03/04/2022 às 15h19min - Atualizada em 03/04/2022 às 15h14min

Professores enfrentam diversos problemas com aulas remotas durante a pandemia

Durante a pandemia, várias instituições pararam, contudo a educação não pode parar. Assim, foi necessário que os professores se adaptassem. Entretanto, essa nova realidade não foi fácil para esses profissionais devido a diversos problemas, seja a adaptação das novas tecnologias e até mesmo a forma como se reinventar.

Vanessa Dall Alba - Editado por Larissa Bispo
https://gestrado.net.br/quase-90-dos-professores-nao-tinham-experiencia-com-aulas-remotas-antes-da-pandemia-42-seguem-sem-treinamento-aponta-pesquisa/

A Covid-19 trouxe diversos problemas, entre eles o isolamento, adotado para evitar o contágio e propagação da doença. Com isso, muitas pessoas tiveram que mudar a sua rotina de trabalho para home office, e até mesmo a educação teve que trocar as suas aulas presenciais por aulas remotas.

 

Assim, os professores que antes estavam acostumados com uma rotina, tiveram que se reinventar e se adaptar a uma nova forma de ensinar por meios de aulas online, sem o acompanhamento lado a lado do aluno.

 

Essa mudança não foi fácil para esses profissionais, pois além de terem que utilizar ferramentas que para muitos ainda eram desconhecidas, tiveram que se dividir entre a rotina escolar e também o convívio familiar durante o expediente escolar remoto.  

 

Alguns professores relatam que houveram muitas dificuldades ao utilizar de tecnologias para ministrar as aulas, mas a principal dificuldade foi o fato de muitas vezes serem cobrados, seja pela própria escola de trabalho, como também pelos alunos e pais que também estavam se adaptando a esse momento. Outro ponto desafiador foi o medo de ensinar por meio de aulas gravadas ou ao vivo por câmeras. 

 

Exaustão emocional e falta de valorização 
 

Bem antes da pandemia, os professores já sofrem com a falta de valorização referente ao seu trabalho. Contudo, com a paralisação das aulas presenciais e o novo formato remoto e online, essa desvalorização tornou-se ainda maior, sejam pelas políticas públicas, pelas escolas onde esses profissionais trabalham, como também por alguns pais de alunos, que criticaram a forma de ensino de cada professor. Assim como ocorria muitas cobranças em cima desses profissionais. 

 

Certamente a desvalorização, cobrança e também saber lidar com as aulas em casa junto com o convívio familiar trouxe uma exaustão emocional para cada professor. Onde fingir normalidade da situação vivida no país e como a rede de ensino exigia dos educadores como o cumprimento do calendário de atividades e conteúdo, a avaliação do aprendizado de cada aluno e diversos documentos para preencher referente às aulas. 

 

O horário de trabalho dos professores também foi prejudicado. O atendimento que, antes, era apenas durante o período em que estavam na escola, agora passa a ser quase 24 horas por dia. Seja para tirar dúvidas de alunos via Whatsapp, seja enviando relatórios para as escolas sobre a situação de cada aluno ou para planejar, criar e ministrar os conteúdos de cada aula. Isso significou uma maior jornada de trabalho e um desgaste físico e mental. 

 

É importante ter empatia por esses profissionais e valorizar o trabalho de cada um  
 

É necessário que ocorra uma valorização maior por parte da rede de educação, como também pelos pais dos alunos. Onde a empatia deve prevalecer e entender que cada professor também é um ser humano, que além de professor é um pai ou mãe, e que tem uma suas necessidades pessoais e familiares. Entender que esses profissionais também tiveram que se adaptar a essa nova realidade e que nem sempre é fácil.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »