10/10/2020 às 18h22min - Atualizada em 10/10/2020 às 18h16min

Corrida eleitoral para prefeito de SP segue acirrada

Celso Russomanno, Bruno Covas, Guilherme Boulos e Márcio França disputam no pelotão de cima

Gustavo Cardozo Moraes - Editado por Caroline Gonçalves
Todos os candidatos que estão disputando as eleições para prefeito de SP Foto: "Reprodução/G1.globo.com"
A corrida eleitoral para prefeito (a) de São Paulo já começou. As eleições estão marcadas para o dia 15 de novembro, se houver segundo turno, os eleitores votarão novamente no dia 29 de novembro. No total são 14 candidatos que tentarão a eleição, ou a reeleição, são eles: Andrea Matarazzo (PSD), Antônio Carlos (PCO), Arthur do Val (Patriota), Bruno Covas (PSDB), Celso Russomanno (Republicanos), Felipe Sabará (Novo), Guilherme Boulos (PSOL), Jilmar Tatto (PT), Joice Hasselmann (PSL), Levy Fidelix (PRTB), Márcio França (PSB), Mariana Helou (Rede), Orlando Silva (PC do B) e Vera Lúcia (PSTU)

Segundo a última pesquisa do Datafolha, divulgada nesta quinta-feira (8), o candidato Celso Russomanno está liderando a corrida eleitoral. O republicano tem 27% das intenções de voto. Em segundo colocado, está Bruno Covas, que tenta a reeleição, o neto de Mário Covas tem 21% das intenções de votos. Para fechar a lista dos três primeiros, Guilherme Boulos vem com 12% diz o Datafolha. O Ex-Governador de São Paulo, Márcio França vêm logo atrás com 8%. Na sequência está o candidato, Arthur Do Val com 3%. Estão empatados Andrea Matarazzo e Levi Fidelix, cada um com 2%. Todos os outros candidatos estão empados com 1%. 12% dos entrevistados disseram votar em brancos ou em nulos. Os outros 4% não responderam ou ainda não sabem e quem votar. A pesquisa entrevistou 1.092 eleitores, entre 5 e 6 de outubro. Foram entrevistadas pessoas de 16 anos ou mais. A margem de erro é de três pontos percentuais, para mais ou para menos.

Russomano, assim como nas últimas duas eleições 2012 e 2016, está liderando nesse início de campanha.  Além de sua grande popularidade por ser o “Defensor dos consumidores”, o republicano está contando com grande apoio do presidente, Jair Bolsonaro (sem partido). E também da grande massa evangélica, já que seu partido é ligado ao bispo Edir Macedo. Fora esses fatores o Deputado Federal segundo Datafolha, tem grande apelo entre os mais pobres, cerca de 34%, contra apenas 18% de Covas, que é o segundo, colocado no quesito.


Os quatro principais candidatos para vencer a eleição para prefeito  Foto:"Reprodução/brasil.elpais.com"

Já Bruno Covas conta com o apoio do atual Governador de São Paulo, João Doria. Covas, atual prefeito, ficou com a vaga após seu companheiro de chapa, Doria, ter vencido as eleições para Governador. Entretanto, o atual prefeito é o primeiro da lista no quesito rejeição. Na mesma pesquisa do Datafolha, 31% dos entrevistados disseram que não votaria em Brunos Covas. O prefeito está empatado com Joice Hasselmann, que também tem a mesma porcentagem de reprovação. Covas, têm bastante aprovação entre os eleitores com mais de 60 anos. Segundo o Datafolha, das pessoas que tem intenção de voto no atual prefeito, 29% delas sãos idosas. O prefeito também lidera entre os católicos, são 27%, contra 24%, de Russomanno, o segundo colocado nesse aspecto.

Outro candidato que está vivo na disputa é Guilherme Boulos. O coordenador nacional do Movimento dos Trabalhadores sem Teto (MTST), foi o candidato que mais cresceu em porcentagem na pesquisa do Datafolha. Em relação à última pesquisa realizada entre 21 e 22 de setembro, Boulos subiu 3%, foi de 9% das intenções de voto para 12%. O ativista ainda conta com a ajuda de uma grande parte dos eleitores do PT. Muitos petistas não veem Jilmar Tatto com condições vencer a eleição, então passa a enxergar Guilherme Boulos como uma boa oportunidade para a esquerda. 

Márcio França, também é um concorrente quem tem boas oportunidades de chegar ao segundo turno. O Ex-Governador de São Paulo, é o candidato que tem menos rejeição entre os outros três citados anteriormente. Apesar de estar com 8% das intenções de votos, França não é visto com maus olhos, pois já teve uma passagem como Governador do estado, após Alckimim renunciar em 2018 para concorrer à presidência.

Debate feito pela TV Bandeirantes no dia 1 de outubro.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »