23/04/2021 às 00h00min - Atualizada em 23/04/2021 às 00h01min

Pesquisa aponta que 53% dos brasileiros relatam piora na saúde mental no último ano

Após o início da pandemia do coronavírus, os números de problemas mentais, como a ansiedade e depressão, tiveram aumento significativo

Daiane Obolari - Editado por Júlio Sousa
Rawpixel.com
Após o início da pandemia do coronavírus, a incerteza passou a fazer parte do cotidiano dos brasileiros e do mundo. Com isso, o impacto na saúde mental da população é nítido, e os índices de ansiedade e depressão só aumentaram desde então.
Em 2017 a Organização Mundial da Saúde (OMS), divulgou que o Brasil já possuía o maior número de pessoas ansiosas do mundo. São 18,6 milhões de brasileiros (9,3% da população) que convivem com o transtorno. Já segundo pesquisa do instituto Ipsos53% dos brasileiros declararam que seu bem-estar mental piorou no último ano.

Patrícia Souza, neuropsicóloga e especialista em ansiedade, aponta que, com a pandemia, esses sintomas podem ser evidenciados, por isso é importante aprender a lidar com seus efeitos e que é natural que as pessoas se sintam mais fragilizadas emocionalmente por conta de uma mudança radical como acontece na pandemia. “Muitas pessoas perderam empregos e mudaram a vida de forma radical e isso mexe muito com o emocional de qualquer pessoa. Também tem o medo e a incerteza que vivemos nesse período, não sabemos quando vai acabar, não sabemos como o mercado de trabalho vai ficar. São muitas incertezas, por isso gera muita insegurança e medo nas pessoas. A pandemia tem um reflexo muito grande no aumento de casos de pessoas com ansiedade ou crises emocionais”, diz.
 
Doenças emocionais mais recorrentes
Transtorno de ansiedade e Depressão estão como as doenças emocionais que mais afetam as pessoas, não só no Brasil, mas no mundo todo. Segundo pesquisas mais atualizadas, a cada 100 pessoas, 70 a 80 já sofrem com a ansiedade ou depressão, é um número relevante e que preocupa os profissionais da saúde mental.
De acordo com dados da Associação Brasileira de Transtorno Bipolar (ABTB), Patrícia recorda que este transtorno afeta seis milhões de pessoas no nosso país. Ele é um dos mais difíceis de fechar diagnostico devido à instabilidade do paciente.
“O Transtorno de Dependência ao Álcool atinge cerca de 10% da população brasileira, que apresenta problemas graves relacionados ao consumo de álcool. Essa é a droga mais consumida e mais associada ao adoecimento e mortalidade precoce. Já o Transtorno de Dependência do Tabaco acomete cerca de 9% da população, e a maioria das pessoas não compreende a dependência do tabaco como um transtorno mental”, completa.
 
Consequências diretas no cotidiano do brasileiro
A neuropsicóloga inicia dizendo que a maior consequência são os riscos de adoecimento emocional das pessoas por conta do medo, ansiedade ou outras reações de estresse ligadas a notícias falsas, alarmistas ou sensacionalistas, e mesmo ao grande volume de informações circulando.
Ela diz: “O aumento dos sintomas psíquicos e dos transtornos mentais durante a pandemia pode ocorrer por diversas causas. Dentre elas, pode-se destacar a ação direta do vírus da Covid-19 no sistema nervoso central, as experiências traumáticas associadas à infeção ou à morte de pessoas próximas, o estresse induzido pela mudança na rotina devido às medidas de distanciamento social ou pelas consequências econômicas, na rotina de trabalho ou nas relações afetivas e, por fim, a interrupção de tratamento por dificuldades de acesso.”
 
Importância de manter a saúde mental bem durante esse período difícil
Como em todo cenário negativo, é muito importante colocar a saúde mental como prioridade, pois o emocional é responsável pelo bem-estar e qualidade de vida de qualquer pessoa, por isso, nesse momento, devemos estar focados no nosso equilíbrio emocional, Patrícia expõe.
Ela segue dando algumas orientações: “Usar as tecnologias ao nosso favor é uma estratégia muito usada para as pessoas não entrarem em crises emocionais por conta do excesso de informações. Usar a tecnologia para fazer um curso novo ou aprender uma receita nova é uma opção para quem está em casa e cansado da mesma rotina. Fazer uma atividade prazerosa que te deixe motivado e focado em você também é uma opção para ocupar a mente neste período tão delicado. O segredo de ter qualidade de vida em meio ao caos que vivemos é ocupar a mente com coisas que vão te trazer benefícios”.
Termina ressaltando que o corpo e mente estão interligados. Por isso, além de cuidar do corpo, é preciso cuidar da mente.
“Ninguém pode ter qualidade de vida se não estiver mentalmente bem. De que adianta seguir uma dieta equilibrada e viver na academia se os pensamentos negativos são mantidos? Portanto um depende do outro, um grande exemplo disso é uma pessoa com ansiedade e que sofre muitos reflexos no corpo, como alergia, problema de estômago, dores do corpo, queda de cabelo. São sintomas físicos causados pela doença emocional, ou seja, corpo e mente estão totalmente conectados”, finaliza.
Portanto, ter hábitos saudáveis, praticar atividades físicas, ter uma alimentação balanceada, entender que todos têm limitações e respeitar o próprio corpo é importante.
 
Momento de procurar ajuda médica
“Quando a pessoa já não está sob controle de si e de suas emoções é o momento necessário para entender ser preciso de ajuda profissional. Geralmente essas pessoas que possuem crises emocionais julgam que não precisam de ajuda, que dão conta sozinhas, mas a orientação profissional é indispensável para ajudar no tratamento, fazer terapia e trabalhar o autoconhecimento é primordial para pessoas que sofrem com doenças emocionais”, Patrícia enfatiza.
Ela conclui dizendo que algumas pessoas dão sinais de que não estão bem, se afastando e se isolando e que o papel de quem está próximo de pessoas que estão passando por uma crise de ansiedade ou depressão é o acolhimento e entendimento, mostrando ser possível sair desse cenário.
 
Utilidade pública
Se você precisa de ajuda emocional ou conhece alguém que precise, o governo possui o Centro de Valorização da Vida (CVV), onde você pode conversar com um voluntário ligando para 188 de todo o território nacional, 24 horas diariamente de forma gratuita. O atendimento é feito por um voluntário, com respeito e anonimato, que guardará estrito sigilo sobre tudo o que for dito. Se você preferir escrever, pode utilizar o atendimento por chat e email disponível no link: https://www.cvv.org.br/


Referências
BBC NEWS Brasil. Covid: saúde mental piorou para 53% dos brasileiros sob pandemia, aponta pesquisa. BBC. 14 de abr. de 2021. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-56726583> Acesso em: 23 de abr. de 2021

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »