11/02/2021 às 15h11min - Atualizada em 11/02/2021 às 14h54min

O impacto do cancelamento do carnaval na economia brasileira

Quais consequências o cancelamento do evento pode trazer ao desenvolvimento econômico do Brasil

Leticia Araújo Linhares - Editado por Camilla Soares
Fonte: Fernando Maia - Riotur/Reprodução

A época carnavalesca já está chegando, mas, diferentemente do ano passado, não teremos folia. Isso pois o coronavírus ainda circula pelo país e não há quantidade suficiente de pessoas vacinadas para que se possa aglomerar novamente. 

 

No dia 24 de julho do ano passado, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB) confirmou o adiamento dos desfiles e blocos de rua do evento que ocorreria agora, no mês de fevereiro. Outras cidades e estados adotaram a mesma medida.

 

Na mesma época, no ano passado, o Brasil ainda não havia registrado nenhum caso de coronavírus, reunindo, em três semanas, cerca de 15 milhões de pessoas só em bloquinhos de rua que desfilaram por São Paulo. O primeiro caso só foi registrado após a quarta feira de cinzas e a primeira morte ocorreu menos de um mês depois.

 

Apesar do que muitos pensam, o carnaval não é uma época apenas de festas, turismo e diversão para os brasileiros. Alguns tiram esse tempo para descansar, mas grande parte da movimentação anual da economia do país se dá nessa época. Só na cidade de São Paulo, o carnaval de 2020 foi o responsável por girar R$ 2,97 bilhões.

Fonte: Vagner Medeiros/SMPR

Fonte: Vagner Medeiros/SMPR

 

Relação entre o carnaval e a economia

 

A movimentação econômica do carnaval já se inicia muito antes dos desfiles e dos bloquinhos de rua. Para que os grandes carros alegóricos e figurinos dos personagens deem certo no sambódromo, diversos profissionais são contratados pelas escolas de samba para diversos serviços, entre eles costureiras, seguranças, ferreiros e etc. Mas antes disso, parte da receita vem com os programas de sócio torcedor e financiamento coletivo. Além disso, os ensaios abertos ao público também movimentam dinheiro com alimentação e transporte.

 

Durante a folia, o setor mais impactado é o turismo. Dos 15 milhões de participantes do carnaval de rua de SP em 2020, 26,4% eram turistas e, segundo publicado pela Secretaria Especial de Comunicação da cidade, o gasto médio foi de R$ 648,19, incluindo alimentação, transporte, compras, lazer, hospedagem e etc.

 

O Doutor em Economia e Professor da Faculdade PECEGE, Haroldo José Torres da Silva, comentou que a movimentação causada pelos turistas também impacta indiretamente em outros setores. “Há um impacto na rede hoteleira, no setor de alimentação e bebidas, transporte, passeios, compras, e acaba tendo também indiretamente, ou seja, nas indústrias que fornecem insumos, treinamento para o setor hoteleiro, hospitais e logística”

 

As festas privadas e os camarotes no sambódromo com convidados especiais também possuem uma parte de responsabilidade pelo giro econômico do país durante a folia. Os funcionários contratados para trabalhar nas festas e os ingressos individuais são as principais formas de renda. Os camarotes, inclusive, possuem uma particularidade positiva. O público que o frequenta é interessado na festa em sí, mas que, pela localidade do camarote, pode se interessar pelo próprio carnaval  e movimentar ainda mais e economia.
 

Fonte: CKC/Reprodução

Fonte: CKC/Reprodução


Mas, e na pandemia?

 

Pelo cancelamento do evento, durante a pandemia, essa grande movimentação não irá acontecer, o que certamente atingirá a economia brasileira de forma negativa. Haroldo relembrou que o impacto econômico que a preparação do carnaval trazia já foi perdido por conta da pandemia. “Isso vai se refletir em um menor crescimento e desenvolvimento nas regiões onde essas atividades são mais fortes. Alguns estudos mostram que o impacto na economia brasileira é de mais de R$8 bilhões só na semana do carnaval. Estamos falando de um consumo represado e da geração de emprego e renda que não aconteceria” comentou o economista.

 

Para a diminuição desse impacto, a empresa de bebidas Ambev criou um auxílio de até R$255 para ambulantes que costumavam trabalhar durante as festas de carnaval mas que ficaram sem a renda extra. Os interessados precisam se inscrever no site www.ajudeumambulante.com.br, onde também encontrará mais detalhes.

 

Existe também o Projeto de Lei 5129/20 em tramitação que prevê a realização das festas entre 12 e 13 de julho, época em que é esperada uma maior quantidade de pessoas vacinadas, o que diminuiria drasticamente o risco de contaminação em aglomerações. O autor da PL é o Deputado Dr. Luiz Antônio Teixeira Jr. (PP-RJ) em acordo com organizadores do carnaval de São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador.

 

No programa “Palavra aberta” da TV Câmara, Teixeira Jr afirmou que o carnaval é importante como gerador de emprego e renda. “Nosso objetivo com o projeto de lei é levar à câmara dos deputados essa discussão, que o presidente da república possa decretar um feriado e que a gente tenha um carnaval fora de época para ajudar o nosso país, que é um polo turístico e cultural, a ter momentos felizes que geram emprego e renda” como declarou o deputado.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »