21/11/2022 às 11h51min - Atualizada em 20/11/2022 às 23h05min

"Dahmer - Um Canibal Americano”: De recorde de audiência a lembrete de traumas

Renovada para mais duas temporadas, a série de grande repercussão revela que parte desse sucesso se dá pelo estilo “true crime”

Lívia Nogueira - Revisado por Flavia Sousa
O serial killer foi acusado de matar 17 pessoas entre 1978 e 1991 (Foto: Divulgação Netflix)

O serial killer Jeffrey Dahmer teve sua trajetória narrada na nova série lançada pela Netflix. A produção alcançou, em poucas semanas, recordes de audiência, fato que a fez ser comparada até a fenômenos como Stranger Things. O público em geral, entre horror e curiosidade, consumiu muito a série. Já familiares de vítimas e testemunhas dos crimes cometidos acusaram a produção de lembrá-los dos traumas vividos e romantizar as tragédias cometidas.

Durante semanas, a história do homem que, entre 1978 e 1991, assassinou 17 pessoas - entre homens e meninos - com um modus operandi que envolvia estupro, necrofilia e canibalismo esteve entre as produções mais assistidas da plataforma da Netflix, que lançou a série.

Dhamer: um canibal americano | Trailer oficial. (Reprodução: Netflix Brasil - Youtube)


A série que possui, até o momento, 10 episódios, discorre não-cronologicamente sobre a vida do serial killer e os assassinatos cometidos por ele, além do período pós-prisão. Parte essencial do produto, as narrações de experiências de Dahmer desde o seu nascimento contribuem para a construção social dele como um predador de pessoas, solitário e dramático.

A relação dos pais, as interações adversas na escola e os hábitos sanguinários com corpos de animais diversos são alguns dos fatores evidenciados na série como indicadores das problemáticas psicológicas e morais de Jeffrey, interpretado por Evan Peters

LEIA MAIS:
Dahmer - Um Canibal Americano: Conheça o caso que inspirou a série

Os assassinatos e as personalidades de algumas das vítimas compõem outros trechos marcantes da produção dirigida por Ryan Murpy. Além da própria questão dos assassinatos cometidos em série, o produto reflete sobre questões de racismo, justiça e homofobia no contexto em que os crimes aconteceram. 

Twitter de vh (Reprodução: @bored2victro - Twitter)


Twitter de Kapri The Social Desconstructor (Reprodução: @Kapri2725 - Twitter)


Considerando a forma explícita como muitos desses aspectos foram demonstrados na série e os comentários de horror feitos pelo público em geral, relatando diversos gatilhos e emoções fomentados pelo produto, é possível imaginar a revolta de muitos dos familiares e das testemunhas dos crimes ao ver o lançamento da produção. Algumas dessas pessoas se pronunciaram, principalmente, após o sucesso da série. 

Rita Isbell, irmã de Errol Lindsey, um dos meninos mortos por Jeffrey Dahmer, foi uma das figuras representadas com destaque na série. Essa evidência se dá no contexto do julgamento, quando a familiar teria reagido emocionada e revoltada ao ver o assassino de seu irmão.

Quando vi parte do programa, isso me incomodou, especialmente quando me vi – quando vi meu nome aparecer na tela e essa senhora dizendo literalmente o que eu disse. Se eu não soubesse, teria pensado que era eu. O cabelo era como o meu, ela estava com as mesmas roupas. É por isso que parecia reviver tudo de novo. Isso trouxe de volta todas as emoções que eu estava sentindo naquela época.”, relata Rita ao acessar a série.

Algumas das críticas e sinopses feitas ao produto audiovisual citaram esse lado da repercussão de "Dahmer: Um canibal americano". Para Stuart Heritage, jornalista do The Guardian, o produto é "quase nauseantemente impossível de assistir”. De acordo com a crítica de Heritage, "o pior de tudo, até certo ponto, é a escolha da abordagem da série. A única coisa boa que uma série como essa pode fazer é tirar os holofotes do assassino e mostrar quem essas pessoas realmente eram. Mas infelizmente ela está muito fascinada com sua estrela principal para fazer isso."

 

O diretor da série declarou ter buscado e tentado contatar os familiares das vítimas durante mais de três anos de produção, mas que não obtiveram êxito e, por isso, as histórias contadas no produto baseiam-se na pesquisa feita pela equipe nesse período.

 

Agora, confirmada para mais duas temporadas de continuação, o público aguarda a nova narrativa que será dada à série.

 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »