21/03/2020 às 17h24min - Atualizada em 21/03/2020 às 17h24min

Taxa de furto e roubo diminuem na cidade de Santo André, no ABC paulista

"É gratificante para mim saber que ainda vale à pena" - diz Luiz Henrique Ribeiro Artacho, delegado de polícia titular no 6 DP de Santo André.

Rute Moraes - Edição: Giovane Mangueira
© Fábio Dias 2019

Os crimes de roubo, furto comum, furto e roubo de veículos diminuíram em Santo André (ABC) no ano de 2019 em relação ao ano de 2018. Foi uma queda de mais ou menos 10%, indo de 7.004 para 6.287 nos crimes de furto, e 7.460 para 6.610 nos crimes de roubo, no caso de crimes como furto e roubo de veículos (FRV) os números foram de 6.755 para 6.060.

Segundo o delegado de polícia da cidade Luiz Henrique Ribeiro Artacho do 6º DP, a diminuição se deve pelo fato da polícia estar trabalhando em cima de abordagens policiais. Entretanto, só não se pode ter resultados maiores nesse período pelo fato da criminalidade ser dinâmica, ou seja, a área em que eles atuam hoje pode não ser um centro da atuação criminosa, mas se amanhã eles mudarem de área, logo esse espaço será tomado novamente pelos criminosos. O crime é dinâmico, ele sempre muda de local. Outro fator que pode acabar atrapalhando a ação da polícia, é o fato de muitas pessoas não se precaver com o uso de seus objetos pessoais, facilitando assim abordagem dos criminosos. Não é que a polícia não vá te defender, mas cada um deve fazer a sua parte”, explica.

O estudante universitário Jonathan Santos, de 22 relata que já sofreu um crime de roubo, mas não levou a sério, pensou que fosse uma brincadeira. "No inicio pensei que estivessem bricando, só depois que percebi a gravidade e tentei correr. Nesse momento me puxaram e apontaram a arma na minha cabeça. A população deveria tomar mais cuidado. não era pra gente andar na rua com medo de mostrar o que temos, só porque alguém pode tomar , mas como isso é utópico e somente acontece no japão, temos que tomar o máximo de cuidado”, revela. 

Para o motorista de caminhão, Emílio Carvalho, a melhor opção sempre é se precaver, andar atento. “ É necessário a precaução, porque se não vigiamos somos roubados. Embora eu nunca tenha sido roubado, nunca me sinto seguro na estrada ainda que a providência da empresa em que eu trabalho seja via satélite” disse o motorista. O caminhoneiro ressaltou que embora nunca tenha sido assaltado, tem muito medo quando está na estrada", conta.

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »