02/07/2020 às 10h35min - Atualizada em 02/07/2020 às 10h29min

Pesquisa revela que leitura de poemas ocasiona calafrios e arrepios

Para pesquisadores, os estímulos resultam na dominação cognitiva e da emoção humana.

Beatriz Cezar - Editado por Bruna Araújo

Em um estudo realizado em 2017 por pesquisadores alemães e noruegueses, intitulado “The emotional power of poetry: neural circuitry, psychophysiology, compositional principles” (O poder emocional da poesia: circuitos neurais, psicofisiologia e princípios da composição), publicado pela Academia de Oxford (Social Cognitive and Affective Neuroscience) escreve que a poesia escrita é o registro mais antigo da literatura humana, datado de 4.300 anos.

O estudo constata que a leitura de poemas com temáticas diversificadas (temáticas fortes) ocasiona calafrios e arrepios. Os calafrios, durante o estímulo, constam de 1,33 calafrios/minuto/pessoa (variando entre 0,27 e 3,64), resultando na dominação cognitiva e da emoção humana, fatores importantes na carreira do profissional da educação.

O coordenador e professor do Instituto Internacional Nova Acrópole do Brasil relata que a declamação de poesia tem similaridades com o canto, permitindo o melhor desenvolvimento, de acordo com ele, “do aparelho fonador” além do desenvolvimento da técnica e continuidade, que permite a melhora da respiração.
 
O coordenador ressalta que o treinamento da imaginação e da memória são elementos fundamentais para a prática de declamação. Ele informou também que “a declamação (ou leitura em voz alta da poesia) colabora com o processo de estruturação da mente e se a prática for conduzida para o âmbito da dramatização do texto, os benefícios também serão psicológicos, levando a experiências de sensibilidade, emoções e sentimentos por vezes desconhecidos” e complementou dizendo que a memorização para a declamação é importante para o aumento da capacidade de memória e benefícios para a saúde física e mental.

Em relação aos  profissionais da educação, o professor do Instituto afirma que a prática da declamação permite uma melhor compreensão do texto e de suas possibilidades de interpretação. “Permite ‘ouvir’ o que se declama, afirmando as ideias na memória, construindo imagens e ampliando o vocabulário”, disse, e complementou apontando que a capacidade de declamação cresce com o tempo. De acordo com ele, “como todo educador tem comunicação verbal e escrita como fundamento de seu trabalho, o resultado será o de um educador que realmente transmite aquilo que pensa ou ensina”.

O presidente do Centro Histórico, Geográfico e Genealógico de Campinas, Dr. Fernando Antônio Abrahão, disse que a declamação de poesia beneficia a  pedagogia aplicada pelos profissionais da educação por ser “uma ferramenta agradável e muito educativa”. Ele afirmou que “a criação de um poema está inserido no contexto social de onde o poeta produziu” e acrescenta ainda que o poema, ao longo do tempo, contém registros históricos e estéticos que permitem analisar um período, e, consequentemente, favorecer no processo de educação e ensino.

Roberto Ferrari, acadêmico da Academia Brasileira de Ciências, Artes, História e Literatura e poeta, mais conhecido por “poeta do amor”, destaca que para a carreira de um profissional da educação, a declamação de poesia é importante. De acordo com ele, “os benefícios são uma melhor comunicação com os alunos, alívio de estresse, melhoria da expressão corporal e da oratória”.

Professor formado em Física pela Unicamp, ele diz que a poesia é importante em sua carreira, pois o  ajuda a se soltar durante as aulas e pela reflexão acerca do mundo. De acordo com o pesquisador, ele acredita que a poesia seja um tipo de filosofia, porém, mais leve e condensada, “as palavras saem com força e vontade, e, dependendo da pessoa que as lê, saem com mais profundidade e sentimento verdadeiro”, conclui Ferrari.

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »