04/12/2020 às 17h21min - Atualizada em 04/12/2020 às 16h54min

West Ham: agora vai?

O clube londrino vem ganhando destaque nesta temporada 20/21, mas quais foram os pontos que fizeram com que o time brigasse pela parte de cima da tabela.

Caio Henrique Panini de Oliveira - editado por Wesley Bião
Capitão Mark Noble em campo com a camisa do clube inglês (Foto: Alex Morton)
Podemos dizer que o West Ham é o famoso clube que nada, nada e morre na praia. O time fundado em 1895 por Arnold Hills e Dave Taylon sempre brigou no meio da tabela ou na parte de baixo dela. Os Hammers, nas janelas de transferências, conseguem adquirir bons nomes para o elenco, mas na hora de colocar esses jogadores em campo algo de errado acontece e os torcedores já aceitam mais uma temporada brigando na parte de baixo da Premier League.

Mas esse ano as coisas começaram de uma forma diferente. O clube comandado pelo técnico David Moyes, que está no cargo desde dezembro de 2019, vem dando uma nova cara ao time da região leste de Londres. O clube tem em sua história apenas cinco títulos conquistados: três taças da FA Cup (63/64, 74/75 e 79/80), uma conquista do extinto campeonato Taça das Taças (64/65) e levantou o caneco da Super Taça da Inglaterra (64/65).

A temporada 20/21 era bastante esperançosa para os torcedores do West Ham, afinal, o clube fez novamente boas contratações e manteve o técnico que ajudou a equipe no ano anterior. Na temporada 19/20, com Manuel Pellegrini, o time ficou na 16° colocação do campeonato nacional. A melhor campanha dos Hammers era um sétimo lugar temporada 15/16. Agora com Moyes, o clube toma outro rumo. No atual campeonato, o time está na quinta posição, com cinco vitórias, dois empates e apenas três derrotas. O West Ham venceu jogos importantes, como por exemplo o bom triunfo pra cima do Leicester City fora de casa, no qual o clube londrino venceu por 3x0. Outra grande vitória foi sobre o Wolverhampton, vencendo o confronto por 4x0 em casa.


Comandante David na atual temporad pelo West Ham (Foto: Ian Kington)

Os destaques para o clube são diversos. Primeiro, o esquema tático imposto por treinador, o famoso 3-4-3, que vem ajudando o time a ter uma defesa muito mais segura, com Balbuena, Ogbonna e o lateral/ zagueiro Cresswell, fazem uma linha de defesa muito segura. Esse esquema com três defensores deixam os alas e volantes com mais liberdade para chegarem ao ataque. O segundo ponto a ser destacado é o ataque. Finalmente o clube de Londres encontrou bons nomes ao ataque para clube, como Hallen, Michail Antonio, Said Benrahma, Jarrod Bowen vão chamando a responsabilidade e se destacando neste início de temporada. O West Ham tem até aqui marcaram 17 gols pró e 11 contra na atual competição nacional.

Outro jogadores vão ganhando destaque, como o volante Rice, que com apenas 21 anos de idade já usou a braçadeira de capitão do clube, vem dando um ritmo ao meio de campo do West Ham; o meia Soucek, o argentino Manuel Lanzini e o goleiro Fabianski estão ganhando elogios dos jornais londrinos.


Ogbonna e Balbuena em ação com a camisa dos Hammers (Foto: Twitter Oficial do West Ham)

Além do sistema tático implantado pelo treinador, os Irons acertaram em suas contratações. Eles são famosos por gastarem uma quantia enorme em negócios, mas muitos desses nomes não dão certo. Na temporada 17/18, o time gastou em torno de 56,8 milhões de euros em compras de jogadores, mas ficaram apenas na 13° posição na tabela. Nomes como Chicharito, Joe Hart, João Mario e Marko Anautovic deram enormes esperanças aos torcedores e ao próprio clube, mas nenhum desses jogadores tiveram êxito no West Ham e foram rapidamente negociados.

Isso mudou aos poucos. Na época 18/19 o clube londrino acertou em algumas contratações: Felipe Anderson, Balbuena, Fabianski e o zagueiro Diop foram contratações pontuais. Naquele ano o time ficou em décimo lugar no Campeonato Inglês. Em 2020 as coisas melhoram ainda mais. A diretoria mudou a forma de pensar, e ao invés de gastar uma enorme quantia em vários jogadores, eles gastaram pouco mas em nomes certos e pontuais para o elenco. Benrahma, que em 2019 fez uma ótima campanha com a equipe do Brentford, da segunda divisão inglesa, foi para o West Ham por via de um empréstimo, onde o clube de Londres irá pagar na próxima temporada 23,10 milhões de euros no jogador para mantê-lo no plantel. Outros atletas como o meia Soucek, o lateral direito Coufal e o defensor Dawson chegaram nesta janela de transferência. No total, foram gastos apenas 26,60 milhões de euros, uma quantia bem menor que está trazendo mais resultados ao time.


Cresswell comprimentado o treinador no fim de uma partida (foto: Facebook oficial do West Ham)

Os torcedores dos Hammers esperam conseguir beliscar uma vaga em uma competição europeia, já que a última vez que o clube dispotou uma competição continental foi em 1965. Contudo, não se pode esquecer que o calendário é longo e cada jogo é uma nova batalha. O time vem muito bem e se continuar dessa forma pode colher frutos que foram plantados.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »