29/03/2020 às 06h09min - Atualizada em 29/03/2020 às 06h09min

Análise: Tom Brady e Hopkins trocam de equipes

Depois de 20 anos, Brady sai dos Patriots e vai para Tampa

Matheus Aquino - Editado por Paulo Octávio
Tom Brady em ação. Foto: Kathryn Riley/Getty Images
A Free Agency da NFL é o período em que os times renovam contratos de jogadores ou utilizam os mesmos para trocas. Nesse ano, grandes movimentações agitaram a 'FA' da liga, como a ida de Tom Brady para o Tampa Bay Buccaneers, e a troca que levou DeAndre Hopkins para o Arizona Cardinals. Além disso, outros times se reforçaram bem, como os Chargers e Dolphins.

A principal mudança, certamente foi a de Tom Brady. Depois de 20 anos, o ‘Quarterback’ saiu do New England Patriots, onde conquistou seis Super Bowls com a franquia e entrou para a história como um dos maiores esportistas de todos os tempos. Agora, ele se mudou para a Flórida, onde atuará pelo Tampa Bay Buccaneers. Agora, 
Brady encontrará   Bruce Arians, famoso por treinar QB’s, como o Peyton Manning, no início de sua carreira. Sua última temporada com os Pats não foi das melhores, o time logo foi eliminado dos Playoffs e a temporada terminou frustrante. Logo, jogador e franquia não chegaram a um acordo. Sua nova casa te dará alguns ingredientes novos e que ele não teve em Boston, como por exemplo, o corpo de recebedores.

Depois de perder Rob Gronkowski, seus únicos alvos do
England eram Julian Edelman e James White, agora, ele terá a melhor dupla de WR da liga em suas mãos, Chris Godwin e Mike Evans. Além disso, OJ Howard e Ronald Jones são grandes incrementos para o ataque de Tampa Bay. Além disso, a defesa também é equilibrada, com dois grandes pass-rushers, Shaquill Barrett e Jason Pierre-Paul. Por fim, o último fator é jogar na NFC, e numa grande divisão, a NFC South, que ainda conta com New Orleans Saints, Carolina Panthers e Atlanta Falcons.

O Houston Texans, em especial o treinador/general manager, Bill O’Brien, trocaram um dos melhores recebedores da liga, DeAndre Hopkins, por uma escolha de 2º rodada do Draft e o RB David Johnson para o Arizona Cardinals. Essa foi uma péssima troca para a equipe de Deshaun Watson. Como parâmetro, no dia seguinte, o Minnesota Vikings trocou Stefon Diggs, para o Buffalo Bills, por uma escolha de 1º rodada do draft e mais algumas de meio do draft. Já os Cardinals se reforçam muito bem agora, principalmente o ataque, que contará com Kyler Murray, Kenyan Drake, Christian Kirk, Larry Fitzgerald e DeAndre Hopkins.


David Johnson (31) reforçará os Texans, em troca, Hopkins (10) irá para Arizona. Foto: 
Getty Images/Houston Chronicle

Os Chargers também se reforçaram. Philip Rivers foi para os Colts e não é mais o QB da franquia, por isso momentaneamente Tyrod Taylor é o titular. No entanto, é provavel que selecionem um Quarterback no draft -- como fiz no meu Mock Draft aqui no Lab. Justin Herbert é o nome preferido da franquia. Logo, reforçaram a linha ofensiva, com a chegada de Bryan Bulaga, bom RT, e Trai Turner, em uma troca que envolveu Russell Okung para os Panthers. Na defesa, Linval Joseph reforça a DL, além de Chris Harris, CB que estava nos Broncos e reforça uma grande secundária que já conta com Casey Hayward Jr e Derwin James.

Os Dolphis por sua vez, jogaram tudo nessa FA. Com muitas escolhas no draft e bastante dinheiro disponível para o mercado de trocas, a franquia reforçou a secundária com Byron Jones. Um jogador extremamente versátil e atlético jogou de CB e S nos Cowboys, vem agora para Miami para formar uma grande dupla com Xavien Howard. Na Defensive-Line, Kyle Van Noy, Shaq Lawson e Emmanuel Ogbah também reforçam o setor. Van Noy é um nome especial aqui, foi treinado por Brian Flores, na época que ele era coordenador defensivo dos Patriots, e agora o encontrará como treinador dos Dolphins, ou seja, há uma conexão. Para a linha ofensiva, a franquia trouxe Ereck Flowers e Ted Karras.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »