26/02/2021 às 10h52min - Atualizada em 26/02/2021 às 10h12min

Quem seremos quando tudo passar?

Autorreflexão e conversas é a proposta do site imersivo "Quem seremos?"

Karina Almeida - Editado por Andrieli Torres
Foto/Reprodução: Plataforma Quem seremos/Folha/UOL

Não teve festa junina lotada, não teve reunião de natal, não teve ano novo com festas. Além das comemorações, os impactos econômicos, sociais e humanos foram enormes e em escala mundial. Rotinas foram alteradas e os planos, metas e sonhos foram completamente remanejados. Incontáveis vidas foram atingidas e até mesmo perdidas, números que não param de crescer a cada dia. Estas são algumas das variadas consequências de um vírus que já circula pelo mundo há cerca de um ano.

Tudo começou no final de 2019 e piorou em 2020, o ano que não aconteceu de verdade. A primeira morte por Covid-19 foi registrada na China, em janeiro. Logo depois, a doença se alastrou pelo mundo e consigo levou o medo, a angústia e diferentes incertezas. No Brasil, o primeiro caso foi confirmado em fevereiro. Em seguida, em 11 de março de 2020, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o mundo estava sendo atingido por uma pandemia. Rapidamente, muita coisa começou a mudar. Países fecharam fronteiras, economias foram impactadas e os números passaram a ser assustadores.  

Começou então uma corrida para salvar vidas e fazer o impossível para conter o vírus que se tornou assunto protagonista nos noticiários e no cotidiano das pessoas. Profissionais da saúde tornaram-se heróis indispensáveis e grandes esperanças estavam nas mãos dos cientistas e estudiosos. Máscaras de proteção, álcool em gel, água e sabão, respiradores... Até perdemos a conta de quantas vezes escutamos estas e outras recomendações dos especialistas, estudiosos e governos. Lockdown, isolamento social e quarentena entraram para essa lista também

Desde então, muita coisa mudou com relação ao avanço da doença e aos estudos, mas infelizmente, os números só aumentaram. Aos poucos, as sociedades aprenderam a lidar com o ‘novo normal’, com as máscaras e todas as restrições. Com o decorrer dos fatos, os sentimentos diferentes, reflexões e emoções em cada pessoa estavam em constante fluxo e mudança.

Você se lembra o que passou pela sua cabeça quando foi registrada a primeira morte por COVID-19? E quando o vírus chegou na Itália? Qual foi a sua reação quando foi confirmado o primeiro caso em terras brasileiras? Medo, angústia e uma série de dúvidas podem ter passado pela sua cabeça a cada notícia nova.  

E agora, quase um ano depois da primeira notificação no Brasil, o que e quem seremos? Talvez viveremos em um mundo mais unido e solidário. Ou pode ser que continue tudo igual e as pessoas estejam mais reclusas em si mesmas do que nunca. 

São questões como estas que o site Quem Seremos? levanta em uma série de perguntas que visam a autorreflexão. A plataforma interativa foi idealizada por Camila Holpert, da empresa Studio Ideias, Julio de Santi da Pepita e por Luciana Branco, da [ EM BRANCO ]. Foi lançada com o apoio e parceria da Folha de S. Paulo em 2021. Tem como objetivo gerar a autorreflexão sobre um período tão conturbado e “quer inspirar a refundação da vida pandêmica”.

O projeto é fruto de um trabalho realizado por membros voluntários durante dez meses. Para a realização foram feitas entrevistas qualitativas com 40 brasileiros durante dez semanas, entre abril e julho de 2020. Além disso, 1.234 pessoas participaram de uma pesquisa quantitativa em dezembro de 2020. São indivíduos de todos os estados do país, com mais de 16 anos e de diversas classes sociais, etnias e orientações sexuais. Os dados em destaque obtidos com a pesquisa podem ser acessados no site e há a possibilidade de receber a pesquisa completa por e-mail. 

Foram realizadas diferentes perguntas sobre o período da pandemia. Muitas estão relacionadas às reflexões, aos desafios, às mudanças pessoais e sociais, ao tempo e outros assuntos. Segundo a pesquisa, 83% dos entrevistados acreditam que o mundo mudará depois da pandemia. 74% dos entrevistados se sentem agentes da transformação que desejam ver no mundo. Fatos interessantes que demonstram as diferentes reflexões acerca das mudanças pós-pandemia. 

O jogo desenvolvido reúne as principais questões sobre as reflexões, lições e esperanças pessoais. O questionário é formado por treze perguntas simples. É iniciado com questionamentos sobre pensamentos desencadeados pelo início da pandemia. Seguidas pelas reflexões e dúvidas acerca da realidade imposta pelo distanciamento e uma série de fatos. E assim, chegam as questões sobre reflexões, conclusões, aprendizados e percepções sobre o futuro abordando metas, mudanças e esperanças. 

Todas possuem alternativas diferentes e abrangentes. Ao final, é possível obter um ‘manifesto pessoal’ em slides que reúne as perguntas e respostas do usuário. Os questionamentos, pensamentos e sentimentos selecionados podem ser vistos, analisados e até mesmo compartilhados. Além disso, a plataforma conta com uma curadoria de sugestões de projetos relacionados ao autoconhecimento, voluntariado e doações. 

Formas de colocar um ponto final neste pesadelo mundial estão em análise e as tão esperadas vacinas já estão em circulação. Cuidados e precauções são mais necessárias do que nunca, assim como a conscientização. Hoje, o mundo já conta com mais de dois milhões e quatrocentos mil mortos e o Brasil já atingiu a marca de 250 mil óbitos. Não são apenas números, são vidas perdidas que refletem uma das consequências e a gravidade da pandemia que, certamente, deixará rastros. 

Quem Seremos? é uma iniciativa voluntária que desenvolveu uma forma interessante de refletir durante o período da pandemia. Sobre como passamos por todos esse período, como pretendemos ser e qual rumo o mundo pode tomar. Não temos como afirmar quais mudanças ocorrerão nas sociedades e nas pessoas, nem como será esse futuro. Mas, por enquanto, podemos pensar em quais transformações individuais e coletivas queremos fazer e ver depois desse período. 

Para saber mais sobre a pesquisa e obter seu ‘manifesto pessoal’, acesse quemseremos.com.br.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »