07/08/2019 às 20h32min - Atualizada em 07/08/2019 às 20h32min

Em entrevista, Sérgio Sette Câmara comenta sobre etapa da F2 em Budapeste

O piloto brasileiro deu detalhes da corrida ao Lab Dicas de Jornalismo

Lucas Neves - Editado por Amanda Cruz
Sérgio Sette Câmara. Foto: Divulgação/Quick Comunicação e Marketing
O fim de semana foi movimentado no automobilismo, inclusive com supresas. Na Fórmula 1, Max Verstappen realizou um feito histórico: conseguiu a primeira pole position da carreira. Na corrida, Verstappen conseguiu defender a posição e brigou com Lewis Hamilton, mas terminou na segunda posição. Já na Fórmula 2, o brasileiro Sérgio Sette Câmara ficou em 3º lugar na corrida 2 e falou com ao Lab Dicas de Jornalismo sobre o feito. Mick Schumacher, filho do heptacampeão mundial de F1, conseguiu a primeira vitória na categoria. A Fórmula 1 e a Fórmula 2 retornarão no dia 1º de setembro, no circuito belga de Spa - Francorchamps.

Fórmula 1

O final de semana na Hungria foi mais uma vez recheado de emoções para os torcedores laranjas. Max Verstappen, piloto da Red Bull Racing,
cravou 1m14s572 no Q3 e foi apenas 18 décimos mais rápido que Valtteri Bottas, da Mercedes. O holandês de 21 anos se mostrou forte e segurou ao máximo a primeira posição, lutando com o pentacampeão Lewis Hamilton.

A Equipe Mercedes optou por chamar o britânico para os boxes pela segunda vez, enquanto Verstappen, até então, havia feito uma parada. A flecha de prata #44 alcançou novamente o holandês, que foi ultrapassado na volta número 66. Após a ultrapassagem, a Red Bull chamou Max para os boxes e realizou mais uma parada e se manteve na segunda colocação. Sebastian Vettel ultrapassou o seu companheiro de equipe Charles Leclerc e conquistou a terceira colocação.

Fórmula 2

Na F2, os torcedores brasileiros puderam presenciar a recuperação do piloto Sérgio Sette Câmara. Após a mudança de estratégia na qualificação por conta da pista molhada, o mineiro acabou ficando na 13º posição no grid de largada para a corrida 1. Após boas ultrapassages, o piloto da DAMS conquistou a 5º colocação. Na corrida 2, Sette largou em 4º e conquistou o pódio, recebendo a bandeira quadriculada na terceira posição após 28 voltas. Sette Câmara comentou sobre o final de semana em Hungaroring. Confira a entrevista na íntegra:

 
Lab Dicas: Sérgio, você fez uma corrida de recuperação que te levou da 13ª posição ao pódio no final de semana em Hungaroring. A chuva fez com que a equipe mudasse a estratégia no treino classificatório. Entretanto, você apresentou ótimos resultados mesmo não largando entre os 10. Na corrida 1, você pulou para 5º colocação e na corrida 2, ficou entre os três primeiros. Como foi fazer essas duas corridas?

SÉRGIO: O fim de semana na Hungria foi bastante atípico. O time fez uma aposta diferente nos dois carros em que, cada um deles, estaria muito bem colocado caso a chuva permanecesse ou então acabasse. Infelizmente, o meu carro tinha um setup pronto para a pista secar e isso não aconteceu. Por outro lado, durante o ano inteiro, nosso carro teve um ritmo de corrida excelente e, em Budapeste, não foi diferente. Dei o meu máximo nas duas corridas, acertamos a estratégia de pit-stop e, com isso, consegui somar mais 20 pontos para o campeonato.


Sérgio Sette Sette Câmara #5. Foto: Divulgação/Quick Comunicação e Marketing

L.D: Você anda fazendo corridas marcantes e as especulações acerca da sua presença na F1 no ano que vem só aumentam. Quais são as suas expectativas para o restante da temporada na F2?

SÉRGIO: Estou trabalhando muito na análise de dados com a equipe, na parte física, psicológica e também nos simuladores para estar 100% preparados para as últimas quatro etapas do ano. Não gosto da palavra expectativa, mas, meu foco é fazer o máximo nas próximas corridas e, com isso, naturalmente, poderei chegar a uma melhor posição no campeonato.

L.D: Você está na 3ª colocação do campeonato com 141 pontos, atrás de Nicholas Latifi (166) e Nyck De Vries (196). Na sua avaliação, o que você e a DAMS mais precisam trabalhar para que você possa conquistar o título na F2?

SÉRGIO: Não existe uma coisa mais importante que outra. Já nos mostramos competitivos no decorrer do ano. Conquistar um título significa que 100% dos fatores deram certo e o resultado é apenas a consequência disso. Estamos prontos para seguir com resultados expressivos e, com isso, as coisas vão acontecendo. Eu sempre disse que meu objetivo é construir o resultado final prova a prova e, deste modo, a minha maior preocupação, neste momento, é o nosso desempenho em Spa – próxima prova do calendário.

L.D: Depois de 48 anos consecutivos, a F1, em 2018, não teve brasileiros no grid. No ano de 2019 não foi diferente. Entretanto, nomes como Pietro Fittipaldi, que atualmente é o piloto de testes da Equipe HAAS, e o seu, marcam essa "resistência" brasileira na Fórmula 1.  Como você enxerga todo este cenário e esta expectativa dos fãs do automobilismo pelo retorno de um grid mais verde e amarelo no futuro?

SÉRGIO: Enquanto torcedor e apaixonado pela F1 que sempre fui, me frustra bastante não ver um brasileiro no grid. Contudo, não fico pensando na minha posição como um dos possíveis brasileiros a ocupar este espaço em 2020 ou 2021. Tenho um grupo de profissionais competentes trabalhando para mim nos bastidores e que, sobretudo, estão ao meu lado há muitos anos. Temos boas conexões com o Padoock da F1 e estou muito tranquilo que, ao surgir uma oportunidade, eu estarei pronto para agarrá-la.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »