17/10/2019 às 00h16min - Atualizada em 17/10/2019 às 00h16min

A NOVA RELAÇÃO ENTRE A MECÂNICA E AS MULHERES

Concessionárias e prestadores de serviços na área automotiva se adequam para fidelizar o público feminino

Rita Souza
Site OLX Autos, Site Revista Auto Esporte. Fontes físicas: Luciana Pocebon, Alessandra Victório e Anisio de Oliveira Souza Junior.
Site Getty Images
Quem nunca ouviu no trânsito das grandes cidades aquelas expressões machistas: “Dona Maria, vai pilotar o fogão” ou a mais conhecida: “Mulher ao volante, perigo constante”?
Aos que têm o hábito de utilizar raivosamente essas frases citadas como exemplo, é importante lembrar que o número de mulheres dirigindo aumentou consideravelmente nos últimos anos. 

De acordo com pesquisa realizada pelo site OLX AUTOS, especializado em compra e venda de veículos, hoje as mulheres ultrapassaram os homens e são responsáveis por 58% das compras de carros no Brasil.
Além de ficarem à frente na hora das compras, elas também são grandes influenciadoras durante as vendas, porque geralmente ajudam o marido ou os filhos a decidir pelo modelo ideal ou a forma de pagamento.
Esse resultado mostra que as mulheres vêm ganhando cada vez mais destaque no trânsito e a importância tem sido reconhecida no mercado automotivo nacional.
Além disso o site Revista Auto Esporte divulgou que, em 2017, apenas 6,4% dos condutores envolvidos em acidentes de trânsito foram do sexo feminino, contra 93,1% do sexo masculino. Para Silvia Lisboa, coordenadora do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, elas são menos agressivas e batem pouco.
 
NA HORA DA MANUTENÇÃO
 
Outro fato relevante acontece também na hora de fazer a manutenção do veículo, ou seja, levar ao mecânico, ao Detran, lava-rápido e até a um posto de combustíveis para abastecer ou fazer uma calibragem dos pneus.
A gerente comercial Luciana Pocebon, 39, proprietária de um Citroën Aircross, conta que já passou por experiências ruins no que diz respeito a oficinas mecânicas, “Por isso todas as vezes que preciso de auxílio, removo o carro para o outro lado da cidade, onde encontrei um profissional de confiança”, disse ela.

Além disso, Luciana aponta também que poucos estabelecimentos estão preparados para atenderem as mulheres e o público em geral. “Hoje nas oficinas encontro banheiro feminino, uma sala de estar com café frio e raramente Wi-Fi. O problema é a disparidade de preços e a clareza nos orçamentos”, concluiu.

Alessandra Victório, 43, proprietária de um KIA Sportage disse que tem receio de ser “enrolada” por ser mulher. Falou também que para evitar situações desse tipo já possui alguns profissionais que a deixam despreocupada quanto a isso.
 
 OS NOVOS MECÂNICOS
 
É claro que com todas essas transformações no mercado automobilístico, os mecânicos e profissionais da área estão cientes que é necessária uma reformulação na maneira de atender e fidelizar as novas clientes.

O mecânico Anisio de Oliveira Souza Junior, 44, no ramo há trinta anos e dono de uma mecânica, destaca que aquele estereótipo de oficina suja, escura, com certo tipo de calendário contendo fotos de mulheres sem roupas, é coisa do passado, época em que esse ambiente era frequentado apenas por homens.

“Nós mecânicos passamos por um processo de adaptação para viabilizar o bom atendimento às mulheres. Percebi que elas querem saber com mais detalhes, o serviço que será executado, o defeito em si, o nome das peças e para que servem. A maioria reconhece a falta de experiência, porém deixa claro que quer aprender”, disse ele. Anisio finaliza contando que a expressão machista mais conhecida no trânsito está com os dias contados e uma versão melhor e mais justa já existe: “Mulher ao volante, direção elegante!".
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »