06/11/2020 às 21h58min - Atualizada em 06/11/2020 às 21h34min

Empresas e setores que se destacaram durante a pandemia

A quarentena prejudicou muitas empresas de diversos setores, mas também tivemos aquelas que se destacaram durante a crise

Leonardo Leão - Editado por Caroline Gonçalves
Crédito: Ateneo Mercantil de Valencia

A pandemia do coronavírus prejudicou diversas empresas de diferentes setores. Mas também houve casos de empresas que souberam lidar e até chegaram a lucrar durante esse período. O comércio eletrônico, as plataformas de streaming e o delivery de comidas são alguns exemplos de setores que se destacaram na quarentena.

As pessoas tiveram que encontrar outras maneiras para se socializar e trabalhar durante a quarentena. Com isso, as plataformas de videoconferência foram beneficiadas, mas existe um caso específico que se destacou dos demais. A ZOOM foi uma das startups que mais cresceram durante a pandemia, seu número de usuários ativos passou de 10 milhões em 2019 para 200 milhões em março deste ano. No segundo trimestre, chegou a lucrar US$ 185,7 milhões. Ela ultrapassou US$ 100 bilhões em valor de mercado no mês de setembro e está entre as 100 empresas mais valiosas dos EUA.

Mesmo com todas as produções de filmes e series interrompidas, o segmento de streamings de vídeos vem apresentando um rendimento positivo durante a pandemia. Segundo dados da Statista este setor pode chegar a 882 milhões de usuários no mundo em 2020. Essa área é dominada pela Netflix, porém Amazon Prime e Disney+ já se destacam como principais concorrentes para ocupar este posto.

 A Statista também apontou que o público do setor no Brasil pode alcançar 41,4 milhões até o fim do ano. Em junho as plataformas de streamings alcançaram a segunda maior audiência no país, com 15% de market share e uma média de sete pontos no Ibope, superados apenas pelos números da Globo.

 
Outro setor que também soube lidar com esse tempo de crise foi o das redes sociais. Segundo uma pesquisa realizada pela Kantar, o uso de redes sociais aumentou 40% durante a quarentena. Em uma outra pesquisa feita pelo YouTube com brasileiros, 40% dos entrevistados disseram que estão assistindo a mais de três horas de vídeo na plataforma. As redes sociais também contribuíram a gestão dos pequenos negócios, como no caso do recurso Loja criado no Facebook e do Instagram, que facilita a comunicação entre o vendedor e o cliente.

Uma ferramenta das redes sociais que ficou muito famosa na quarentena foram os vídeos curtos. O Tik Tok chegou a ser o aplicativo mais baixado na Play Store e Apple Store ao longo do primeiro trimestre, com 315 milhões de downloads. Atualmente o aplicativo chinês possui mais de 800 milhões de usuários e está presente em 150 países. O Tik Tok é muito popular entre os mais jovens, mas segundo a Kantar Ibope, o aplicativo teve um aumento de 24% nos acessos de adultos entre 35 e 55 anos. Sua popularidade já incomoda seus grandes adversários, que já lançaram suas próprias ferramentas de vídeos curtos como é o caso do Reels do Instagram.

Temos também o caso dos aplicativos de delivery, que foram muito requisitados na quarentena. Com as pessoas sem poder sair de suas casas, as entregas por delivery obtiveram um aumento considerável. Só entre os meses de abril a junho, o setor cresceu 94%, segundo dados da Mobills. De acordo com uma pesquisa feita pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o faturamento das entregas de delivery nas franquias de alimentação passou de 18% para 36% durante a pandemia. O iFood possui um desempenho destacável na pesquisa, com 62% das vendas feitas pelo aplicativo.


 Além do delivery, o comercio eletrônico também teve um aumento no período da pandemia. Em um levantamento feito pela SEMrush, Submarino e a Lojas Americanas tiveram um aumento de trafego de 16,2% e 20,8%, respectivamente, no primeiro trimestre deste ano. O gigante desse setor no planeta é a Amazon que possui diversos produtos e serviços em seu portfolio, ela chegou a obter o maior lucro trimestral da história, US$ 5,2 bilhões no mês de julho. Além disso, o seu fundador, Jeff Bezos, é o atual homem mais rico do mundo.

No Brasil, o comercio digital ganhou 5,7 milhões de novos clientes no primeiro semestre de 2020. As vendas onlines alcançaram um crescimento de 137% no mês de maio. Uma das empresas que mais se destacaram neste setor foi a Magazine Luiza, com uma valorização de 69,9% desde o inicio do ano. Ela não esconde o seu desejo de se tornar um dos maiores polos de comercio do mundo. Outro destaque fica para o Mercado Livre, que no mês de agosto se tornou a empresa mais valiosa do país, ultrapassando a Vale.

Todos esses dados mostram a importância da internet para o mercado. É praticamente certo que mesmo depois que a pandemia acabar, o mercado não voltará a ser o mesmo de antes. Muitas empresas estão com dificuldades para se adaptar a essa nova realidade, aquelas que conseguirem terá uma enorme vantagem.


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »