23/04/2020 às 22h19min - Atualizada em 23/04/2020 às 22h19min

Governo Federal no combate à violência contra a mulher

Agressões contra crianças, pessoas com deficiência e até contra a comunidades LGBTQI+ podem ser denunciadas

Ariel Vidal - Editor: Ronerson Pinheiro
Fonte: Agência Câmara de Notícias
Foto/Reprodução: Internet

A Justiça do Rio de Janeiro registrou um aumento de 50% nos casos de violência contra a mulher. As denúncias cresceram após as medidas de isolamento social, orientadas pelo Ministério da Saúde para conter a disseminação da Covid-19.

"Infelizmente as ocorrências de violação à integridade física, e psicológica dos mais vulneráveis, mais especificamente às mulheres, se dão, também, em virtude da falta de recursos financeiros diante das necessidades da família, não que isso seja justificável, mas que incita, de certa forma, as ocorrências”, explica o policial Carlos da Conceição.

Carlos explicou que não apenas à violência contra a mulher tem aumentado, mas crimes como tráfico de drogas, comercialização e venda ilegal de produtos de higiene além de furtos e roubos a bancos. “As forças armadas estão espalhadas, atuando em diversas vertentes para a defesa da sociedade”, afirma.  

Acompanhamento psicológico 

A psicóloga Joyce Sena, especialista em mulher e maternidade, explica que neste período o estresse aumentado pela restrição social, não é motivo para o agressor agir. “Todo ser humano precisa de desenvolver suas habilidades de inteligência emocional, para que assim, consiga administrar suas competências emocionais e impulsos”, explica

A especialista esclarece que a mulher precisa trabalhar as emoções para vencer o medo de denunciar o fato às autoridades, pois muitas vítimas são dominadas pelo receio de serem novamente agredidas, preferindo manter a situação oculta. Ela orienta um acompanhamento psicológico para superar todo esse caos.
“Existem traumas, situações e crenças que devem ser trabalhadas, a fim de minimizar os danos causados pelo agressor. É necessário que a mulher não se entregue ao problema, e tente focar nas soluções por mais que seja difícil, além de trabalhar a auto estima, pensamentos fixos para seguir a vida, extraindo aprendizados das situações da vida”, finaliza a psicóloga.

Combate à violência contra a mulher

A Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos que atende pelo número 180, registrou na última semana um aumento de 9% no volume de denúncias, das mais diversas formas de agressão contra a mulher, segundo dados do Governo do Estado do Rio de Janeiro. Criado pelo Governo Federal, o aplicativo Direitos Humanos Brasil, permite que mulheres vítimas de violência doméstica denunciem os agressores. O app está disponível para o sistema Android e IOS. Agressões contra crianças, pessoas com deficiência e até contra a comunidades LGBTQI+ podem ser denunciadas.


Editora-chefe: Lavínia Carvalho 

 


Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »