03/05/2021 às 20h40min - Atualizada em 03/05/2021 às 20h31min

Instituições não governamentais ajudam órfãos da covid-19

Crianças e adolescentes que perderam os pais para o coronavírus.

Núbia Xarife - Editado por Maria Paula Ramos
Agência Câmara de Notícias

 

Enfrentada a mais de um ano, a pandemia do novo coronavírus tirou a vida de quase 410 mil pessoas em todo o país. Além do afastamento social e a mudança na rotina dos brasileiros, ela é responsável pelo aumento do número de crianças e adolescentes órfãos. Jovens que perderam pais, tutores e responsáveis vítimas da doença.

Número que ultrapassa 45 mil se tornou pauta em audiência pública promovida na Câmara dos Deputados na primeira quinzena de abril. Parlamentares pedem a criação de um plano de acolhimento para crianças nessa situação. O coordenador da Comissão Externa de Enfrentamento à Covid-19, Dr. Luiz Antonio Teixeira Jr (dr Luizinho), expôs o valor da ação.

“Muito importante que o governo federal tenha uma política pública destinada para esses jovens que já estão sobremaneira afetados pela Covid-19 ao ter perdido a pessoa que é o esteio de sua família. É fundamental que a gente encontre um processo de poder acolher essas crianças e esses jovens”, apontou o deputado (PP-RJ).

Vítimas dos transtornos causados pela crise sanitária e a consequente destruição do seio familiar, as crianças e adolescentes precisam da ajuda de um parente, amigo da família ou organização social. Muitos são enviados a abrigos onde se juntam a mais de 30 mil jovens também em situação de vulnerabilidade social, segundo dados do Sistema Nacional de Adoção e Acolhimento do Conselho Nacional de Justiça.

Na ausência de um programa produzido pelo poder público, os projetos sociais entram em cena. É o exemplo do projeto S.O.S. Criança  - Serviços de Obras Sociais de Presidente Prudente na região de São Paulo que trabalha oferecendo ajuda com ações socioeducativas a jovens necessitados.

Durante a pandemia, a instituição tem arrecadado alimentos e produtos de limpeza e higiene pessoal que são distribuídos às famílias atendidas pela instituição. As doações podem ser feitas através do site da instituição ou presencialmente com agendamento prévio.

No Rio de Janeiro, o Instituto Rede Abrigo desenvolve ações que visam a melhoria do acolhimento institucional de crianças e adolescentes. A organização sem fins lucrativos trabalha dando suporte a abrigos em todo o Estado durante o período vigente. As doações acontecem por transferência bancária ou através do site  benfeitoria.

Somente na região sudeste do país existem mais de 100 iniciativas que auxiliam famílias no combate à pandemia.

 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »