05/02/2021 às 09h04min - Atualizada em 05/02/2021 às 08h41min

"Vacina Sim": é tempo de esperança

A chegada da vacina contra o coronavírus no Brasil levou aos lares do país a certeza de dias melhores

Ianna Oliveira Ardisson - Editado por Andrieli Torres
Foto: Arquivo pessoal de Gabriela Nunes
O que parecia tão distante começa a se tornar realidade no Brasil. A vacinação contra a Covid-19 começou. Quem poderia imaginar que um vírus mudaria totalmente nosso modo de vida? Projeções apontava o início da campanha de imunização para março deste ano. Porém, já em janeiro,  a enfermeira Mônica Calazans, 54, foi a primeira brasileira vacinada contra o coronavírus no estado de São Paulo. Foi emocionante acompanhar a transmissão dessa mulher sendo vacinada. De esperança se encheu os lares brasileiros ao assistir esse momento.

No primeiro grupo para vacinação estão os profissionais da saúde. Não poderia ser diferente, já que são eles que estão desde o início nessa luta diária. Expostos e com medo, suscetíveis a ser infectados e a transmitir o vírus aos seus familiares. A vacina vem abrir um horizonte de esperança de dias melhores.

A médica Gabriela Nunes, 33, que trabalha diretamente com pacientes com suspeita e até com Covid-19, comenta como tem sido difíceis seus dias desde o início da pandemia.

 
“Não foram meses fáceis, mudei minha rotina ao chegar em casa, minha roupa de trabalho, os acessórios que eu usava e meu emprego virou de pernas pro ar. Aos poucos, fui me adaptando com essa nova realidade. Mas se tem uma coisa que me seguiu firmemente durante esse quase um ano foi um medo enorme. Medo de pegar, medo de contaminar os outros, medo de trazer COVID para minha casa, medo de perder meus familiares, amigos e pacientes”.

É doloroso perceber o medo dos profissionais da saúde. Profissionais tantas vezes vistos como heróis, mas que são seres humanos que além de expostos ao vírus, também estão expostos a toda essa desordem emocional. Medos e angústias que esses dias trouxeram a todos nós.

A vacinação e suas implicações poderá reverter a situação atual de pandemia. A vacina vem para que aqueles que, porventura, contraírem a doença, não a tenham de forma tão grave, não necessitem de leitos de UTI para que não haja colapso no sistema de saúde.

Infelizmente, não são todos que acreditam e querem a vacina. Por que alguns ousam não acreditar no poder da vacina? Movimentos antivacinas surgem na contramão de toda comprovação científica e suas evidências. Mentiras são espalhadas na internet por grupos que agem justamente para espalhar o terror ao povo brasileiro . São vários absurdos dito por essas pessoas; como alterações de DNA, chips nas vacinas, que elas causam autismo, que contém mercúrio, dentre outras questões que definitivamente não são comprovadas. Conhecemos bem o resultado das campanhas de imunização que ocorrem no país. A vacina salva vidas. O sucesso, por exemplo, na questão da vacinação contra o sarampo é amplamente conhecido. O sarampo até chegou a ser eliminado da população brasileira.

Como os profissionais da saúde se sentem em meio a esse cenário de negacionismo e de movimentos antivacinas? A médica Gabriela percebe com espanto as reações negacionistas.


 
“Eu achava que a aceitação da vacinação já era algo introjetado na nossa população, afinal, temos um dos maiores calendários vacinal do mundo. Então, foi com muita surpresa e tristeza que percebi que algumas pessoas são contra a vacina. Infelizmente, hoje, as pessoas acreditam mais em opiniões políticas do que na ciência e nos profissionais de saúde. A maioria dos médicos que eu convivo tem visto com decepção e medo essa luta antivacina associada ao uso de medicações sem comprovação alguma contra o COVID”.

Devido a essa negação contra a vacina, o consórcio de veículos de imprensa formado pela TV Globo, G1, O Globo, GloboNews, Extra, Folha de S, Paulo, Estado de S.Paulo e UOL, criaram a camapanha "Vacina Sim", que tem como objetivo conscientizar a população sobre a importância da vacinação e amplificar as informações sobre o imunizante.
 
A vacina chegou e temos a resposta que esperávamos. Entretanto, ainda temos um caminho longo pela frente de cuidados já aprendidos a serem mantidos. Não é agora que deixaremos de usar as máscaras, e não poderemos nos reunir com amigos e familiares. Precisamos de um pouco mais de tempo. Em meio a tantos tormentos, temos a alegria de saber que a resposta para acabar com a aflição que o vírus trouxe já está batendo à nossa porta.

Se hoje fosse feita uma enquete com a pergunta: qual o seu grande sonho para o novo ano? Possivelmente, a resposta que mais se ouviria seria: "o sonho de que chegue logo o dia de ser vacinado!" Esse dia chegou para a médica Gabriela, ela relata como se sentiu ao ser vacinada.

 
“No dia que recebi a vacina, foi um misto de sensações. Senti alívio por pensar que eu estaria um pouco mais protegida, caso pegasse agora, pelo menos, não evoluiria de forma grave. Alegria por ver que a ciência venceu e finalmente estávamos com a vacina aprovada. Insegurança e tristeza pois não sei se essa vacina chegará aos familiares, amigos e pacientes. Novamente, medo das pessoas que eu tanto amo não receberem essa vacina a tempo”.

Temos esperança de novos tempos com a chegada da vacina. Muitos desafios para vencer ainda, apesar do medo que insiste em nos perseguir, é preciso paciência para esperar. A ciência trouxe a solução e aguardamos na fila a nossa vez de realizar esse sonho.
 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »