10/10/2021 às 22h19min - Atualizada em 10/10/2021 às 21h56min

Guarda roupa cápsula e alternativas para um consumo inteligente

"Super consumo= extinção” é o que ativistas do meio ambiente afirmam

Danielle Vaz - Editado por: Flávia Pereira
Foto: Ksenia Chernaya | Reprodução: Pexels

O cartaz com a frase “super consumo = extinção” da ativista representante dos grupos “Amigos da Terra França”, “Juventude pelo Clima” e “Extinction Rebellion”, que invadiu o desfile da Louis Vuitton em Paris nesses últimos dias, pode ter sido mais um sinal alarmante para alguns, levantando mais uma vez, o debate sobre consumo consciente.
 



De acordo com uma pesquisa da Fundação Ellen MacArthur, a produção têxtil usa de cerca de 93 milhões de metros cúbicos de água atualmente, o equivalente a 37 milhões de piscinas olímpicas. Segundo o Fashion Revolution, consumimos, em média, 10 mil litros de água para fabricar uma calça jeans e 8 mil pares de sapatos.

 

O Brasil é a maior Cadeia Têxtil completa do ocidente, de acordo com dados de 2019 da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), ainda sendo a quinta maior indústria têxtil e quarta maior produtora de denim do mundo.

 

Se colocar na ponta do lápis quanto é produzido e consumido, entende-se a magnitude desse assunto, que vai do consumo individual, mas também das grandes empresas do mundo. Pensando nisso, é compreensível que se procure por formas alternativas de consumo e praticidade. Sendo assim, você já ouviu falar do guarda roupa cápsula? 

 

Guarda roupa cápsula



Uma dessas opções de consumo consciente é o guarda roupa cápsula. Essa técnica criada pela estilista britânica, Susie Faux, na década de 70, com o objetivo de organizar uma coleção de peças básicas e atemporais, classificadas por estações, vem com a ideia de minimalismo fashion e estilo. 

 

O guarda roupa cápsula pode variar de acordo com o estilo e praticidade de cada um, é possível organizar de sete a 100 peças que se complementam entre si, mas a ideia é sempre ter um armário prático, onde se uma peça entrar outra deve sair e substituir em em funcionalidade, estilo e qualidade. 

 

Para a consultora de estilo Luana Anjos, durante sua profissão, ela contou que percebeu o quanto as suas clientes compram sem pensar, compram para não perder uma promoção ou pelo simples fato de consumir. Em uma das etapas de encontrar o estilo, é feito o Closet Cleaning, que vem depois de alinhar as estratégias de imagem e ela conta que acaba por descartar 30 a 40 por cento das peças do armário do consultado, justamente, por compras feitas por impulso.

 

De acordo com um artigo da Recicla Sampa, neste ano de 2021 a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), estimou um crescimento de 13% na indústria da moda, o que elevou a produção em 6,68 bilhões de peças, sendo descartado 160 mil toneladas de resíduos têxteis por ano no país.   

 

“Resumindo de tanto ver esse “desperdício” acabei levando como lema de vida e defendo muito uma moda mais consciente e inteligente. Acredito que não precisamos de muito para termos um guarda roupa versátil. Para as pessoas leigas meu discurso é: Busque qualidade e não quantidade! Ao invés de comprar 5 blusinhas de 10 reais cada uma que vão se deteriorar na primeira lavagem, prefira adquirir 1 que vai durar uns 5 anos pelo menos.” conta a consultora de estilo, Luana Anjos.

 

A publicitária Sthefanie Louise, que há alguns meses começou a produzir conteúdo para a plataforma Tiktok sobre guarda roupa cápsula, conta que não sabe muito bem quando começou a prática da técnica de consumo, mas iniciou querendo utilizar todas as peças do seu armário, combiná-las entre si sem precisar comprar por mais. 

 

a maior diferença que percebi é que acabo comprando muito menos. Todas as temporadas são lançadas novas tendências e como é algo que acompanho e gosto de seguir, se eu não conhecesse meu guarda-roupas seria algo insustentável. Além disso, no dia a dia facilita muito pois a combinação fica muito mais rápida e prática.” explicou, Sthefani.

 

Ainda não existe uma receita ou um plano de início para construir o guarda-roupa cápsula, é um processo individual. Mas há uma noção de que é preciso saber quais as peças que gostaria de manter, peças que tenham uma funcionalidade ou sejam compatíveis com o estilo que quer seguir. Para Luana Anjos, é preciso se conhecer, definir um estilo e usar da criatividade.  

 

“Minha sugestão é que para cada parte de baixo nova precisa combinar com pelo menos 5 partes de cima que já tem e para cada parte de cima a peça precisa combinar com pelo menos 3 partes de baixo. Assim você vai construindo um armário mais versátil. Outro ponto importante… para se ter um armário cápsula é necessário definir uma paleta onde as cores se conversam entre si.” acrescentou, Luana Anjos.

 

Projeto “Um Ano Cem Roupas”

 

Existem alternativas que surgem junto ao guarda-roupa cápsula para aderir ao consumo consciente, são projetos que se adequam a cada preferência. A criadora de conteúdo Mari Herman, criou o projeto “Um ano cem roupas”, com o intuito de explorar mais seu armário e trazer versatilidade na composição dos looks. 


 




Mari Herman conta que iniciou o projeto a partir do guarda-roupa cápsula, percebendo que mesmo tendo um armário de quatro portas e completo, ainda se sentia insatisfeita, acreditando que não tinha roupas o suficiente para certas ocasiões e consequentemente, comprando mais.

 

Hoje em dia, ela se sente completa com o seu armário de uma porta e meia, além de ter se formado em consultoria de estilo e assim, aplicando técnicas de styling para combinar todas suas peças entre si.

 

“Eu vejo que as pessoas têm essa necessidade de ter muitas peças, eu tinha também,  porque eu usava muito tudo do mesmo jeito, então eu tinha uma calça que eu só usava com uma blusa, eu colocava com outras duas blusinhas e então acabava ficando muito limitado. E a hora que você aprende sobre técnicas de estilo e de composição de styling, você percebe que na verdade tem muito mais opções de combinações do que você consegue imaginar. (...) Hoje em dia eu não tenho medo mais de tirar peças do guarda-roupa, eu não tenho medo mais de reduzir cada vez mais ele, porque eu sei que quanto menos eu tiver, mais eu vou usar, é melhor, eu vou usar o que eu tenho.” Declara, Mari Herman.

 

O projeto “Um ano cem roupas” teve que ser pausado por esse ano, porque Mari engravidou e está no processo de reorganizar o armário, mas ela assegurou que volta ano que vem com mais conteúdo sobre. 

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »