11/09/2019 às 14h52min - Atualizada em 11/09/2019 às 14h52min

Dragula, reality show que mistura glamour e terror

Produção traz desafios inovadores inspirados no universo do terror

Amanda Canton
Em cada episódio as participantes realizam desafios inspirados em coisas que assustam. (Foto: Divulgação / The Boulet Brothers)
Dragula não é o primeiro reality show com drags queens, mas destoa completamente dos demais. Isso porque seu conteúdo não segue um padrão que costuma ser visto na grande mídia, o objetivo do programa é mostrar justamente o underground do universo drag e como essa arte pode ir muito além.

Criada e apresentada pela dupla The Boulet Brothers (Dracmorda e Swanthula), o reality traz um cenário completamente diferente para quem está acostumado com programas como RuPaul's Drag Race e Drag Me As a Queen. Dragula seria o equivalente ao anti-herói de todos os programas que abordam concursos de beleza, apresentado outro lado do drag com muito sangue, monstros e desafios extremos.

REALITY QUE CHOCA

F
ilmes de terror, shows de punk rock e maquiagem monstro são algumas das inspirações para os desafios do Reality. (Foto: Divulgação / Terceira temporada de Dragula)

Dragula é uma mistura de reality de moda, sobrevivência e algo completamente novo e chocante. O programa traz diversas drags para competir entre si e ganhar a coroa de drag monstro. Em cada episódio elas competem em um desafio inspirado em coisas macabras como: filmes de terror, desafios de sobrevivência, shows de punk rock e maquiagem monstro. As drags que tiverem o pior desempenho durante as atividades vão para a Exterminations (exterminações), onde fazem algo extremo para continuar na disputa como tatuagem ou luta na lama.

Para o fã David Matos seu primeiro contato com o programa foi um pouco chocante, mas a arte explorada faz com que você aprenda mais sobre o universo drag. “O reality representa ainda mais o lado artístico drag, conta com uma produção e caracterização diferente, explorando o lado medonho e bizarro das drags, mas de um jeito bom. Mostra a infinidade de formas que essa arte pode ser representada”.

O reality foi pioneiro em trazer um conceito novo para a televisão e visibilidade para os mais variados estilos de drag, em sua terceira temporada o programa foi o primeiro a abrir portas para o estilo drag king nos Estados Unidos com o participante Landon Cider que compõe o grupo de participantes da nova temporada.

Quebrando o padrão de beleza comumente visto nos demais programas, Dragula mostra que a arte drag vai além de passarelas e lipsync. “Eu acho que a visibilidade é importante, ser visível ensina as pessoas sobre isso. Muito pode ser dito sobre não limpar demais, porque então você está perdendo a cultura em si. Há muita rebelião, política, grosseria e punk. atitude e desempenho que surgem do drag que você não vê no Drag Race. Nesse sentido, quase tira a cultura queer porque é como 'ei, somos como você. Não somos tão diferentes, somos apenas garotas bonitas e meia-calça ', enquanto pensamos, não é disso que se trata. Pegue ou largue '", disseram The Boulet Brothers em entrevista para a Digital Spy.

A terceira temporada fez estreia pela primeira vez na plataforma Amazon Prime Video, as temporadas anteriores podem ser encontradas no YouTube.

Editado por Alinne Morais

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »