29/07/2019 às 19h20min - Atualizada em 29/07/2019 às 19h20min

Moda Inclusiva: o olhar da moda voltado para deficientes

Gabryella Freitas; Editado por Luana Bastos
Foto: Instagram Moda Inclusiva

 

A Moda Inclusiva ainda que em passos lentos vem crescendo e ganhando destaque no cenário brasileiro, tendo como principal objetivo a inclusão. As pessoas que não têm qualquer tipo de deficiência, não fazem ideia das dificuldades enfrentadas diariamente pelas PcDs, e como essas pessoas necessitam serem inseridas neste mercado que movimenta bilhões ao redor do mundo e lida diretamente com a autoestima.

Vinculado à Secretaria Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, o Programa Moda Inclusiva, tem como coordenadora Izabelle Marques que nasceu com mielomeningocele, um tipo de malformação congênita. Em entrevista a Lab Dicas ela nos contou um pouco de sua trajetória:


"Eu entrei na Secretaria de Governo dos direitos da pessoa com deficiência em Abril deste ano a convite da nossa secretária de Estado Célia Leão. Ser coordenadora dessa pasta, é um sonho realizado que estava no fundo do coração, e é uma honra muito grande ter a confiança da Secretária para exercer esse posto, a moda inclusiva para mim é vida, é um respiro na vida da pessoa com deficiência, consequentemente, na minha. Sinto a necessidade de existir o segmento da moda inclusiva a minha vida toda, mas fui entender na prática esses conceitos quando enxerguei na minha necessidade pessoal e de amigos e conhecidos com deficiência uma oportunidade de negócio."


Além de participar do Programa Moda Inclusiva, Izabelle tem uma consultoria de Negócios inclusivos, a Vinclus.

"A Vinclus surgiu também da necessidade de conscientizar empresas e pessoas sobre o que é, e como ter o pensamento inclusivo. Neste momento estou 100% focada na gestão da Moda Inclusiva da Secretaria mas trouxe todo o know-how da Vinclus para dentro desse novo desafio que me foi concedido. Levo essa responsabilidade e missão com muita seriedade, amor e humildade. Peço todos os dias que Deus continue me dando forças, para ser e fazer o melhor que puder em todos os meus atos."

Foi pensando nas dificuldades dessas pessoas que a estilista Silvana Louro criou a marca Equal Moda Inclusiva, a ideia surgiu em 2011 quando trabalhou como Gerente de Projetos em um núcleo de paratletas, com o seu olhar profissional e sensível percebeu as dificuldades das PcDs para se vestirem, irem ao banheiro e terem autonomia com suas roupas e iniciou um estudo sobre o assunto, aproveitando sua formação em Estilismo, no ano de 2013 desenvolveu o primeiro uniforme para paratletas.

"Fiz uma pesquisa de campo e mercado em várias Instituições, para entender se o meu projeto era realmente pertinente. A ANDEF me abraçou completamente. Lá eu conversava e interagia com cadeirantes e seus familiares. Os cadeirantes foram meu primeiro objetivo. Fiquei quase 2 anos na pesquisa, somando a assessoria de Fernando Mello, referência em Fisioterapia. Conversávamos muito e as orientações dele foram essenciais."

Como descrito no site da marca, a Equal produz roupas tanto adaptadas para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida como para andantes, esse fator se deve a falta de investimento e produção que ainda há nesse segmento.

"Minha primeira coleção foi 100% adaptada e foi difícil escoar a produção. As roupas não adaptadas mantêm o giro da empresa e a possibilidade de continuarmos produzindo as adaptadas, que são mais caras. Diluímos os custos mantendo ambas no mesmo preço, as pessoas sem deficiência que compram nossas roupas sabem que estão possibilitando a produção das roupas adaptadas, esse é o conceito da Moda com propósito, onde você consome de marcas que te representam."

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »