18/04/2022 às 15h50min - Atualizada em 18/04/2022 às 00h30min

As dificuldades de se compreender como e por qual motivo um filme se torna um clássico do cinema

Como ocorre o processo de decisão sobre filmes clássicos? Grande parte do público tem o rótulo de que clássicos são apenas longas produzidos em preto e branco, ou que são muito difíceis de entender

Ana Faely Nobre - editado por David Cardoso
Clássicos que dominam na lista dos melhores filmes americanos (Fonte: Site Raquel Baracat/Reprodução)

Quando se pensa em filmes clássicos vem em mente longas em preto e branco, os quais quase nunca se entende a verdadeira proposta da narrativa ou até a própria história, onde muitas informações ficam “turvas” aos olhos do telespectador. Embora, na verdade, os aspectos que definam um filme clássico sejam diversos, visto que são várias as épocas, os gêneros, as produções, as premiações e entre outros, para chegar em consenso do que exatamente é um clássico. Porém, existem características que sempre são levadas em consideração para avaliar o impacto e a relevância de um filme.

Pode-se medir o sucesso de um filme de diferentes maneiras: em retorno financeiro e de vendas, número de público, audiência em exibições na televisão, participação e prêmios em festivais de cinema, venda de DVDs e outros produtos, avaliação da crítica e algum tipo de marca que o filme deixa em termos culturais (um personagem, uma fala, uma cena…) e etc.

O cinema americano produziu os seus maiores clássicos no final dos anos vinte e foi até os anos sessenta, esse período foi denominado Era de Ouro de Hollywood ou Era Dourada, na qual o cinema mudo saía de moda. Um clássico dessa época foi o filme Cantando na Chuva (Singin’ In The Rain, 1952), pois expõe elementos importantes, como a passagem do cinema mudo para o falado, a valorização da figura da celebridade e o gênero musical como a marca de uma época.


<img alt="Cena do filme &quot;Cantando na Chuva&quot;." center="nao" class="img-responsive" longdesc="(Fonte: Setcenas/Reprodução) " singin'in="" in="" the="" rain"="" (1952)"="" data-cke-saved-src="https://labdicasjornalismo.com/images/ck/images/WhatsApp%20Image%202022-04-18%20at%201_02_47%20AM.jpeg" src="https://labdicasjornalismo.com/images/ck/images/WhatsApp%20Image%202022-04-18%20at%201_02_47%20AM.jpeg" style="height: 650px; width: 650px;" zoom="sim">

Entretanto, o cinema evoluiu. A Era de Ouro Hollywoodiana se desfez e a sétima arte moderna chegou. Contudo, isso não é um fator determinante para ter extinguido a produção de clássicos. Como já foi citado anteriormente, são várias as categorias que tornam um filme clássico, e pertencer a Era de Ouro com certeza não é necessariamente uma delas!

Historiograficamente, o cinema clássico abrange um período que vai do nascimento do cinema, em 1895, até o início do movimento neorrealista italiano, na década de 1940. Ainda assim, para alguns críticos de cinema os filmes dessa época são os “verdadeiros clássicos” porque as obras fazem parte do cânone da sétima arte, por mais que sejam produzidas e reproduzidas para um determinado e específico público.



 

Sob uma perspectiva moderna do cinema que vê os clássicos englobados em diversas categorias, é interessante ressaltar que não se pode abranger todos os filmes do mundo e medir o sucesso deles do mesmo jeito. Existem muitas coisas a se considerar: para algumas produções o retorno financeiro é mais importante que o prestígio de ter uma exibição em um grande festival de cinema, por exemplo.

Meninas Malvadas é um exemplo do clássico popular. O filme foi lançado em 2004 e foi a 28ª melhor bilheteria daquele ano. Considerando isso o filme foi um sucesso, mas, além dos números, o filme se tornou um clássico. Isso porque todo dia 3 de outubro as redes sociais ficam lotadas com prints da cena em que a Cady (Lindsay Lohan) perguntou pro Aaron que dia era: era 3 de outubro. Ou ainda a hashtag #onwednesdayswewearpink (#naquartafeiranosusamosrosa), em referência a uma das cenas do filme, até hoje usa-se rosa nas quartas-feiras.



 

Um clássico precisa deixar uma marca cultural. Nem sempre o filme fica famoso por ser bom, às vezes, algumas produções ganham destaque por serem tão ruins que despertam a curiosidade nas pessoas, ganhando assim destaque. Alguns filmes ganham status “cult” quando são desconhecidos e misteriosos, outros se tornam clássicos por caírem nas graças do público. Viu? São várias as categorias que tornam um longa clássico. Você provavelmente adora um clássico e nem sabia.

Quer descobrir como assistir aos clássicos do cinema (estilo Era de Ouro)? Então acesse ao manual: Manual: como começar a ver os clássicos do cinema?


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »