16/10/2020 às 09h20min - Atualizada em 16/10/2020 às 09h02min

Uma voz poética inconfundível: Louise Glück vence o Prêmio Nobel de Literatura 2020

Louise é 16° mulher a receber o Prêmio Nobel de Literatura

Adélia Fernanda Lima Sá Machado - Editado por Bruna Araújo
G1 Notícias, Poetry Foundation
Ilustração: Niklas Elmenhed
Louise Glück é dona de uma voz poética inconfundível cuja beleza austera torna universal a existência individual, assim descreveu a Academia Sueca ao se referir a nova vencedora do Prêmio Nobel de Literatura de 2020.

Certamente o leitor brasileiro teve uma certa dificuldade de confirmar, em português, essa característica atribuída a poeta norte-americana, já que não há nenhuma obra em edição brasileira.

Dessa forma, é necessário que o leitor que ainda pouco a conhece, tome estudo/conhecimento da trajetória, das obras e prêmios da mais nova premiada do grande Nobel de Literatura.



Conhecendo Louise Glück

A escritora norte-americana é descendente de judeus húngaros, que vieram a imigrar para os Estados Unidos décadas antes do seu nascimento. Louise veio a nascer no dia 22 de abril de 1943, em Nova York e logo se tornaria um grande nome da poesia contemporânea.

A sua história no mundo da poesia iniciou de fato em 1968, concomitantemente com a sua carreira na academia, como docente de poesia, atuou em sua profissão em várias instituições. Nos seus escritos, Louise busca clareza em temas como: a vida familiar, o relacionamento próximo entre pais, filhos e irmãos, assim a academia sueca afirmou ao falar sobre os seus livros.

A sua escrita retrata experiências pessoais e da vida contemporânea, baseando-se em mitos, natureza ou histórias. Seus poemas transitam entre autobiografias e mito clássico.

Holly Prado, uma admirada poeta e educadora, declarou em um artigo da revista Los Angeles Times Book Review sobre O triunfo de Aquiles (1985) o motivo da poesia de Glück funcionar tão bem:

Porque ela tem uma voz inconfundível que ressoa e traz para o nosso mundo contemporâneo a velha noção de que a poesia e o visionário estão interligados

Seu primeiro livro foi publicado em 1968, intitulado: "Firstborn", que assim como os seus outros primeiros livros, é centrado em casos de encontros familiares desastrosos, amor fracassado e desespero existencial. Após suas primeiras obras, ela começou a escrever mais sobre: decepção, rejeição, perda e isolamento.



Em uma conversa com um funcionário da Academia Sueca, Glück afirmou que: “Sugiro que não leiam meu primeiro livro a não ser que queiram sentir desprezo”.

Hoje, Louise é considerada por muitos como uma das poetas mais talentosas da contemporaneidade dos Estados Unidos, além das características já apontadas sobre sua escrita, destaca-se também: precisão técnica e sensibilidade. Sua notoriedade veio fruto de uma obra sobre solidão, morte e divórcio.

Atualmente, Louise Glück, é professora de inglês na Universidade de Yale, em Connecticut (EUA).

Leia alguns poemas da autora clicando aqui.
 
Prêmios destaques de Louise

Prêmio Pulitzer-1993
Los Angeles Times Book Prize-2012
Prêmio National Book- 2014
Prêmio Nobel de Literatura-2020

É necessário apontar que a poeta ganhou mais de 10 prêmios desde a sua primeira premiação, apenas os destaques foram enumerados.
 
O Nobel de literatura e as mulheres

Após 24 anos, uma mulher poeta foi escolhida pela Academia Sueca, a última havia sido premiada em 1996, a poeta Wislawa Szymborska.

O número de mulheres já premiadas pelo Nobel de Literatura é de apenas 16, desde a sua criação, em 1901, são elas:
  • 1909 – Selma Lagerlöf
  • 1926 – Grazia Deledda
  • 1928 – Sigrid Undset
  • 1938 – Pearl Buck
  • 1945 – Gabriela Mistral
  • 1966 – Nelly Sachs
  • 1991 – Nadine Gordimer
  • 1993 – Toni Morrison
  • 1996 – Wislawa Szymborska
  • 2004 – Elfriede Jelinek
  • 2007 – Doris Lessing
  • 2009 – Herta Müller
  • 2013 – Alice Munro
  • 2015 – Svetlana Alexievich
  • 2018 – Olga Tokarczuk
  • 2020 - Louise Glück
 
 
 
 
 
 
 

 
Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »