28/05/2019 às 12h32min - Atualizada em 28/05/2019 às 12h32min

Como você gostaria de ter vindo ao mundo?

Durante muito tempo essa pergunta não teria nenhum cabimento e também não teria nenhum sentido.

Gislayne Souza
Foto reprodução Instagram / @christian_fig

Até o século XVII independente da classe financeira e social dos seus familiares, os bebês nasciam em suas próprias casas e por um “ritual” que era exclusivo para as mulheres.

Com a chegada de um novo século, os partos domiciliares que eram auxiliados por parteiras e só contavam com presenças femininas na hora da chegada do bebê, trouxeram a necessidade de um médico para estar presente na hora do parto. Somente no fim do século XIX as gestantes que não tinham condições financeiras, lares estabelecidos, mães solteiras e prostitutas começaram a ser atraídas para o hospital, em grande parte por causa da cesariana para partos “complicados”. Aquelas mulheres da alta sociedade continuaram a ter seus filhos em casa.

O parto hospitalar se consolidou há apenas 50 anos. No Brasil, as mulheres passaram a ter duas alternativas: um parto vaginal cheio de intervenções desnecessárias ­ou a cirurgia de extração do feto. Como resposta às intervenções médicas durante o parto, surgem os movimentos pela humanização da assistência ao parto, que reivindicam a qualidade na assistência e o direito ao parto respeitoso. Impulsionam assim, as políticas públicas de promoção do parto normal e a implementação da assistência, baseada no protagonismo e autonomia da mulher.

Famosas como Thaeme Mariôto, (da dupla sertaneja Thaeme e Thiago) e a cantora e ex-participante do reality show "De férias com o ex", Priscilla Zoo, puseram em prática a idéia de um parto humanizado. As duas com um mesmo objetivo, mas em condições diferentes.

A cantora Thaeme entrou em trabalho de parto no dia 19 de abril de 2019. “A gente entrou em trabalho de parto em algumas horas e ficamos lá, tentando, tentando. No final das contas a gente não teve a evolução que a gente esperava e decidimos ir pra um parto cesariano, mas um parto cesariano extremamente humanizado, extremamente emocionante.”, contou em um vídeo no seu canal do youtube, Blog da Thaeme. Thaeme tinha o objetivo de trazer sua filha Liz ao mundo por meio de um parto natural, também humanizado, porém, com todo o aparato dos médicos em um hospital.

Zoo havia deixado claro desde o ínicio da sua gestação, através de vídeos no youtube, que o seu desejo era ter o pequeno Gael em casa, em um parto não só humanizado mas também domiciliar. Fora das paredes de um hospital, contando com todo o suporte de uma pediatra e de sua doula (“mulher que serve”, orienta e assiste a nova mãe no parto e nos cuidados com bebê. Seu papel é oferecer conforto, encorajamento, tranqüilidade, suporte emocional, físico e informativo durante o período de intensas transformações que está vivenciando.)

Após o parto do seu primeiro filho, a mais nova mamãe aparece no Instagram Stories do seu namorado, Christian Figueiredo e relata "Você que foi forte, ficou comigo o tempo todo, me fazendo massagem mesmo na hora do meu desespero". Em stories anteriores, Christian parabeniza a nova mamãe pela força e garra que teve durante as contrações.

 
 
Editado por Bruna Santos 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »