01/03/2021 às 18h19min - Atualizada em 01/03/2021 às 18h17min

“São Victor” se aposenta dos gramados em noite de homenagens do clube e de companheiros de equipe

O goleiro ídolo do Galo pendurou as luvas após sua última partida como titular; Victor já aceitou o convite e será gerente de futebol na diretoria da equipe mineira

Lucas de Almeida Andrade - Editado por Juan Camilo
Victor defende pênalti batido por Riascos que eternizou sua história no Galo Foto: Washington Alves/Reuters

O goleiro Victor, ídolo da torcida do Atlético Mineiro, se despediu do futebol no último domingo (28) ao realizar sua última partida como jogador profissional pela estreia da equipe no Campeonato Mineiro. A despedida do  ex-goleiro de 38 anos foi marcada por homenagens do clube e de companheiros de equipe após a vitória por 3 a 0 sobre o URT. 

Ao final da partida o goleiro lamentou que a torcida não pode estar presente em sua despedida no Mineirão, devido a pandemia da Covid-19. Ele ainda afirmou que as lagrimas em seus olhos eram de alegria, orgulho e de sensação de dever cumprido por todo legado dele no clube. Por fim, o ícone da torcida agradeceu a todos os atleticanos que sempre estiveram ao seu lado independente da situação. 

As homenagens começaram antes do apito final da partida válida pela primeira rodada do estadual. O ônibus da equipe levou a inscrição “São Vitor #Gratidão”. O goleiro usou a camisa 424 em referência ao número de jogos feitos pela equipe. Além disso, todos os jogadores do Galo estavam com nome do goleiro escrito na camisa. Após o final do embate um corredor foi feito pelos seus companheiros que o saudaram pela sua história. Posteriormente, as mãos do arqueiro foram eternizadas na Calçada da Fama do estádio Mineirão. 

Foram quase nove anos defendendo a meta do Atlético-MG, com 424 jogos disputados, 205 vitórias, 109 empates e 110 derrotas. Victor foi contratado no meio da temporada de 2012 com a meta de resolver o problema de falta de bons goleiros que o time mineiro enfrentou em anos posteriores.  

Em 2013 veio a consagração do arqueiro ao defender pênaltis decisivos na campanha vitoriosa da Libertadores. O lance mais emblemático, foi a defesa na penalidade cobrada por Riascos nos minutos finais da partida contra o Tijuana pelas quartas de finais da competição sul-americana. Após a defesa a torcida o apelidou de “São Victor”. 

O goleiro deixa a equipe mineira tendo conquistado os títulos da Libertadores (2013), Recopa Sul-Americana (2014), Copa do Brasil (2014), 
e quatro títulos do campeonato Mineiro (2013, 2015, 2017 e 2020).  

 


Victor recebe homenagem na calçada da fama do Mineirão. Foto: Divulgação/Mineirão
 

Início no interior paulista e cargo na diretoria atleticana 
 

Nascido na cidade de Santo Anastácio, interior do estado de São Paulo, Victor foi revelado pelo Paulista de Jundiaí no ano de 2001. Em 2002 o goleiro foi emprestado ao Ituano por onde foi campeão paulista. Retornou ao time de Jundiaí para fazer parte do elenco campeão da Copa do Brasil em 2005. Ficou na equipe até 2008 quando foi para o Grêmio, sendo o titular da meta até ser negociado com para a equipe pela qual pendurou suas luvas. 
 

Entretanto, mal deu tempo de se despedir dos gramados e o ex-atleta já definiu seu futuro. Victor aceitou o convite do presidente do GaloSergio Correia, para ser o novo gerente de futebol do clube. Ele terá a missão de substituir Gabriel Andreata, que saiu do cargo após o anúncio de que Jorge Sanpaoli estava acertado com o Olympique de Marseille 

Em entrevista à TV Galo, o agora dirigente da equipe mineira, afirmou que está muito empolgado com a nova missão em sua carreira e espera fazer o melhor possível para que o Atlético volte a ter grandes conquistas

 


Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »