29/10/2019 às 21h12min - Atualizada em 29/10/2019 às 21h12min

As várias faces de Joaquin Phoenix

Coringa é apenas um dos muitos trabalhos do ator

Júlia Victória - Editado por Bárbara Miranda
A atuação de Joaquin Phoenix chamou a atenção dos críticos e fãs que foram aos cinemas assistir “Coringa”. Dentre vários elogios, muitos nunca ouviram falar do ator ou não chegaram a ver outras obras que tenha participado.
 
A verdade é que Joaquin não é uma figura nova na indústria cinematográfica e é considerado um dos melhores atores dos últimos anos. Ele é conhecido por sua grande entrega aos papéis e por se remeter a transformações para entrar no personagem.
 
Nascido em San Juan (Porto Rico), Phoenix não teve uma vida fácil e nem cresceu em um berço de ouro.
 
Em 1968, o compositor John Lee Bottom conheceu a hippie Arlyn Dunetz em quanto estava na Califórnia. Os dois começaram a namorar e em pouco tempo se casaram. Em 1970, nasceu o primeiro filho do casal, River, e dois anos depois tiveram Rain.
 
Nesse tempo, John e Arlyn se envolveram com uma seita religiosa chamada “Os filhos de Deus” e se mudaram junto com o grupo para San Juan em 1974, quando nasceu Joaquin e em 1976, Liberty.

FONTE : Twitter.
 
 
Com o passar dos anos, a família começou a passar necessidade e a entrar em conflito com os ideais da seita. Em 1978 decidiram voltar para os EUA. Mas não seria um recomeço fácil. Eles estavam desabrigados e desempregados.
 
Sua mãe começou a trabalhar na emissora NBC e conseguiu agentes para seus filhos. Foi assim que ingressaram profissionalmente no ramo. De todos, o que mais se destacou foi River, considerado uma revelação e um dos atores mais promissores da indústria. Infelizmente a sua carreira foi tragicamente interrompida em 1993.

FONTE : Revista Monet.
 
 
Joaquin e o irmão mais velho saíram uma noite e seguiram para a casa noturna Viper’s Room, que pertencia ao ator Johnny Depp. Já era sabido que River tinha envolvimento com drogas e naquele dia ele consumiu uma alta dose de entorpecentes e teve uma overdose. Joaquin ficou marcado pela morte do irmão e se culpou pelo ocorrido durante muito tempo.
 
Ele seguiu na carreira e nos anos seguintes estrelou em grandes filmes dirigidos por diretores renomados.
 
Em 1995, trabalhou com indicado ao Oscar Gus Van Sant em “Um sonho sem limites”. Em 2000, teve a oportunidade de interpretar o imperador romano Commodus (Cômodo) em um dos maiores filmes da história do cinema: “Gladiador”.
 
O longa de Ridley Scott teve 12 indicações ao Oscar e garantiu a primeira nomeação de Phoenix na categoria de “Melhor Ator Coadjuvante”.

FONTE: CineSet.
 
Em 2002 e em 2004 ele repetiu uma parceria com o diretor M. Night Shyamalan (de O Sexto Sentido): em “Sinais” e “A Vila” respectivamente.

FONTE : Observatório do Cinema.

FONTE : AdoroCinema.
 
Durante esse período, em 2003, Joaquin dublou o personagem Kenai em “Irmão Urso”.
 
Em 2005 ele interpretou o cantor americano Johnny Cash em “Johnny & June”. Como escolha do próprio Cash, Phoenix entregou uma das melhores atuações da carreira e foi indicado como Melhor Ator no Globo de Ouro e no Oscar.

FONTE : Pinterest
 
 
Joaquin levou o Grammy por ter realmente cantado todas as músicas presentes no longa.
 
No ano de 2008, Joaquin surpreendeu a todos com a notícia de que iria se aposentar e focar na música. Ele passou a apresentar um comportamento estranho todas as vezes que aparecia em público
 
Como nessa entrevista ao apresentador David Letterman em 2009:
 
 
Um ano depois, essa estranha atitude se revelou como uma grande pegadinha que fazia parte do falso documentário “Eu Ainda Estou Aqui”.  A ideia era fazer uma crítica à mídia, mas quase acabou com sua carreira.
 
Em 2013 ele retornou com todas as forças e estrelou “O Mestre” do diretor Paul Thomas Anderson, pelo qual foi indicado ao Oscar de Melhor Ator e ao Globo de Ouro de Melhor Ator – Drama. E acabou perdendo para o excepcional Daniel Day-Lewis, que havia incorporado completamente o presidente americano Abraham Lincoln naquele ano.

FONTE : AdoroCinema.
  
Ainda em 2013, Phoenix participou do drama de Spike Jonze, “Ela”. Também levou a indicação do Globo de Ouro de Melhor Ator em Comédia ou Musical.

FONTE : AdoroCinema.
 
Trabalhou novamente com Paul Thomas Anderson em “Vício Inerente” (2015) e foi lembrado na premiação do Globo de Ouro como Melhor Ator em Comédia ou Musical.

FONTE : Omelete
 
Dois anos depois ele ganhou o prêmio de Melhor Ator no Festival de Cannes em 2017, por “Você Nunca Esteve Realmente Aqui”. No mesmo ano, ele interpretou Jesus Cristo em “Maria Madalena”.

FONTE : O Globo.
 
E finalmente, em 2019, Joaquin chegou às telas como Arthur Fleck, ou mais popularmente, o Coringa.

FONTE : CinePOP
 
 
Apesar dessa interpretação estar mexendo com as mentes críticas de cinema, ela não é o único grande papel do ator que construiu uma sólida carreira cheia de atuações notáveis e algumas polêmicas.

  
REFERÊNCIAS

 
SANGUINO, Juan. Os conflitos de um transgressor chamado Joaquin Phoenix. Disponível em: <https://brasil.elpais.com/brasil/2015/09/23/cultura/1443004824_309533.html>.Acesso em 29 de outubro de 2019.
 
HISTORY.  Morre o promissor ator River Phoenix, aos 23 anos. Disponível em: <https://br.historyplay.tv/hoje-na-historia/morre-o-promissor-ator-river-phoenix-aos-23-anos>.Acesso em 29 de outubro de 2019.
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »