23/02/2021 às 17h40min - Atualizada em 23/02/2021 às 17h25min

Do Canadá para o hotel Cecil: Os ultimos passos de Elisa Lam

Entenda como o caso da jovem desaparecida há oito anos ainda toca com seus mistérios e fatos

Júlio Lisboa - Editado por Alinne Morais
Fontes: Netflix
BBC
No último dia 11 a Netflix estreou uma minissérie documental sobre uma história famosa de 2013, o caso de Elisa Lam. A jovem canadense de 21 anos viajou para os Estados Unidos sozinha e se hospedou no hotel Cecil (atual Stay on Main) em Los Angeles, lá ela desapareceu, não deixando quase nenhum rastro de onde poderia estar, apenas uma imagem de câmera de segurança do elevador registrou os últimos momentos antes do seu desaparecimento. Elisa não saiu mais do prédio com vida.

A minissérie conta com quatro episódios, de aproximadamente 55 minutos cada, e relata todo o caso e as várias teorias que começaram a circular pelos Estados unidos e pelo mundo, desde hotel mal assombrado até arma biológica. Mas, o desfecho é muito mais real e próximo do que vivemos.
 
ELISA LAM
 


Em 2013 Elisa Lam estava com 21 anos quando decidiu fazer uma viagem sozinha pela Costa Oeste dos Estados Unidos, ela passaria por São Diego, Los Angeles, Santa Cruz e São Francisco.
 
“Eu cheguei em Laland ...”
 
De acordo com seu blog pessoal, que atualizava como um diário, ela esteve na cidade de São Diego, de 22 a 27 de janeiro, e depois foi para Los Angeles, onde se hospedou no hotel Cecil, um aposento econômico para viajantes. “Eu cheguei em Laland ...”, postou em sua página, se referindo a cidade.

No dia 28, suas colegas de quarto reclamaram de algumas atitudes estranha da hóspede e ela precisou trocar de aposento compartilhado para um particular. Três dias depois, exatamente em 31 de janeiro, que seria o seu check-out, foi declarado o seu desaparecimento e seus pais noticiaram ao departamento de policia da cidade.

Após se iniciar as investigações o departamento encontrou uma imagem em câmeras de segurança onde mostrava Elisa. O vídeo era dentro do elevador e mostrava muitos comportamentos estranhos como aparentar estar fugindo de alguém, ela sai e gesticula na porta como se conversasse, e outros movimentos que não parecem natural. O departamento de policia e o jornalista Dennis Romero divulgaram o vídeo na internet como forma de ajudar nas investigações.

 

 
Pelas câmeras de segurança era possível provar que a jovem não saiu do prédio em nenhum momento depois do desaparecimento, causando muitas histórias sobre o que poderia ter acontecido com Elisa durante dias.

Um casal que estava hospedado no hotel começou a notar que a água da torneira estava ruim e a cor estava muito escura. Após reclamar na recepção e feito a mudança de quarto, o problema persistiu e então foi pedido que um funcionário da manutenção fosse verificar as caixas d’água, foi então que encontrou o corpo dentro de uma das caixas em decomposição e sem roupa, isto foi dezenove dias após o desaparecimento

 

TEORIAS

O hotel de três estrelas foi fundado em 1927 e possui 700 quartos, é um lugar econômico para viajantes, pessoas com pouco orçamento e até moradores de rua.

Segundo a ex-gerente do hotel, durante o período de 10 anos de trabalho lá, presenciou dezenas de mortes entre suicídio, assassinatos, mortes naturais e também que não se resolveram. O local ficou famoso também pelo caso da atriz Elizabeth Short, que foi assassinada em Los Angeles em 1947. O hotel foi o ultimo lugar que esteve antes. Outro caso é de Richard Ramirez, conhecido como Night Stalker, que assassinou cerca de 13 mulheres, ficava hospedado lá.

 Em 2013 o hotel Cecil mudou de nome, hoje é chamado de Stay on Main
 


Muitos acreditam que o hotel é mal assombrado por conta de todos estes acontecimentos o que criou várias teorias sobre o caso, as teorias variam muito e fez com que não acreditassem desfecho divulgado pela polícia.

Umas das teorias mais conhecidas é do hotel ser mal assombrado, explicando a causa de muitos acidentes dentro. Outra teoria é que a morte foi causada por funcionários do hotel ou hóspedes e a equipe escondeu para o departamento da polícia.

A teoria mais bizarra é que a Elisa teria sido usada como cobaia de novos remédios para tuberculose. Em 2013 houve uma epidemia na doença na cidade de Los Angeles.

Entre todas estas ainda existem teorias de suicídio, embora as investigações apontaram que não havia nada que comprovasse.

Overdose foi uma teoria bem convincente pelos comportamentos dela no elevador, mas nas analises de toxicologia não foi encontrada drogas que comprovassem a causa. Segundo o laudo da morte, Elisa Lam sofria de Depressão e bipolaridade, ela não estava tomando seus devidos remédios e teve uma morte acidental. O caso de Elisa pode comprovar que a sociedade tenta mascarar o transtorno que na verdade deve ser debatido, comentado e acolhido para salvarmos vida.

 
"Não diga a todos sobre a sua tristeza."
Postagem de Elisa em sua página.
 
A minissérie já está disponivel na Netflix. E para falar mais sobre o tema da depressão convidamos doutora Tatiane Lessa, que é psicóloga, mestre e doutora pela UFSCAR para um bate-papo que você confere aqui



 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »