária tentar manter o fluxo de caixa ativo tem sido a venda de planos de viagens para noivos. “Eles compram um pacote para quando casarem em dois anos, e aí poderão escolher o destino quatro meses antes”, explica. Os planos que variam de 3 a 10 mil reais podem ser pagos parcelados no boleto, dessa forma, fica como se planejasse uma viagem antes da pandemia. 
 
Daiana explica que a maioria das viagens, que estavam previstas para os próximos meses, estão sendo reagendadas para 2021, porém, a garantia para usar o crédito é de dois anos. Apesar de viagens para o Brasil estarem liberadas, as pessoas não querem se expor ao risco de uma contaminação. Além disso, a maioria dos pontos turísticos das cidades estão fechados devido à quarentena, portanto, não vale a pena viajar, caso seja a passeio. No entanto, conseguiu fazer vendas para destinos internacionais como Cancún, Punta Cana, Aruba e Caribe. 
 
Apesar do futuro ser incerto e de ainda não ter uma data prevista para quando será seguro viajar, pois há inúmeros fatores a serem considerados, a empresária está confiante e acredita que até o início do ano tudo esteja normalizado.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »