21/05/2021 às 12h01min - Atualizada em 21/05/2021 às 11h43min

O brilhantismo da primeira mulher a ganhar o Nobel

A vida inspiradora de Marie Curie

Lívia Oliveira - Editado por Andrieli Torres
Superinteressante
Foto: Reprodução/Google

Num laboratório, em busca das descobertas e das verdades, ela sentia-se como criança em seu próprio conto de fadas. Interessava-se por ideias, não por pessoas. E com uma determinação inspiradora, rompeu os padrões socialmente impostos sobre as mulheres. “Temos de sentir que somos dotados para realizar uma determinada coisa e que temos de a alcançá-la, custe o que custar!”, disse Marie Curie certa vez

 

Pelos seus pais não tivera sido criada para ser uma boa esposa e uma dona de casa excepcional. Nascia Maria Salomea Skłodowska, em Varsóvia, na Polônia, em 7 de novembro de 1867, país que era dominado pela Rússia czarista e não permitia o acesso das mulheres à educação. Sendo filha de professores, a base da sua casa era a ciência, e desde muito nova ela interessou-se em fazer universidade e seguir a área científica. Por sorte, seu pai queria que as filhas tivessem o mesmo tratamento e oportunidades que o único filho da família, o que certamente não incluía se casar para ser dona de casa exemplar. Não, ele queria vê-la voar e alcançar seus sonhos.

 

Conquanto, o pai, que ensinava física e matemática, foi demitido pelos chefes russos por ser a favor da Polônia, o que forçou-o a aceitar trabalhos com remuneração mais baixa. Maria era a mais nova de cinco filhos, porém perdeu a irmã mais velha quando tinha sete anos de idade. Para piorar, sua mãe de tuberculose faleceu três anos após sua irmã. Viu-se depressiva, ainda que fosse uma aluna exemplar, e aos poucos sua fé religiosa desbotou-se, tornando dela uma agnóstica (não acreditava, mas também não negava a existência de Deus. Ainda assim, não desistiu do seu sonho na ciência.

 

Não obstante, ser cientista mulher numa época e lugar dominado por homens mostrou-se mais difícil do que imaginado, sobretudo para ingressar em instituições de ensinos, pois em sua maioria só aceitavam garotos. Por vezes Marie (havia alterado o nome ao mudar-se, com ajuda financeira do seu pai, para França, utilizando-se da variação francesa do seu nome de nascimento) tinha de fazer grupos de estudo clandestinos para compartilhar o conhecimento científico com colegas.

 

Ao se mudar para Paris no final de 1891, conseguiu cursar física e matemática na Universidade de Paris. E foi nessa época que, em busca de um tema e orientador para seu doutorado, conheceu o instrutor da  Escola de Física e Química Industrial da Cidade de Paris, Pierre Curie. Eles se apaixonaram intensamente, casaram em 1895 e tiveram duas filhas: Éve e Irène.

 

Seu brilhantismo ganhou força e proporção durante a escrita da sua tese de doutorado, cujo tema foi raios urânicos (que havia sido descoberto pelo cientista francês Henri Becquerel), onde pôde provar que o óxido de urânio é um mineral capaz de eliminar a radiação armazenada nos átomos. A partir dessa pesquisa ela descobriu a radioatividade (termo criado por ela) e juntamente com Pierre iniciou investigações e pesquisas sobre radioatividade, em que descobriram que a radiação era emitida pelos próprios átomos individualmente, e não por alguma interação molecular. Essa pesquisa lhe permitiu ganhar o Nobel em Física, em 1903, tornando ela a primeira mulher a obtê-lo.

 

Em 1898, o casal traz ao conhecimento público a descoberta de dois novos elementos químicos: o polônio e o rádio. Ambos elementos levaram a Academia Real de Ciências da Suécia a escolhê-la como ganhadora do Nobel em Química, em 1911, seu segundo Nobel. Sendo ela a primeira pessoa a ganhar o Nobel duas vezes, queria que o fato de ser mulher fosse irrelevante para as pessoas. No entanto, infelizmente não era. O preconceito ainda era muito visível e não existia fama nem genialidade que pudesse desmistificá-lo em relação a Marie. Ela até mesmo deixou de fazer parte da Academia Francesa de Ciências por apenas dois votos, só por ser mulher. Mas não, Marie não via esse tipo de acontecimento com naturalidade, apenas queria ser tratada com a mesma igualdade aplicada aos homens. 

 

O perigo dos seus estudos trouxe uma consequência: a exacerbada interação com elementos radioativos traria complicações graves à sua saúde. E, sendo assim, sua própria ciência levou-a a sepultura por leucemia ou anemia aplástica em julho de 1934. Ela deixou um enorme legado para a humanidade, seja por suas descobertas científicas, seja pela influência feminina que virou.

 

A própria BBC History Magazine denominou-a, em 2020, como a mulher mais influente da história. O título não é à toa, uma vez que Curie não se abalava nem desistia por obstáculo algum. “Precisamos ter perseverança e confiança em nós mesmos. Precisamos acreditar que temos talento para alguma coisa e que essa coisa pode ser atingida”, disse. Além de ter uma carreira inspiradora, ela em si é a inspiração em pessoa. Uma mulher que mesmo sem dinheiro nem respeito pelo mundo, prosperou por manter-se determinada a realizar suas vontades e sonhos.

 

Aos que se interessam pela história de Marie Curie, é possível conhecê-la melhor em “Radioatividade”, um filme da Netflix que expõe sua vida inspiradora e destaca sua determinação pessoal. Manifestações artísticas acerca da sua vida viabilizam e popularizam seu reconhecimento pelas pessoas, coisa que “Radioatividade” pôde conceber. Recentemente, também, foi lançado um livro biográfico ilustrado chamado “Marie Curie no país da ciência”, lançado pela SM Educação. Há também o filme de 2016 chamado “Marie Curie”, um romance dramático da sua vida. 

 

É certo que a perseverança e genialidade de Curie não só é sinônimo de empoderamento feminino, mas também de inspiração aos que almejam um futuro o qual julgam como “impossível”. É preciso sempre lembrar de suas palavras: “Você não pode esperar construir um mundo melhor sem melhorar os indivíduos. Para esse fim, cada um de nós deve trabalhar para o seu próprio aperfeiçoamento e, ao mesmo tempo, compartilhar uma responsabilidade geral por toda a humanidade”

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »