05/10/2019 às 11h41min - Atualizada em 05/10/2019 às 11h41min

Comprar roupa pela internet: vantajoso ou não?

Consumidores possuem visões diferentes sobre o e-commerce

Bruna Aiabe
Foto: Pixabay
Ir ao shopping e entrar em várias lojas de roupa ou ficar em casa e comprar aquela blusa com apenas um clique? Levantamento realizado pelo NZN Intelligence aponta que 74% dos consumidores brasileiros preferem a modalidade online em relação às compras realizadas em lojas físicas. O conforto e a comodidade proporcionados pelo e-commerce chama atenção de Paloma Januario, 28. A blogueira conta que comprar roupas pela internet possibilita pesquisar promoções e comparar preços sem sair de casa.

 Dados da empresa Compre&Confie aponta aumento de 23% das compras via internet no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, sendo o setor de moda e acessórios responsável por 1,4 ponto percentual. Apesar disso, alguns fatores desestimulam a compra virtual de roupas, como a dúvida na hora de escolher o tamanho ideal.

Para evitar essa insegurança, algumas lojas descrevem melhor os tamanhos das peças, como é o caso da loja online de roupas femininas “Carlot Clothes Store”. As irmãs Angélica e Bruna Carlot, donas da empresa, oferecem informações e detalhes sobre as vestimentas. “No nosso site, colocamos todos os dados possíveis: tamanhos, centímetros, largura, tipo de tecido e colocamos aviso se a peça for muito pequena, por exemplo. Além disso, as clientes podem conversar diretamente conosco para tirar dúvidas”, explica Angélica.

Mesmo assim, Nathalia Ferreira, 19, não compra roupas pela internet. “Tenho medo de escolher o tamanho errado ou a roupa não ficar do jeito que eu imaginava. Prefiro lojas físicas”.




 Foto: Bruna Aiabe

O frete também desestimula alguns consumidores. Em muitos casos, as peças vendidas virtualmente são mais baratas do que nas lojas físicas, mas o preço final depende do lugar em que a pessoa mora. Por conta disso, a loja de roupas femininas “Minha blusa” vende apenas para a cidade onde os donos moram. “Como só vendo para minha cidade, consigo entregar com um frete baixo ou até grátis. Não é viável vender para outros locais, porque o frete acaba dobrando o preço da peça”, conta o sócio e diretor de marketing, Thiago Gonçalves.

Outro fator é a desconfiança em relação ao pagamento. Após quase ter sido vítima de um golpe, Gabrielly Priscila, 20, passou a pesquisar informações e buscar o CNPJ das lojas antes de comprar. Ela conta que toma mais cuidado, mas não deixa de comprar roupas virtualmente, já que considera mais prático e rápido.

O Brasil é o 2º país com maior número de fraudes no e-commerce, segundo dados da pesquisa do ACI Worldwide. Algumas empresas estão aproveitando a onda de compras online para aplicar golpes nos consumidores, como o não recebimento do produto adquirido, roubo de dados e clonagem de cartão.  De acordo com a ciberseguradora Psafe, entre janeiro e agosto de 2018, foram detectados 920 mil golpes, por isso o comprador deve ficar atento.
          
Para evitar cair em uma armadilha na internet, o consumidor deve pesquisar sobre a loja e reputação dela, procurando comentários de pessoas que já compraram na empresa, guardar o comprovante de compra e desconfiar de ofertas tentadoras.

 
 
 
 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »