04/02/2021 às 20h26min - Atualizada em 04/02/2021 às 20h02min

Apesar da pressão sofrida no final, Chelsea é melhor em toda partida e vence o clássico de Londres

Tottenham chega em sua terceira derrota seguida na Premier League, o que não acontecia desde 2012

Léo Abrantes - editado por Anna Voloch
Jogadores do Chelsea comemoram o gol (Imagem: Reprodução/Neil Hall/AFP)
Tottenham e Chelsea se enfrentaram na tarde da última quinta-feira (4), em confronto válido pela 22ª rodada da Premier League, em Londres, no Tottenham Hotspur Stadium. O gol da partida foi marcado pelo meio-campista Jorginho, no primeiro tempo, em cobrança de pênalti. A equipe de Thomas Tuchel vence a segunda seguida e sobe para a 6ª colocação, com 36 pontos, mas ainda pode ser ultrapassado pelas equipes com jogos a menos, como Everton, Aston Villa e pelo próprio Tottenham, que está na 8ª colocação, com 33 pontos.
 
PRIMEIRO TEMPO
 
A partida se iniciou com um domínio maior do Chelsea, que marcava o adversário numa pressão alta, tinha mais posse de bola e chegava ao ataque com maior frequência. Uma das características que faziam a equipe visitante ter esse domínio era a amplitude que os laterais davam para o time, ampliando o campo lateralmente e abrindo oportunidades para infiltrações pelo meio, algo que ajudava a manter a posse.
 
Enquanto isso, o Tottenham tinha dificuldades de ter a bola e buscava se defender ao máximo, mas, mesmo assim, conseguia algumas oportunidades de contra-atacar. Perto da metade da etapa, os Spurs tinham 26% da posse de bola e conseguiam segurar o resultado e evitar oportunidades claras de gol.
 
Contudo, pouco tempo depois, Timo Werner recebeu um lançamento e carregou a bola até a grande área, onde perdeu o domínio dela, e disputou a posse com Eric Dier. O zagueiro do Tottenham, que estava no chão, acabou acertando o tornozelo do atacante do Chelsea, e o arbitro marcou penalidade máxima. Jorginho cobrou e Hugo Lloris quase alcançou, mas não evitou o gol. Aos 24 minutos, os Blues abriam o marcador.
 
Mesmo com a vantagem no placar, o Chelsea continuou jogando pra frente, dominando as ações e chegando constantemente na área do Tottenham, buscando passes em profundidade, penetrações e movimentações. Do outro lado, os Spurs conseguiram aumentar sua posse, de 26% para 31%, mas as chances ou possibilidades de empatar, não. A equipe de José Mourinho teve dificuldades de lidar com a pressão do rival e não soube mudar o panorama da partida.
 
SEGUNDO TEMPO
 
Para tentar recuperar o placar, o Tottenham se permitiu uma agressividade maior: marcando o adversário na grande área dele, pressionando mais o portador da bola para recuperar mais rápido e garantindo a posse da bola por maior tempo. Porém, o Chelsea não estava ali para ajudar o rival e começou a explorar os pontos fracos da nova postura: os contra-ataques. Os Blues conseguiam sair da pressão alta e ganhavam bastante espaço para atacar, além das recuperações da posse de bola, que criavam ataques rápidos, com Mason Mount e Christian Pulisic, principalmente.
 
Passando da metade da etapa, depois de ter sofrido vários ataques do time de azul, o Tottenham ia conseguindo manter a posse de bola mais próximo ao gol de Mendy, mas apenas quando a pressão era eficiente. Quando era para sair de um tiro de meta ou lateral, as dificuldades na criação eram nítidas, até porque muitas bolas longas eram lançadas. E o Chelsea ainda se mantinha forte na partida, o que dificultava qualquer progressão.
 
Perto do fim da segunda etapa, as entradas de Lucas Moura e Érik Lamela começaram a surtir mais efeito, pois os dois jogadores têm habilidade de drible e passe, os quais foram usados para quebrar as linhas defensivas e marcações e, também, para finalizações fora da área. O crescimento do Tottenham na partida virou uma pressão, com direito à várias finalizações, mas nenhuma que alterasse o placar.
 
Ao final do jogo, o Chelsea havia finalizado 18 vezes, ficou com 58% da posse de bola e cobrou sete escanteios. Já o Tottenham finalizou sete vezes, teve apenas uma grande chance e fez 54 lançamentos diretos. O confronto terminou com a vitória dos Blues por 1 a 0.
 
PRÓXIMOS CONFRONTOS
 
O time da casa retorna a campo no domingo (7), contra o West Bromwich, pela Premier League, em sua casa, às 9h (Horário de Brasília). Já o Chelsea viaja para Sheffield, para enfrentar o Sheffield United, também pelo Campeonato Inglês, no domingo, às 16h15 (Horário de Brasília).

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »